20.6 C
fpolis
quarta-feira, dezembro 1, 2021
cinesytem

Atendimento emergencial nos hospitais da Grande Florianópolis é considerado normal

spot_img

Atendimento emergencial nos hospitais da Grande Florianópolis é considerado normal

spot_img

Servidores grevistas fazem protesto em frente à Assembleia Legislativa no primeiro dia de greve

O atendimento emergencial nos hospitais da Grande Florianópolis é considerado normal no primeiro dia de greve dos servidores da Saúde em Santa Catarina. Os principais problemas enfrentados pelos pacientes envolvem o cancelamento das cirurgias já marcadas.

De acordo com a assessoria do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde Privado e Público Estadual (SindSaúde), aos poucos os servidores aderem à greve.

A mobilização ainda não afetou as emergências dos hospitais, que seguem em atendimento normal. Segundo a Secretaria da Saúde, com base no relatório apresentado pelas unidades de Saúde, apenas 10% dos servidores aderiram à greve. O Secretário de Estado da Saúde, Roberto Hess de Souza, aguarda posicionamento da Justiça em relação ao movimento.

Improbidade administrativa

De acordo com a assessoria de comunicação da secretaria, o abono de 16,7%, proposto pelos representantes do sindicato no ano passado, está sendo pago regularmente. Porém, a incorporação do abono ao salário poderia acarretar em improbidade administrativa, por ser ano eleitorial.

Ainda segundo a Secretaria da Saúde, os servidores que aderirem à greve não podem bater o cartão ponto se não for cumprir suas funções na instituição.

Um processo administrativo disciplinar foi aberto nesta terça-feira contra profissionais que não compareceram à cirurgia de uma paciente, que entrou em contato com a Secretaria da Saúde para registrar denúncia.

Protesto

Cerca de 300 servidores fazem manifestação nesta terça-feira em frente à Assembleia Legislativa, na Capital. O protesto não tem hora para terminar, segundo a categoria.

Os servidores da Saúde querem um projeto de lei que incorpora o abono de 16,76% aos salários do trabalhadores, além de planos de carreira.

spot_img
spot_img