23 C
fpolis
segunda-feira, novembro 29, 2021
cinesytem

Santa Catarina investe R$ 630 milhões em Desenvolvimento Sustentável

spot_img

Santa Catarina investe R$ 630 milhões em Desenvolvimento Sustentável

spot_img

Com a meta de transformar Santa Catarina em referência na inovação com
sustentabilidade, o Governo do Estado coloca em prática projetos na área
de Educação, Meio Ambiente, Empreendedorismo e Tecnologia. Ao longo de
2011, mais de R$ 630 milhões em investimento foram aprovados para
programas, via Secretaria do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS).
Em destaque estão o Geração TEC, o Juro Zero e o fundo para micro e
pequenas empresas.

Visando formar mais profissionais na área de tecnologia, impulsionando o
desenvolvimento econômico, o Geração TEC é uma iniciativa do Governo do
Estado, por meio da SDS e Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do
Estado de Santa Catarina (Fapesc). Com investimento de R$ 15 milhões, o
programa irá formar cinco mil novos programadores em Santa Catarina até
2014. A etapa é realizada em Florianópolis, onde cerca de 200 jovens
recebem aulas sobre Java, C++, Delphi, PHP e Net. Outras nove regiões
catarinenses estão sendo mapeadas para receberem o Geração TEC e, a
próxima, será Lages. As inscrições na região Serrana são até dia 30 de
outubro pelo site www.geracaotec.sc.gov.br . „O Geração TEC faz parte das
ações voltadas para a educação que visam dar a Santa Catarina o
profissional qualificado que precisamos para avançarmos na inovação‰,
afirma o secretário Paulo Bornhausen.

Ainda em parceria com a Fapesc, em 2011 foi realizada a segunda edição do
Sinapse da Inovação. O governador Raimundo Colombo repassou R$ 2,5 milhões
para 50 ideias criativas geradas no ambiente acadêmico se transformem em
negócios de sucesso. Para a próxima edição, cujas inscrições estão abertas
até o dia 18 de novembro, R$ 5 milhões serão destinados como incentivo a
100 concepções, para que a ideia seja desenvolvida em ambiente
empresarial.

<b>Pequenos têm vez ˆ</b> Por meio do programa Juro Zero, os
microempreendedores individuais (MEIs), com receita bruta anual de, no
máximo, R$ 36 mil, poderão fazer empréstimo de até R$ 3 mil. Com esse
valor, o microempreendedor poderá melhorar o seu negócio e futuramente
expandir sua empresa, de forma a gerar mais empregos e aumentar a renda
familiar. A expectativa do programa é atingir 30 mil MEIs e o Governo do
Estado vai operacionalizar até R$ 12,8 milhões no processo. „O Juro Zero
atende o setor que é a base da economia catarinense e que se destaca pelo
empreendedorismo histórico do nosso povo. Com esse projeto, estamos dando
uma injeção na nossa economia tradicional, com o diferencial de termo
Sebrae dando consultoria de gestão e inovação a cada microempreendedor
individual que entrar no programa. Esse acompanhamento garante o sucesso
do investimento e o crescimento do empreendimento‰, afirmou o governador
Raimundo Colombo.

Para os micro e pequenos empreendedores, será criado um fundo especial
para inovação, um projeto do Governo do Estado com o Banco do Brasil, com
parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
(Sebrae) e a SC Participações e Parcerias (SCPar). Trata-se de uma linha
de crédito para a contratação de pessoas para desenvolverem projetos
inovadores indicados pelas consultorias do Sebrae. Serão R$ 600 milhões
investidos para a geração de até 30 mil novos empregos. „Essa é uma linha
de crédito inédita no país‰, explica Paulo Bornhausen. De acordo com o
secretário, é a primeira vez que um governo dá financiamento para
contratação de pessoas e pagamento da folha e encargos. „O fundo é
exclusivo para isso, e poderá se transformar em Juro Zero se o tomador do
empréstimo ficar adimplente e mantiver as contratações feitas por no
mínimo dois anos‰, enfatiza.

<b>Meio ambiente – </b> Para conhecer o impacto ambiental causado por
diversos setores da economia catarinense, inclusive órgãos da
administração pública direta e indireta, o Governo do Estado, via SDS,
está elaborando o Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. „Com
base nas informações levantadas serão realizadas ações para minimizar e
compensar os impactos ambientais‰, explica o secretário Paulo Bornhausen.

Dentre os setores que serão catalogados, o de energia é um dos mais
importantes e a SDS convidou a Celesc para coordenar o balanço energético
do Estado, base para este trabalho, junto à Secretaria. O custo para o
levantamento da administração pública é de R$ 500 mil e o levantamento do
setor produtivo será de R$ 520 mil.

Outra ação realizada pela SDS na área ambiental são os Planos Municipais
de Saneamento Básico. Audiências foram realizadas com o objetivo de
engajar a sociedade, grupos executivos responsáveis e poder público.
Inicialmente serão atendidos municípios com até 10 mil habitantes, o que
corresponde a 61% das cidades catarinenses.

spot_img
spot_img