15.2 C
fpolis
quarta-feira, outubro 20, 2021
cinesytem

Alunos da oficina de Jornalismo Cidadão fazem cobertura do Espetáculo Meninices

spot_img

Alunos da oficina de Jornalismo Cidadão fazem cobertura do Espetáculo Meninices

spot_img

Alunos de projetos sociais da Caieira tiveram novas experiências no TAC

Arte, envolvimento, participação e cidadania. Ingredientes simples, mas que se mostraram mágicos e transformadores na noite de quarta-feira,17 de novembro, quando aconteceu no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC) o espetáculo “Meninices”, apresentado pelo Projeto Transforma – Inclusão Social através da Dança.

Uma iniciativa original possibilitou que quatro alunos do Programa Pró-Jovem Adolescente / Caeira 21 – parceiro do Transforma – fizessem a “cobertura jornalística” dos ensaios e bastidores da apresentação. Bento Ricardo Filho, Guilherme Santos, Guilherme Barbosa e Jonathan Daniel da Silva participam das oficinas de Jornalismo Cidadão ministradas no Projeto, e cumpriram com responsabilidade e desenvoltura a função de registrar em fotos e vídeo tudo o que aconteceu antes das cortinas do TAC serem abertas. Ao mesmo tempo em que os bailarinos, professores e equipe de apoio eram os protagonistas das imagens captadas pelos quatro “jornalistas”, eles próprios eram as figuras centrais na primeira experiência externa das oficinas coordenadas pelas professoras Fernanda Afonso e Luciane Zuê.

Fruto de uma parceira entre o Projeto Caeira 21, o Pró-Jovem Adolescente e a Alquimidia.org, as aulas da oficina de Jornalismo Cidadão acontecem nas dependências da Escola Consulado do Samba. Os alunos recebem noções de fotografia, captura e edição de vídeos e produção textual. A ideia é estimular a prática da cidadania e desenvolver os potenciais dos jovens, que se sentem estimulados com o acesso a equipamento, conhecimento e oportunidades diferenciadas. “A satisfação de ver adolescentes, aparentemente inexperientes e, ao mesmo tempo, tão cheios de segurança, ao realizar tarefas de trabalho coletivo é compensadora. Isso é reflexo do trabalho coletivo empreendido pelos colaboradores que se comprometeram com esse projeto no ano de 2010”, explicou o Coordenador e Orientador Social do Pró-Jovem, José Luiz de Abreu.

A professora Fernanda Afonso reconhece os resultados do empenho dos jovens: “Nossos alunos nos surpreenderam positivamente. Aceitaram a responsabilidade de registrar todo o processo do ensaio geral do espetáculo, acompanhando os bailarinos e professores desde o momento em que chegaram ao Teatro até o momento da apresentação. O resultado foi ótimo, com fotos e vídeos que surpreendem tanto pela iniciativa e sensibilidade individual, quanto pelo trabalho em equipe”, declarou.

A equipe ainda tem muito trabalho a fazer. O próximo passo é analisar, em conjunto com os alunos, as mais de 300 fotos e 5 horas de gravação que resultaram da experiência. “Para que se sintam realmente responsáveis pelo material, a ideia é que participem de todo o processo, decidindo, por exemplo, detalhes da edição do vídeo. Assim, perceberão que o trabalho que realizaram não teve fim no momento em que o espetáculo terminou. Trata-se, na verdade, do início de uma nova etapa”, complementou Luciane Zuê.

Meninices

O espetáculo apresentado pelo Projeto Transforma levou ao TAC o gosto pelas brincadeiras infantis. O palco virou uma praça, onde os bailarinos jogaram bola, pularam corda, brincaram com bonecas e fitas e convidaram todos na plateia a ser criança. E o público emocionado respondeu ao chamado.

Coordenado pela bailarina Renata Afonso, o Transforma existe há dois anos, e é um projeto de arte-educação e cidadania. “A arte motiva, abre espaço para a experimentação, respeita o diferente. Temos a certeza de que educar pela arte rende resultados significativos. É essa proposta que norteia as atividades do Transforma: o desenvolvimento da auto-estima, da postura pessoal, da responsabilidade e do comprometimento”, explica a professora.

Além dos 50 alunos, que durante o ano de 2010 participaram das aulas de balé clássico e contemporâneo ministradas pelas professoras Renata Afonso e Alba Lima, estiveram no palco representantes de outras atividades desenvolvidas pelo Projeto Caeira 21: as alunas de Danças Femininas, coordenadas pela professora Juliana Stringhini, o Boi Folia (com adereços e instrumentos confeccionados pelos alunos do Projeto Caeira 21) e a Bateria Mirim do GRES Consulado.

Texto: Luciane Zuê, professora da oficina de Jornalismo Cidadão do Projovem

spot_img
spot_img