19.2 C
fpolis
quinta-feira, outubro 21, 2021
cinesytem

Área de 48.800 m² é limpa pela Floram na Lagoa da Conceição

spot_img

Área de 48.800 m² é limpa pela Floram na Lagoa da Conceição

spot_img

Cerca de 7.700 m³ de algas mortas já não fazem mais parte da lâmina d’agua da Lagoa da Conceição.

Em 2002 foram 42 toneladas de algas mortas que estavam flutuando sobre as águas da Lagoa da Conceição, desta vez cerca de 7.700 m³ delas não fazem mais parte do ambiente marinho.

A operação de limpeza envolveu funcionários da Floram e Comcap. Para o biólogo Luiz Pazini Figueiredo que comandou a operação vários fatores levaram a esse crescimento desordenado (Bloon). “Podemos falar com toda certeza que as causas foram: o aumento da salinidade, o assoreamento da Lagoa da Conceição, o carriamento de matéria orgânica para este local devido ao fluxo de correntes marinhas e a formação geográfica do local. Sem falar da riqueza de nutrientes como nitrogênio e potássio presentes nos despejos de esgoto em toda Lagoa da Conceição”. Pazini lembra que a Floram a partir de segunda-feira (06), fará o monitoramento técnico destas algas, para evitar uma nova ocorrência a exemplo desta.

As algas mortas estavam ao longo de 900 metros da Avenida Osni Ortiga e os moradores que passam pelo local não conseguem mais enxergá-las. Para o empresário Luciano Almeida as algas que começaram a aparecer em grande quantidade em outubro, trouxeram preocupação aos moradores. “Pensávamos que o mau cheiro seria para sempre, mas o poder público fez sua parte mobilizando técnicos capacitados para limpeza imediata”.

A operação realizada resultou até o momento na retirada de sete caminhões de algas da Lagoa da Conceição. A operação envolveu 22 funcionários da Fundação Municipal de Meio Ambiente e 12 da Companhia de Melhoramentos da Capital (Comcap).

spot_img
spot_img