15.6 C
fpolis
quinta-feira, setembro 16, 2021
cinesytem

Exposição cultural na comunidade do Projeto Patrimônio Caeira

spot_img

Exposição cultural na comunidade do Projeto Patrimônio Caeira

A cultura da pipa será tema da próxima exposição fotográfica do projeto Patrimônio Caeira. No próximo domingo, dia 20, a comunidade do Caeira no Bairro Saco dos Limões terá a chance de mais uma vez se ver retratada nos trabalhos apresentados na pracinha ao lado da quadra da Consulado do Samba. As fotos serão expostas às 10h da manhã e permanecerão até o anoitecer do dia. A partir das 14h, alunos da oficina de teatro se apresentarão com performances baseadas no texto do morador e poeta Ivaldo Lopes.

A prática de soltar pipa ou pandorga sempre foi comum na localidade. Durante os meses de janeiro e fevereiro crianças, adolescentes e até mesmo adultos aproveitam o tempo livre das férias para observar o céu e as condições do vento para então levantar suas pipas a fim de disputar nas alturas o título de “melhor pipeiro do Caeira”. Rafael Vilela é professor da oficina de fotografia do projeto e diz que não teve como não aproveitar o colorido e o movimento das pandorgas, que se cruzam ao mínimo vento que bata, para realizar saídas fotográficas voltadas ao tema.

Entre as 25 imagens apresentadas no próximo domingo está uma série intitulada “Cabeças-de-Pipa”. Elas impressionam pelas cores do papel de seda posicionado na frente do rosto de cada “pipeiro”. São jovens de várias idades, sotaques, gostos e visões de vida que na hora de soltar pipa só pensam em diversão como competição, ou vice-versa.

Crianças como Lucas Alberto Correia de 6 anos que deixou de ir ao primeiro dia de escola para soltar pipa com o irmão, Bruno, de 9 anos. De chinelo e latinha na mão, ele sobe as ruas íngremes do Morro do Caeira para achar o melhor ponto e empinar sua pipa verde e rosa.

Projeto resgata memória cultural

O projeto Patrimônio Caeira foi aprovado pela Lei de Incentivo à Cultura Elizabete Anderle e tem como objetivo registrar a memória cultural da comunidade do Caeira através de fotografias, textos, encenações e material virtual.
Aluna do curso de fotografia desde o começo do projeto, Resilamar Machado, ou “Dona Zila”, de 61 anos, é moradora do Caeira e professora aposentada. Após deixar a Universidade Federal de Santa Catarina, onde atuava como técnica em assuntos educacionais, ela agora se dedica à educação de adultos de sua localidade e aproveita as aulas de fotografia para aprender um pouco mais sobre seu “hobby” favorito.

Muitas são as histórias ouvidas pelos participantes do projeto. Um dos moradores mais ilustres da comunidade é o artista plástico e escritor Ivaldo Lopes. Mosaicista de mão cheia, ele traduz não só nas paredes de sua casa, como também em seus poemas, o seu dia-a-dia e a visão que tem de Florianópolis e da sua comunidade. Os poemas de Ivaldo já servem de base para a oficina de texto e serão também interpretados pelos alunos da oficina de dramatização e por ele mesmo na tarde do evento.

Caso chova, as apresentações e a exposição serão adiadas.

Foto:de Rafael Vilela


O quê: Exposição fotográfica e performances do projeto Patrimônio Caeira
Quando: Dia 20 de fevereiro, próximo domingo, a partir das 10h.
Onde: Pracinha ao lado da quadra da Consulado do Samba, Bairro Saco dos Limões. Fpolis.
Contato: Carlos Silva – (48)9914-2375

spot_img
spot_img

Leia mais

spot_img