Fique por dentro de Floripa
Busque no Deolhonailha

Assine a newsletter

Cadastre-se abaixo:

Veja as últimas notícias de florianópolis

Artesanato Açoriano

É rico em variedade e qualidade

Postado por: Redação

O artesanato litorâneo de referência de base cultural açoriana é rico em variedade e qualidade, representando o listado abaixo uma pequena amostra do potencial existente, que precisa ser reavivado enquanto possibilidade de sobrevivência econômica de seus produtores.

Matéria Prima

A população, em qualquer época e lugar, sempre procurou dar respostas técnicas às necessidade e desafios que surgiam. Uma dessas respostas foi o desenvolvimento do artesanato, produtos feitos manualmente e em pequena escala. São objetos utilitários de grande importância nas lidas diárias, seja em nível doméstico ou profissional, com variações, entre diversas culturas, na forma de lazer, de apresentar e nas matérias-primas utilizadas.

A variedade e qualidade do artesanato está na relação direta com a matéria-prima disponível, sua utilidade e a habilidade individual do artesão, marcas da identidade regional na confecção e respectiva utilização. A produção artesanal compreende:
a) artesanato - produção de objetos utilitários e decorativos;
b) produção agrícola - produtos alimentares resultantes da transformação em processo artesanal de certos produtos agrícolas;
c) produção pesqueira - produtos alimentares resultantes de técnicas de conservação e transformação artesanais de espécies marinhas.
d) artesanato, quanto à matéria-prima, utilizada, pode ser agrupado em: linha, palha, madeira, cipó, taquara, barro (cerâmica), etc.

Linha

Utilizada na confecção de rendas de bilro, toalhas, trilhos; rendas em geral para enfeites diversos, crivo, crochê; troco, teares manuais para tapetes, mantas, tecidos, para calças, saias e blusas; tarrafas, redes, espinhéis. O artesanato à base de linha continua sendo produzido em diversos pontos da ilha.

Palha

De uso na produção de certas bonecas de palha de milho, chapéus, esteiras, enfeites.

Madeira

Fundamental na produção de inúmeros utensílios domésticos e de trabalho: gamelas, tamancos, moveis, cochos, engrenagens de engenhos, cabos de ferramentas brinquedos, cangas de boi, canoas, etc. Em largo uso no litoral, alguns dos itens; outros, pelo desuso, estão deixando de ser fabricados, mas existem artesãos que podem restaurar a produção de canoas, tamancos e outros itens.

Cipó

Utilizado para Fazer cordas e estruturas de balaios, samburás e amarrações, em comunidades tradicionais. Com o aparecimento das cordas industriais, perdeu esta função, sendo ainda utilizado para balaios e samburás.

Barro

Utilizado na confecção de peças de cerâmica, tanto utilitárias, quanto decorativas, bem como na produção de outros objetos. Panelas, potes, bilhas, pratos, canecas. tijolos, telhas, fornos, esculturas são alguns objetos produzidos a partir do barro.

Taquara

De uso na produção do tipiti (para prensar a massa da mandioca nos engenhos), balaios e peneiras. Com o aparecimento dos objetos de plástico e caixas de madeira com sacos na prensagem da mandioca, a taquara praticamente saiu de uso. Existem muitos artesãos que podem ser estimulados a produzir esses artigos com Finalidade decorativa.

Conchas

Poucos artesãos nativos valorizavam e utilizavam esta matéria-prima. Hoje, existe mercado para tais produtos, o que tem estimulado seu uso.

Canoa de um pau só

As canoas usadas na pesca na Ilha são conhecidas como canoa bordada e borda alta ou borda falsa, e confeccionada de um pau só. A madeira usada é o garapuvú branco ou vermelho além do cedro, pau-de-bicho, figueira-branca (gameleira) e a timbuíva (timbuva). Recebem, na grande maioria, nomes próprios que homenageiam alguém ou sua fé cristã, como por exemplo: Deus me guie, Senhora da Conceição, Santa Maria, Quebra-mar, Odete, Rute, Moreninha, Santa Ana. A tripulação destas embarcações comportam é composta por quatro ou cinco homens: o patrão e três remeiros. Dois proeiros e um chumbeireiro. São equipadas com remos de voga e um remo de pá.

Rede de Pesca

Tarrafas, redes, feiticeiras, pandorga, rede de cerco, caçamba, jereré, coca, balaio, etc, etc, etc... são somente alguns dos artefatos utilizados pelo homem do mar da Ilha de Santa Catarina. Peças artesanais que permitem ao pescador desenvolver as técnicas repassadas, de gerações em gerações, e fazem deste artesanato um modo de subsistência. Se por um lado esta cultura foi efetivamente empobrecida, passando a condição de simples atividade de transformação de fio de nylon em instrumento; por outro lado, permanece tendo um um número significativo de praticantes.
Com relação as redes, eram confeccionadas antigamente com material da fibra do gravatá, mais tarde foi usado o barbante, e atualmente usam o nylon. Suas tralhas eram confeccionadas com cordas feitas das fibras da imbiraçu, imbira branca e da fibra da peteira. A tralha superior era guarnecida com cortiças de madeiras leves e atualmente com cortiças ou bóias de isopor. As tralhas inferiores com chumbos de forma cilíndrica vazados, feitos de argila cozida e também com saquinhos cheios com areia, e, atualmente, as tralhas são de corda de nylon, sendo que na tralha inferior o chumbo é embutido.

A Rendeira

Crianças, moças, mulheres feitas e senhoras de idade, tornaram-se verdadeiras artesãs do fio de algodão, do bilro e da almofada. Sua perseverança aliada a aguçada técnica no desempenho desta atividade permitiu a ela esperar o homem que muitas vezes custava a retornar de seu labor, meses até.

Entre a grande diversidade de tipos e formas de rendas desenvolvidas, variando de uma região para outra da Ilha. As mais expressivas são: a renda Céu Estrelado (peça única com bico-de-pato em ponto torcido e paninho); a renda Bicuda (roda de bico-de-pato com seu centro em ponto de trança, ponto torcido e ponto puxado), geralmente produzida em jogos de várias peças; a renda de Arco (bicos-de-leque com o centro das peças que chegam a atingir mais de um metro de diâmetro em arco de meio ponto), feita em grande variedade de tamanho e formas geométricas; a renda Tramóia, feita com sete pares de bilros, em peças únicas e grandes, geralmente usadas como colchas, trilhos ou toalhas de mesa.

Até meados do século passado, a confecção de renda centrava todo um complexo cultural na Ilha. A produção do fio, seu tingimento com pigmentos naturais, a confecção da renda, a troca, o presentear, eram momentos de um "continuum" incessantemente repetido.

Tear

O aparelho em que se teciam, em toda a Ilha como também no continente, guardanapos, toalhas, colchas, riscados e tantas peças de algodão tão comuns, é o tear retangular, que apareceu evolutivamente logo depois do tear vertical. Antes, porém, do aparecimento dessa espécie de engenho tecia-se à mão.
Mas o tear, atualmente, apesar de arcaico e em desuso, representou para a o habitante ilhéu uma grande conquista no ramo da tecelagem tempos atrás, tanto que, apesar de todos os progressos realizados neste sentido, se perpetuou, por todos os cantos.

Veja mais Patrimônio Cultural

ver mais atrativos

Comente!