Florianópolis, 18 de julho de 2024

Acervo de Meyer Filho inspira Mostra Impremeditações

spot_img

Compartilhe

Situações do imprevisível reveladas através de divagações artísticas inspiram a Mostra Impremeditações, promovida pelo Instituto Meyer Filho e Fundação Assis, na Galeria Pedro Paulo Vecchietti, no Centro. Com abertura nesta terça-feira (16/06), às 20h, a exposição é resultado de uma pesquisa no acervo do artista plástico Meyer Filho e da interlocução da obra do modernista, falecido em 1991, com a produção contemporânea de artistas de Florianópolis. Viabilizada em parceria com a Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes (FCFFC), por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, a mostra prossegue até 30 de julho.

A exposição fica aberta à visitação pública, gratuitamente, de terça a sexta-feira, das 10h às 18h. Haverá no local um serviço de monitoria realizado pela Fundação Hassis, com o objetivo de auxiliar os visitantes. Os trabalhos também estarão documentados num catálogo, com texto explicativo. Como parte da programação, o Erro Grupo realizará a performance “Festa Fora da Festa” no dia 27 de julho, na Praça 15 de Novembro.

Todos os trabalhos expostos na Galeria Pedro Paulo Vecchietti abordam situações do impremeditado, que deixam à mostra divagações artísticas em diferentes processos de criação. Reúnem performance (Erro Grupo), cartazes colados no contexto urbano (Luana Raiter/Erro Grupo), instalação (Roberto Freitas e Giorgio Filomeno), desenhos (Meyer Filho e Augusto Benetti) e fotografias (Julia Amaral), sob curadoria de Kamilla Nunes e Tereza Siewerdt.

Os esboços de Meyer Filho foram selecionados entre 1500 estudos “rápidos” e “rapidíssimos” – como ele os denominava –, que desvendam questões formais pouco conhecidas pelo público. Este universo, aparentemente insignificante, transborda em pequenos pedaços de papel, folhas arrancadas de cadernos e de bobinas de calculadoras, guardanapos, reverso de páginas escritas e embalagens de cigarros.

As reverberações e interlocuções entre Meyer Filho e os seis trabalhos selecionados indicam uma proximidade entre procedimentos de criação. Através deles, o esboço, o acaso e o improviso incidem diretamente nas soluções das obras, e o material (precário ou insólito, como alfinetes, ímãs, animais mortos ou acessórios de festa) desloca suas funções, usos, fins e valor.

Serviço:

O quê: Mostra Impremeditações

(Trabalhos de Augusto Benetti, Giorgio Filomeno, Julia Amaral,

Luana Raiter/Erro Grupo, Roberto Freitas, Meyer Filho e Erro Grupo)

Curadoria – Kamilla Nunes e Teresa Siewerdt

Quando: Terça-feira (16/06) – 20h – Abertura da exposição

De terça a sexta-feira – das 10h às 18h (até 30 de julho)

Onde: Galeria Pedro Paulo Vecchietti

Praça 15 de Novembro, nº 180, esquina com Rua Tiradentes – Centro

Telefone: (48) 3228-6821

Quanto: Gratuito

Sobre Meyer Filho

Ernesto Meyer Filho nasceu em Itajaí, no dia 4 de dezembro de 1919. Era filho da escritora Rachel Liberato Meyer, autora do livro (póstumo) Uma Menina de Itajaí, e de Ernesto Meyer, que foi fazendeiro, exportador de arroz e banana, contador e representante comercial, entre outras profissões.

Bacharel em Ciências Contábeis, Meyer Filho foi o primeiro pintor modernista catarinense a expor sua arte sem sair de seu estado natal. Expôs individualmente em galerias profissionais e museus do Rio de Janeiro (Galeria Penguim, 1960), Belo Horizonte (Museu de Minas Gerais Pampulha, 1961) e São Paulo (Casa do Artista Plástico, 1963 e 1964).

Quintais e galos fantásticos estão entre os temas preferidos do artista, que buscava inspiração em Marte, e foi taxado de maluco pelos conservadores. Deixou sua arte em diferentes espaços culturais, mas também em objetos inusitados como guardanapos dos bares e nas costas de folhas de cheque.

Seu quadro “Idílio fantástico” (1957) foi a primeira pintura fantástica produzida e exibida no estado de Santa Catarina em exposição individual, no Museu de Arte Moderna de Santa Catarina. As obras de Meyer Filho estão expostas em Florianópolis, Belo Horizonte, Joinville, e na Pinacoteca de Porto Alegre, Museu de Arte Contemporânea de São Paulo (Coleção Theon Spanoudis), além de coleções particulares no Brasil e exterior. Ernesto Meyer Filho faleceu no dia 22 de junho de 1991.