18.1 C
fpolis
sexta-feira, junho 21, 2024
Cinesystem

Dança contemporânea aposta na investigação e no experimental

spot_img

Dança contemporânea aposta na investigação e no experimental

spot_imgspot_img

Projeto “Trânsitos Indisciplinados” reúne seis artistas de Santa Catarina

Fotos Divulgação

Corpo, dança, dança expandida, tecido e textura, fotodança e sustentabilidade são palavras que se ajustam aos conceitos do projeto “Trânsitos Indisciplinados”, que conquistou o edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura/Dança – 2023. Com a execução iniciada em abril, em Florianópolis (SC), a iniciativa segue neste sábado com uma ação em Blumenau (SC), com a Companhia Mov In, de Blumenau, do Vale do Itajaí.

A proposta de pesquisa performativa e colaborativa aposta num viés transdisciplinar com a intenção de ressignificar a dança e seus propósitos em seis encontros presenciais realizados durante quatro meses, com a promoção de três conferências, das quais uma será on-line. Prevê ainda uma revista digital e a criação de um vídeo que documentará as ações dos seis artistas de Santa Catarina convidados, cada um representando as diferentes mesorregiões do Estado (Oeste, Norte, Serra, Vale do Itajaí, Grande Florianópolis e Sul). Cariú BM representa a região Oeste; a bailarina Erika Rosendo, o Norte; a Cia. Mov In e Antonio Buckmann são de Blumenau, do Vale do Itajaí; Ana Flávia Piovezana, bailarina da Cia. Lápis de Seda, da Grande Florianópolis, e Rafael Henrique vive em Criciúma, na região Sul.

 O projeto é realizado pelos artistas-pesquisadores Adriana Barreto, Cristiano Prim, Jussara Xavier e Roberto Gorgati que também contam com a experiência de Lilian Vilela, responsável pela audiodescrição. Juntos, eles investigam os processos de elaboração de si a partir do corpo e da videodança, numa discussão sobre dança, dança expandida, tecido e textura, fotodança e sustentabilidade. Todos os materiais usados pelos artistas são de descarte fornecido por empresas de Santa Catarina ou por sobras de figurinos de produções artísticas do passado.

Diálogo e dinâmicas do movimento

De Blumenau, a Cia. de Dança Mov In surge em 2019 e nasce da inquietude de estudar coletivamente o desenvolvimento de dinâmicas de movimento na dança em sua forma mais ampla – dança contemporânea, urbana, breaking e popular – no diálogo com outras linguagens artísticas, entre elas a fotografia, o beat making, as artes visuais e o teatro. Legitimada com projetos de incentivo, a companhia tem o espetáculo “[In]fixo” (2022) em circulação e se encontra no começo de uma nova montagem. Nesta última produção são adotados processos criativos acerca da temática do vazio em movimento na relação com o olhar do artista blumenauense Jean Tomedi e suas esculturas nomeadas “Fendas”, das quais nasceu o nome do trabalho “Fendas Povoadas”.

Em 2020, foi contemplado junto ao trio Cinelante com o prêmio Funarte Respirarte pela videodança “Sob o Sol CinelanteSombra”Em 2022, elaborou sua segunda videodança,“O que as Ondas Levam?”, através de premiação pela Lei Aldir Blanc. Atualmente trabalha com a elaboração e produção de projetos culturais. Estuda a educação somática a partir da técnica Klauss Vianna e investiga a criação de movimentos no contato-improvisação.

Dança inclusiva

Ana Flávia Piovezana, bailarina com síndrome de Down, integrante desde 2014 da Companhia Lápis de Seda, de dança inclusiva, representa a Grande Florianópolis e faz sua experiência no dia 31 de maio, no Jardim Botânico, na Capital. Ela começa sua formação em dança em 2003, com Ana Luiza Ciscato na Academia “Estação Dançar”. Em 2023 participa do projeto “um Novo Olhar para Pessoa com deficiência”, integra as oficinas oferecidas pelo projeto e do elenco do espetáculo “CorAÇÃO”. Participou também do projeto “Um Novo Olhar para Apae de Florianópolis” e do espetáculo “Deixe-me ir” apresentado em abril de 2023 no Teatro Ademir Rosa em Florianópolis. Participou da criação e circulação dos cinco espetáculos que fazem parte do repertório da companhia: “Convite ao Olhar”, “Será que É de Éter?”, “Masculino Diverso”, “Casa” e “Desapego”.

Rafael Henrique, também conhecido artisticamente como Young, realiza sua ação em 1 de junho, ponte Pedro Ivo, na praia da Armação, em Florianópolis, a partir das 8h. Ele começa em 2005 sua trajetória nas danças urbanas. Professor, coreógrafo e bailarino, um grande entusiasta da cultura hip-hop. Cursa licenciatura em dança, buscando cada vez mais alçar novos voos artisticamente. Rafael também é MC, produtor de eventos urbanos, rapper, ator e modelo, um artista em constante movimento.

Antonio Bruckmann, natural de São Miguel do Oeste (SC), é ator, bailarino, diretor e coreográfo que vive em Blumenau (SC), onde cursa a graduação de licenciatura em dança Universidade Regional de Blumenau (Furb). Estagiário da Divisão de Cultura da Furb, onde auxiliou na montagem de 15 exposições de diferentes artistas brasileiros, como Nara Guichon, Giancarlo Avantaggiato, Bixo, Décio Saut, Ricardo do Rosário e Maria Salete Werling. É bolsista e instrutor do Grupo de Dança-Teatro da Furb desde 2023. Atua em produções do Grupo Teatral Phoenix desde 2021, onde participou de três espetáculos: “Libertæ” (2021); “A Vida é Sonho” (2022); e “A Volta ao Mundo em 80 Dias” (2024), todos dirigidos por Roberto Murphy. É pernalta (uso de pernas de pau), desde 2023, atuando no espetáculo “Tertúlia: Carta 16 – A Estrela” (2022) da Cia. Teatral Quiçá, participa de festivais como o Colmeia (Blumenau, 2023) e no Festival de Curitiba na mostra Fringe (2023/24). Dirige o espetáculo “Cicada” (2023), no qual pesquisa sobre criptografia na dança, utilizando métodos algorítmicos de composição.

Participou de outros três espetáculos: “There’s on Broadway” (2020) do Studio Adriana Staudt; “Meraki” (2023) da coreográfa Kamilla Bortoli; e do “Caosefeito” (2023), direção geral de Roberto Murphy e direção coreográfica de Jussara Xavier, no qual desenvolveu a sonoplastia e o design gráfico. Em 2022, criou a coreografia “Sombra”, com a qual integrou os festivais catarinenses 21º Unesc em Dança (2022) e Sesc em Dança (2023). Foi coreografado por Jesse Cruz (“Sansa Kroma”, 2023), Rodrigo Andrade (“Frágil”, 2022). Ganhou Prêmio de Bailarino Destaque dois anos consecutivos no Festival Escolar Dança Catarina (2018/19), recebendo pelo feito uma moção de aplausos da Câmara de Vereadores de São Miguel do Oeste.

Jornada multifacetada

Erika Rosendo, artista nordestina nascida em Natal (RN) representa o Norte, já que vive em Garuva (SC). Ela emerge como uma figura multifacetada no universo da dança contemporânea, desempenha diferentes papéis entre o palco e os bastidores. Sua jornada profissional agrupa experiências como professora, pesquisadora, performer, bailarina, intérprete, criadora, ensaiadora e assistente de direção, atuações em que traça a influência em regiões distintas do Brasil. Atuou como professora na EDTAM (RN), Escola do Teatro Bolshoi no Brasil (SC), Primeiro Ato Centro de Dança (MG), Escola do Grupo Corpo/Corpo Escola de Dança (MG), ministrando aulas de dança contemporânea, composição coreográfica, danças circulares e danças populares brasileiras. Em sua trajetória, também coleciona prêmios como o de Melhor Bailarina do 26º Festival de Dança de Joinville, com a coreografia “Em Solo” de sua autoria e como intérprete criadora assina a trilogia dos espetáculos solo, composta por “Autorretrato” (2008), “Retrato do Outro” (2009) e “Nós – Acontecimentos da Dança e Vida Contemporânea”, sob a direção de Jussara Xavier. Sua dança alcançou os palcos da Alemanha, da Espanha em Cádiz, vivenciando culturas de outros países como República Tcheca na cidade de Praga e Viena na Áustria. Integrou o elenco da CDTAM (RN) dirigido por Wanie Rose Medeiros, do Grupo Primeiro Ato (MG), dirigido por Suely Machado, AMA Cia. de Dança, dirigido por Amarildo Cassiano e atua no Coletivo Mina (MG) dirigido por Alan Keller. Erika é corresponsável pelo Espaço de Vivências Monte Crista, em Garuva.

Cariú BM, artista da dança, da performance, do canto e do audiovisual, foi a primeira a fazer sua ação performativa em 25 de abril, na praia da Barra da Lagoa, em Florianópolis. Pessoa trans não-binária, formada no curso de bacharelado em dança da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e é mestre em artes cênicas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), onde investiga os processos de elaboração de si a partir do corpo e da videodança.

EQUIPE TÉCNICA

Artistas-pesquisadores: Adriana Barreto, Cristiano Prim, Jussara Xavier e Roberto Gorgati

Coordenação administrativa e produção: Adriana Barreto e Jussara Xavier

Audiodescrição: Lilian Vilela

Designer gráfico: Roberto Gorgati

Assessoria de imprensa: Néri Pedroso

Gestão de mídias sociais: Adriana Barreto, Cristiano Prim, Jussara Xavier e Roberto Gorgati

 

REALIZAÇÃO

Edital Elisabete Anderle de Apoio à Cultura ∕ Dança – Edição 2023, Fundação Catarinense de Cultura (FCC), Governo do Estado de Santa Catarina

Apoio

Euroambiental, Fundação Cultural de Blumenau, Grupo Soma e Memorial Meyer Filho

SAIBA MAIS

@transitosindisciplinados

http://www.euroambiental.eco.br/

https://www.somagrupo.com.br/nossas-somas
editor.deolhonailha
editor.deolhonailhahttp://www.deolhonailha.com.br
O DeOlhoNaIlha é um portal de propriedade da NacionalVOX - Agência Digital, de Florianópolis. Seu lema é "Fique por dentro de Floripa" e seu objetivo é deixar os moradores e visitantes da Ilha da Magia muito bem informados sobre tudo o que acontece na cidade e região.
spot_img
spot_img
spot_img

Leia mais

spot_img