18.6 C
fpolis
quinta-feira, setembro 23, 2021
cinesytem

Cineasta francês participa da 8ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis

spot_img

Cineasta francês participa da 8ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis

spot_img

Michel Ocelot pela primeira vez no Brasil.

O francês Michel Ocelot, criador de uma premiada cinematografia autoral de animação, desembarca no dia 9 de julho na capital catarinense para participar da 8ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis. Serão exibidos quatro longas do diretor e uma seleção de curtas que foram lançados recentemente em DVD, na França.

É a primeira vez que Ocelot vem à América Latina. Depois de Florianópolis, o cineasta segue para Montevidéu, no Uruguai, para participar do Divercine (Festival Internacional de Cinema para Crianças e Jovens) e retorna para o Brasil onde participa no Rio de Janeiro e em São Paulo do Anima Mundi (Festival Internacional de Animação).

Em Florianópolis, Michel Ocelot fará uma palestra sobre animação para estudantes, no dia 10 de junho, e no dia seguinte conversa com crianças após uma sessão com três curtas-metragens do diretor. A 8ª Mostra de Cinema Infantil fará uma homenagem ao cineasta francês. Durante todos os finais de semana vão ser projetados os longas Kiriku e a Feiticeira, Kiriku e os Animais Selvagens, Príncipes e Princesas e Azur e Asmar. Haverá também uma exposição de cartazes e storyboards dos filmes.

Michael Ocelot

A vinda do diretor é chancelada pelo projeto Ano da França no Brasil. Reconhecido pela qualidade dos cenários e dos grafismos de seus filmes, e também pelo foco em temáticas humanistas, Ocelot trabalha questões da diversidade cultural. A consagração do cineasta ocorreu em 1998 com Kiriku e a Feiticeira, um conto africano, que relata a história de um herói minúsculo. Michel Ocelot nasceu na Côte d’Azur, mas viveu dos 6 aos 12 anos em Guiné, na África, onde conheceu a lenda de Kiriku. A presença de Michel Ocelot em Florianópolis reafirma a proposição da Mostra em exibir obras de qualidade e de todas as nacionalidades, que sejam dirigidas a crianças e adolescentes.

Coprodução internacional

No site www.mostradecinemainfantil.com.br é possível obter informações sobre o 2º Pichting, um projeto de estímulo a coproduções brasileiras com países europeus. As inscrições já estão abertas e o concurso vai selecionar um projeto de longa-metragem, com temática infanto-juvenil, para participar de encontros de coprodução de fóruns de financiamento no BUFF (Festival de Cinema para Crianças e Jovens de Malmö), na Suécia, e no Cinekid (Festival Internacional de Filme, Televisão e Novas Mídias para crianças), em Amsterdã, na Holanda.

Diversidade e integração cultural

A 8ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis exibirá também filmes brasileiros, dinamarqueses e suecos, que “ampliam a tendência do evento de Santa Catarina como uma janela do cinema mundial feito para crianças”, segundo Luiza Lins, diretora da Mostra. Um dos destaques será a pré-estreia nacional do filme A casa verde, dirigido por Paulo Nascimento e produzido pela Accorde Filmes, de Porto Alegre.

A programação para este ano prevê mais de 80 filmes entre curtas e longas. A abertura da Mostra ocorre no dia 26 de junho, às 14 horas. A Mostra será realizada de 26 de junho a 12 de julho no Teatro Pedro Ivo Campos, um espaço recém inaugurado e com capacidade para 700 pessoas. Durante os finais de semana, haverá uma tenda com café montada no jardim do teatro, espaço também para apresentações artísticas. No hall e entrada, será montada uma sala de leitura da Biblioteca Barca dos Livros.

A Mostra agrega um público de 25 mil pessoas, formado principalmente por crianças e adolescentes. De segunda a sexta, as sessões são gratuitas e dirigidas para estudantes da Grande Florianópolis, e aos sábados e domingos, são abertas ao público, com ingressos a R$ 2,00.

Este ano a organização recebeu 116 obras e selecionou 62 filmes provenientes de 12 estados brasileiros para concorrer ao troféu Catarininha e ao prêmio de R$ 1.000,00. Um júri mirim é que escolhe o vencedor. O número de inscrições mais uma vez aumentou em relação a 2008, o que evidencia o crescimento da produção audiovisual infanto-juvenil no Brasil. As produções foram selecionadas por uma curadoria que avaliou a qualidade das obras e o conteúdo apropriado ao público alvo da Mostra, crianças entre seis e 10 anos de idade e também adolescentes.

Confira as Obras selecionadas:

1. A cidade cargueiro (de Aline Frey, Ficção, BA, 2008, Vídeo Digital HD, 13’50”)
2. A festa que caiu do céu (de Karen Akerman, Ficção/Animaçao, RJ, 2008, Vídeo Digital HD, 14′)
3. A galinha Dorotéia e a semente dourada (de Andressa Lyrio do Couto, Animação, RJ, 2008, Vídeo Digital, 3’10”)
4. A história de João das alfaces (de Cacinho, Animação, MG, 2007, Vídeo Digital, 15′)
5. A ilha (de Alê Camargo, Animação, DF, 2008, Vídeo Digital HD, 8′)
6. A menina da lua (de Cézar Duarte Brandão, Animação, SP, 2008, Vídeo Digital HD, 3′)
7. A menina-espantalho (de Cássio Pereira dos Santos, Ficção, DF, 2008, Vídeo Digital HD, 13′)
8. A menina que pescava estrelas (de Ítalo Cajueiro, Animação, DF, 2008, 35mm, 9′)
9. A princesa e o violinista (de Guto Bozzetti, Animação, RS, 2008, Vídeo Digital HD, 10′)
10. As fadas da areia (de João Batista Melo, Ficção, DF, 2008, Vídeo Digital HD, 16’45”)
11. As férias do Lord Lucas (de Tatiana Nequete, Ficção, RS, 2008, Vídeo Digital HD, 14’50”)
12. A terra a gastar (de Cassia Mary Itamoto e Celina Kurihara, Animação, SP, 2009, Vídeo Digital, 6′)
13. A última lenda (de Alexandre Bersot, Animação, RJ, 2006, Vídeo Digital, 11′)
14. Brincadeira de criança (de Cristiano Alves de Oliveira, Animação, SP, 2008, Vídeo Digital, 2′)
15. Calango Lengo – Morte e vida sem ver água (de Fernando Miller, Animação, SP, 2008, 35mm, 10′)
16. Catarina (de Rafael Figueiredo e Márcio Schoenardie, Ficção, RS, 2008, Vídeo Digital HD, 15′)
17. Como comer um elefante (de Jansen Raveira, Animação, RJ, 2008, Vídeo Digital, 6′)
18. Dayane e Zé Firo (de Marta Kawamura, Animação, SP, 2009, Vídeo Digital, 11′)
19. De ovos e guarda-chuvas (de Alexandre Bersot, Animação, RJ, 2008, Vídeo Digital, 8′)
20. Desenhar é muito fácil (de Pedro Pazelli, Animação, RJ, 2009, Vídeo Digital, 3’30”)
21. Dois mundos separados (de Eliane Carneiro, Ficção, DF, 2008, Vídeo Digital, 3’30”’)
22. Emília escreve um diário (de Tata Amaral, Ficção, SP, 2009, 35mm, 3’10”)
23. Encontro em marte (de Instituto Marlin Azul, Animação, ES, 2008, Vídeo Digital, 2”20”)
24. Estamos a um milhão de milhas de distância (de Cinema Nosso, Animação, RJ, 2008, Vídeo Digital, 2′)
25. Eu quero paz (de Eliane Carneiro, Experimental, DF, 2008, Vídeo Digital, 2’40”)
26. Feito algodão doce (de Natali Assunção, Ficção/Animação, PE, 2009, Vídeo Digital, 9’20”)
27. Gol a gol (de Bruno Carvalho, Ficção, RS, 2008, Vídeo Digital HD, 15′)
28. Guido e Gaspar (de Rafael Figueiredo e Márcio Schoenardie, Ficção, RS, 2008, Vídeo Digital HD, 14′)
29. Josemildo (de Walkir Fernandes e Eduardo Gameiro, Animação, PR, 2009, Vídeo Digital, 5’20”)
30. Juro que vi: O Saci (de Humberto Avelar, Animação, RJ, 2009, 35mm, 13′)
31. Kata (de Rafael Figueiredo e Márcio Schoenardie, Ficção, RS, 2008, Vídeo Digital HD, 16′)
32. Marino (de Rafael Figueiredo e Márcio Schoenardie, Ficção, RS, 2008, Vídeo Digital HD, 16′)
33. Menino e menina (de Eliane Carneiro, Experimental, DF, 2008, Vídeo Digital, 1’35”)
34. Meninos (de Ernesto Molinero, Ficção, BA, 2007, Vídeo Digital, 5′)
35. Mestre Vitalino e nós no barro (do Instituto Marlin Azul, Animação, ES, 2008, 35mm, 11’20”)
36. Mocó Jack (de Luiz Botosso e Thiago Veiga, Animação, GO, 2007, Vídeo Digital, 11′)
37. Nas asas do Condor (de Cristiane Garcia, Ficção/Animação, AM, 2007, Vídeo Digital HD, 20′)
38. O anão que virou gigante (de Marcelo Marão, Animação, RJ, 2008, Vídeo Digital, 10′)
39. O avô do jacaré (de Christian Saghaard e Flavia Thompson, Ficção, SP, 2009, Vídeo Digital HD, 14’45”)
40. O Burrico e o Bem-te-vi (de Maurício Squarisi, Animação, SP, 2008, 35mm, 7′)
41. O menino quadradinho

spot_img
spot_img

Leia mais