24.6 C
fpolis
sábado, novembro 27, 2021
cinesytem

Exportação de Santa Catarina tem queda de 14% no 1º bimestre

spot_img

Exportação de Santa Catarina tem queda de 14% no 1º bimestre

spot_img

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) divulgou nesta quarta-feira, 13, o resultado da balança comercial catarinense no primeiro bimestre deste ano, que acumula saldo negativo de US$ 1,02 bilhão. As exportações somaram US$ 1,15 bilhão, resultado 14,3% inferior ao registrado no mesmo período no ano passado. O recuo ocorrido no Estado foi superior ao do Brasil (7,8%).

No período, dos dez principais destinos das exportações catarinenses, sete tiveram queda: Estados Unidos (-11,6%), Argentina (-40,4%), Países Baixos (-17,5%), Japão (-5,3%), Reino Unido (-5,9%), China (-48,8%) e Rússia (-7,1%).

Os embarques aos Estados Unidos, principal destino das exportações de Santa Catarina, somaram US$ 131,9 milhões no período, o que representa 11,5% do total embarcado. As vendas à Argentina, o segundo principal comprador, totalizaram US$ 86,5 milhões.

Também houve redução dos embarques de seis dos dez principais produtos da pauta de exportação do Estado. Foram registrados decréscimos nas vendas de carne de frango (-5,2%), fumo (-37,4%), motocompressores (-11,4%), carne suína (-7,5%), blocos fundidos (-19%), motores e geradores elétricos (-5%).

O protecionismo da Argentina também tem levado as empresas a reduzir as exportações ao país vizinho, que passa por problemas na estrutura econômica e financeira, com falta de crédito, que está mais caro e acaba refletindo na redução do consumo.

Importações

As compras catarinenses no exterior nos primeiros dois meses do ano totalizaram US$ 2,17 bilhões, valor 11,5% menor que o registrado no mesmo período em 2012. Houve queda de 35,7% nas importações de catodos de cobre, para US$ 141,9 milhões. Este é o principal produto da lista de compras externas.

Também ocorreram decréscimos de 42,2% nas importações de polietilenos, para US$ 40,3 milhões, e nas compras de pneus novos para ônibus, caminhões e automóveis (-9%), para US$ 43,5 milhões.

spot_img
spot_img