24.9 C
fpolis
quarta-feira, janeiro 19, 2022
cinesytem

2 mil vagas na área de tecnologia até o final de 2011 em Florianópolis

2 mil vagas na área de tecnologia até o final de 2011 em Florianópolis

spot_img

O estudo identificou as principais carreiras nas empresas de tecnologia

A Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (ACATE) e a Prefeitura Municipal de Florianópolis, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Sustentável, divulgaram na segunda-feira, 9 de maio, os resultados da pesquisa sobre a necessidade de recursos humanos e de cursos de capacitação no setor.

O estudo, apresentado em evento na ACATE para empresários, instituições de ensino e governos estadual e municipal, identificou as principais carreiras nas empresas de tecnologia, as habilidades e competências mais valorizadas nos profissionais, a demanda atual e a necessidade de novos profissionais para os próximos anos. O evento contou ainda com a presença de lideranças empresariais e do secretário executivo substituto do Ministério do Trabalho, Nilton Fraiberg Machado.

Participaram do mapeamento 112 empresas de Florianópolis, que empregam 5.055 profissionais, sendo que 3.377 atuam diretamente na área de TIC, desenvolvendo ou coordenando projetos, produtos e serviços de tecnologia. De acordo com o levantamento, 67% desses profissionais trabalham em micro e pequenas empresas.

A pesquisa revelou que as empresas encerraram o ano de 2010 com 560 vagas não preenchidas para profissionais de tecnologia. Até o final deste ano, mais de 1500 serão contratados e em 2014 esse número sobe para 2500. “Vale lembrar que essa é um estimativa das 112 empresas que participaram da pesquisa, mas são cerca de 500 só em Florianópolis. Nossa estimativa é que, considerando toda a região metropolitana, este número pode até quadruplicar, tamanho o crescimento ”, explicou o vice-presidente da ACATE, Moacir Antônio Marafon. O empresário destacou ainda as ações que vem sendo feitas pela ACATE para minimizar o déficit de profissionais, entre elas o Aluno Monitor e Desafio Digital, a Capacitação em Programação Java e o Jovem Aprendiz.

Paralelo ao mercado de trabalho estão as instituições de ensino que, por sua vez, apontaram que em 2011 serão oferecidas apenas 833 vagas em cursos de graduação na área de TIC. Com o estudo em mãos, entidades, empresas, instituições de ensino e poder público têm um diagnóstico completo sobre os recursos humanos na Capital e assim podem criar ações e planos mais pontuais para a carências do setor tecnológico. Entre os projetos citados estão a criação do Observatório Catarinense de TIC, para manter essa e outras pesquisas nos próximos anos. Com os resultados da pesquisa, a ACATE já apresentou diversas propostas de capacitação a órgãos estaduais e federais.

Para o Secretário Municipal de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Sustentável, Carlos Roberto De Rolt, o mapeamento e as ações que vêm sendo feitas devem ser ampliadas. “Precisamos colocar ainda mais a inovação na pauta do poder público. As empresas de software e serviços de Florianópolis faturaram, em 2010, R$ 602 milhões e são responsáveis por cerca de 10% do ISS arrecadado no município, ficando atrás apenas das instituições financeiras. Para apoiar ainda mais o desenvolvimento desse setor, vamos encaminhar em breve a Lei Municipal de Inovação e o projeto que cria o Fundo Municipal e o Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia”, disse.

O Prefeito Municipal de Florianópolis, Dário Elias Berger, reconheceu os esforços das entidades e das empresas e garantiu mais empenho da prefeitura. Segundo o prefeito, o mapeamento é importante para identificar os problemas e agir. “A prefeitura está empenhada em transformar, efetivamente, Florianópolis na Capital da Inovação, pois a economia do setor de tecnologia traz resultados importantes à cidade, além de ser um setor invísivel e silencioso, que cresce substancialmente sem poluir e sem deixar marcas negativas na nossa cidade”, concluiu.

Governo do Estado anuncia programa

O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de SC, Paulo Bornhausen, anunciou no evento um projeto de capacitação, que está em aprovação pelo Governo Federal com recurso estimado em mais de R$ 1,6 milhões. “Nos próximos 12 meses vamos selecionar e capacitar 1000 jovens em todo o Estado para a área de TIC. A ideia é acelerar o processo e profissionalizar os jovens para que ocupem essas vagas abertas no setor o quanto antes. E, quem sabe, podemos pensar, mais adiante, na mudança da grade curricular das escolas e dos cursos universitários de tecnologia para adequá-los à nova realidade do mercado de tecnologia”, declarou. O programa contará com recursos do Governo do Estado, por meio da FAPESC, já aprovados pelo governador Raimundo Colombo, segundo destacou Bornhausen.

As carreiras mais promissoras

A pesquisa mostrou que os profissionais mais demandados entre as empresas pesquisadas ão: analista de sistemas, programador Java, analista desenvolvedor, desenvolvedor de sistemas e programador Delphi. Em 2010, os segmentos com mais vagas disponíveis foram em empresas que atuam no desenvolvimento de tecnologias para Telecomunicações, Governo e Gestão Empresarial.

spot_img
spot_img