23.8 C
fpolis
sábado, dezembro 4, 2021
cinesytem

Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina comemora 85 anos com a formatura de oficiais

spot_imgspot_img

Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina comemora 85 anos com a formatura de oficiais

spot_img

Uniforme alinhado, passo marcado e a expectativa de uma carreira dedicada
a ajudar às pessoas marcaram a formatura dos 24 oficiais do Corpo de
Bombeiros Militar de Santa Catarina, nesta sexta-feira, no Centro de
Ensino dos Bombeiros, em Florianópolis. A solenidade também comemorou os
85 anos de atuação dos bombeiros em Santa Catarina, que contou com a
presença do governador Raimundo Colombo. „Nós, catarinenses, temos orgulho
do trabalho e da dedicação dos bombeiros no Estado‰, afirmou o governador.

Os bombeiros são os profissionais mais confiáveis pela população, segundo
a GFK, empresa especializada em pesquisas e que ouviu 19 mil pessoas, em
março e abril deste ano. Foi essa credibilidade que levou o historiador
Anderson Luiz Ciota a se interessar pela carreira no Corpo de Bombeiros.
Antes de entrar para o curso de oficiais, Ciota atuava no Haiti. „É uma
instituição respeitada, que presta um serviço em prol da comunidade e que
tem muito respeito. Além da missão, há o reconhecimento do serviço
prestado‰, afirmou Ciota.

O aspirante a oficial foi o melhor colocado no curso que tem duração de
dois anos. A nota média dele foi de 9,5. Agora, Ciota se prepara para
atuar em Itajaí. „O curso foi muito exigido e é necessário para as nossas
atividades. Atuei na enchente há duas semanas e vi o quanto é importante
estar preparado‰, afimou o bombeiro.

Homenagem

Também foi dada a comenda Dom Pedro II, maior
agraciamento da instituição, às pessoas que se desenvolveram alguma ação
em benefício ao Corpo de Bombeiros. O governador Raimundo Colombo recebeu
duas vezes a honraria, uma do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina e outra
do órgão de Rondônia.

Em agradecimento, o governador lembrou de duas histórias recentes da
atuação dos bombeiros no Estado. Durante as últimas chuvas, em Rio do Sul,
quando Colombo vistoriava o impacto da enchente nas cidades, presenciou a
queda de uma barreira. „Os bombeiros agiram rapidamente, ajudando e
tranquilizando a população, sem levar em conta que estavam arriscando a
própria vida. Em Laurentino, uma família isolada pela queda de uma ponte
conseguiu informações de outros familiares, graças aos bombeiros, que sem
a ponte física, fizeram uma ponte de solidariedade, levando paz para
aquelas pessoas‰, contou Colombo. A cerimônia terminou com o tradicional
batismo dos aspirantes, feito por um banho de água das mangueiras usadas
para apagar incêndios.

spot_img
spot_img