18 C
fpolis
sábado, dezembro 4, 2021
cinesytem

IPM aponta gastos com compras de final de ano serão maiores em 2011

spot_imgspot_img

IPM aponta gastos com compras de final de ano serão maiores em 2011

spot_img

Nova edição da pesquisa foi divulgada na tarde desta quinta, dia 3 de novembro, pela ADVB/SC e Instituto Mapa. Materiais de construção continuam entre as prioridades.

Um ano após a divulgação da primeira edição do IPM – Índice de Predição de Mercado – pesquisa que antecipa as tendências de consumo das famílias catarinenses para as principais datas comemorativas do ano, a ADVB/SC e o Instituto Mapa fecham o ciclo do estudo com a apresentação da 4ª edição do Índice. Desta vez, a pesquisa apresentou as tendências de consumo dos catarinenses para as festas de final de ano – natal e ano novo – e alta temporada de verão. “A partir de agora, daremos continuidade ao trabalho com a possibilidade de comparar os dados deste ano com os do ano anterior, o que irá enriquecer nossos resultados”, explicou a presidente da ADVB/SC Maria Carolina Linhares. A pesquisa foi apresentada na tarde desta quinta, dia 3 de novembro, pelo diretor-presidente do Instituto Mapa, José Nazareno Vieira.

A quarta edição do IPM apontou que as reformas residenciais estarão em alta nos próximos três meses (novembro e dezembro de 2011 e janeiro de 2012). De acordo com os indicadores, 30% das famílias entrevistadas pretendem adquirir materiais de construção neste final de ano e início de 2012. Esse número é maior do que o registrado no ano passado, quando apenas 24% dos catarinenses disseram que investiriam em materiais de construção. Em segundo lugar, ficaram os óculos de sol ou de grau com 25% das intenções de compras, mesmo número registrado no ano anterior. Depois deles vieram os móveis residenciais com 24%, seguidos dos eletrodomésticos de linha branca com 15%, eletroportáteis com 12% e computadores e aparelhos celulares com 11% das intenções de compra. Os demais bens duráveis que completam a lista dos 12 itens mais cobiçados pelos catarinenses são: televisores (10%), carros ou motos (9%), jóias ou relógios (8%), imóveis (7%) e, por último, equipamentos de áudio e vídeo (7%).

Com relação aos bens semiduráveis e não duráveis 34% dos catarinenses responderam que pretendem gastar mais em vestuário nos próximos três meses do que no trimestre anterior (agosto, setembro e outubro). O gasto com supermercado também irá aumentar em relação ao trimestre anterior, tendo em vista que 43% das famílias pretendem comprar mais. “Assim como em 2010, o período de final de ano representará um significativo incremento tanto nas vendas de supermercados quanto nas de artigos de vestuário. No entanto, verificamos que este ano, a população está menos estimulada para o consumo em ambos os segmentos”, explicou o diretor-presidente José Nazareno Vieira. No ano passado, as vendas de vestuário apresentaram tendência de crescimento de 48% em relação ao trimestre anterior e a de supermercados apontou aumento de 52%.

Gastos com lazer também estão nos planos de mais de um terço das famílias. De todos os entrevistados, 37% disseram que irão viajar. Desses, 25% irão utilizar o carro como meio de locomoção, outros 7% irão de avião e apenas 5% optarão pelos ônibus.

Situação financeira também foi estudada

A influência da situação financeira atual na predisposição de compras dos entrevistados também foi estudada pelo Instituto Mapa. De acordo com a pesquisa, 55% da população catarinense considera-se em situação razoável, outros 39% está em situação boa e os demais 6% em situação ruim. Em um comparativo com o mesmo período do ano anterior, 47% dos catarinenses afirmaram que a situação melhorou, outros 38% disseram que está igual e apenas 15% revelou que piorou. Números que comprovam o resultado apresentado na 1ª edição do IPM que apontou que 53% das famílias teriam melhora em sua situação financeira e 35% continuariam da mesma forma.

Com relação ao desemprego, 84% das famílias alegaram que ninguém está desempregado, sendo de 16% o índice de desempregados. “Na metade dos casos em que há alguém desempregado na família, trata-se de um fato recente, inferior a três meses e que pode ser considerado como uma transição de empregos”, explicou Pantaleão.

Local de compras para o Natal é um dos itens apresentados

Para as compras de natal, principalmente, o Instituito Mapa perguntou às famílias em que local pretendem concentrá-las. O resultado mostra a preferência disparada pelas lojas de rua com 64%, outros 18% apontaram que optarão pelos shoppings, seguidos das barracas e camelódromos (3%), internet (2%) e outros locais (1%). Os que não sabem ou não pretendem comprar nada somam 11%.

IPM conclui que gasto será maior no final deste ano

De acordo com o diretor-presidente, o índice geral do IPM mostra uma situação favorável para o período de final de 2011 e início de 2012. Ou seja, identifica-se a tendência a um Natal, final de ano e férias de janeiro com resultados acima do ano passado, no que diz respeito a consumo de bens e serviços. A quarta edição do IPM apresentou um índice evolutivo de 90,3% de possibilidade de consumo, número superior ao registrado no ano passado que foi de 81,9%.

Metodologia do estudo

Para concluir o estudo, o Instituto Mapa entrevistou, no período de 14 a 20 de outubro, 630 famílias distribuídas pelos 20 maiores municípios catarinenses. Os entrevistados foram os principais decisores de compras em suas famílias, acima de 25 anos, de todas as classes econômicas.

spot_img
spot_img