16.6 C
fpolis
sexta-feira, setembro 24, 2021
cinesytem

Obra clássica de Franklin Cascaes ganha nova edição pela EdUFSC

spot_img

Obra clássica de Franklin Cascaes ganha nova edição pela EdUFSC

spot_img

Mais viva e emergente do que nunca, a obra de Franklin Cascaes vai muito além do elogio ao exótico universo bruxólico da Ilha, como ficou cristalizado por uma certa leitura folclorista do seu legado. Enigmaticamente conservadora e vanguardista, sua contribuição para as artes plásticas e para os estudos da mitologia popular ainda está longe de ser decifrada. A despeito do conteúdo moral católico dos seus escritos, Cascaes deu visibilidade à cultura pagã dos descendentes açorianos e foi precursor de um tipo de etnografia participativa de campo. Como antropólogo, valorizou todo um campo da sensibilidade e do imaginário que passava ao largo da ciência. Como artista, deixou um traço original, ao mesmo tempo primário e inovador.

Quase uma década depois do lançamento póstumo de sua obra clássica, O Fantástico na Ilha de Santa Catarina será reeditada e republicada pela Editora da UFSC ainda neste semestre. Com edição esgotada e pouquíssimos exemplares em estoque, os dois volumes trazem narrativas ilustradas de causos fantásticos recolhidos pelo historiador na Ilha de Santa Catarina que têm valor ao mesmo tempo literário e científico, constituindo-se no único memorial desse imaginário simbólico. Serão reunidos em um único volume, que deve primar pela qualidade estética, segundo o editor Sérgio Medeiros. “Estamos planejando um projeto gráfico primoroso, que valorize o trabalho desse historiador, escritor e artista plástico cada vez mais revisitado pela sua originalidade e contemporaneidade”. A publicação deve estar concluída no início do próximo semestre para ser adotada com fins pedagógicos em escolas, universidades e vestibulares.

No final da semana, a Editora firmou um contrato de curadoria de imagens com o artista plástico Fernando Lindote para a edição da obra. Estudioso de Cascaes, Lindote vai selecionar novos desenhos para ilustrar a obra do multiartista, que considera de consulta obrigatória para quem quer compreender a cultura e a arte local. Curador de duas grandes exposições de desenhos e esculturas de Cascaes, realizadas em 209 e 2010 por ocasião do centenário do seu nascimento, Lindote o considera um artista enigmático. “Ao mesmo tempo em que passava ao largo das escolas estéticas e mantinha um traço quase primário, seus desenhos anteciparam experiências de vanguarda muito importantes”, explica. Para Lindote, a personalidade excêntrica do pesquisador (que faleceu em março de 1983) e o desconhecimento em torno do seu universo de estudo contribuíram para que a obra fosse cercada de uma visão espetacularizada e mistificadora.

Lindote também vai ilustrar a capa do segundo volume de Ecos no Porão, seleção dos melhores contos de Silveira de Souza, cujo primeiro volume foi lançado pela EdUFSC em outubro de 2010, durante a Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão (Sepex). Com lançamento previsto para o mês de março, o segundo volume trará a imagem de uma instalação de Lindote. A obra foi escolhida pelo próprio artista em visita à UFSC. “Selecionamos um dos artistas plásticos contemporâneos mais expressivos de Santa Catarina para dialogar com esse escritor que também é um de nossos melhores contistas”, justificou o editor Sérgio Medeiros. O próximo projeto da editora é a reedição dos sonetos de Cruz e Sousa, inserindo os originais manuscritos que estão na Casa Rui Barbosa.

Po Raquel Wandelli
Assessora de Comunicação da SeCArte/UFSC

spot_img
spot_img

Leia mais