25.2 C
fpolis
sábado, janeiro 22, 2022
cinesytem

Exposição "Os olhares de Haro" no Espaço Cultural Governador Celso Ramos

Exposição "Os olhares de Haro" no Espaço Cultural Governador Celso Ramos

spot_img

Exposição revisita os 50 anos de carreira do artista

O Espaço Cultural Governador Celso Ramos – BRDE reabre em 2010 trazendo as obras do grande artista catarinense, Rodrigo de Haro. Ao organizar os trabalhos presentes na exposição Olhares, Rodrigo revisita sua carreira. Os cinquenta anos de prolífica produção resultam agora em um apanhado eclético: a seleção passa por aquarelas, ilustrações e telas pintadas à tinta acrílica. Pouca coisa, considerando a versatilidade de Rodrigo. Com o olhar estético do artista sobre suas criações, a exposição toma forma à medida que o artista acrescenta trabalhos encontrados em seu atelier. No pequeno ensaio que fez sobre a mostra, ele explica: “cada quadro emite sua própria melodia, especial confidenciada, captada pelo olho. São muitos olhares em torno de um único olhar”.

Na exposição, as referências à Florianópolis dos tempos idos e ao místico são visíveis. Independente se em tela ou em bloquinhos de boteco, o estilo de Rodrigo carrega algo misterioso – desde símbolos do zodíaco, homenagens a artistas por ele admirados até pequenas observações do mundo ao seu redor. Não separa o trabalho do lazer, sua produção não tem hora marcada. A preferência são as manhãs, mas para ele, o artista é artista em todos os momentos, sem hora ou local certos para criar.

Em seu atelier – no alto da colina da Lagoa da Conceição – telas vazias, esboços, obras prontas e tubos de tinta acrílica dividem espaço com uma grande almofada onde se deitam seus cachorros. O casarão do século XVIII pertenceu à igreja vizinha, e foi restaurado pela família Haro, e há quarenta anos é o cenário onde Rodrigo cria suas obras visuais e escritas. Em uma estante, livros de grandes poetas e ensaístas, retratos de família e objetos decorativos – observar seu espaço de trabalho é quase entendê-lo: diante de fortes referências religiosas, históricas e míticas, é possível analisar sua obra como fruto de um contínuo estudo sincrético. Defini-lo seria limitá-lo. Como o próprio Rodrigo ensaia, “o olhar tudo percorre fatigar-se, e a pupila lima o objeto até transformá-lo em seu oposto – ou em mito”.

Filho do pintor modernista catarinense Martinho de Haro, Rodrigo Antônio de Haro nasceu em Paris, em 1939. Já morou em Lisboa, Alexandria, Rio de Janeiro, e hoje mora em Florianópolis. Ocupante da cadeira 35 da Academia Catarinense de Letras, possui oito livros publicados. Rodrigo tem também uma extensa obra muralista. Seu projeto mais recente, um mural chamado “A Festa”, tem o apoio do BRDE com recursos da Lei Rouanet. A obra, de dimensões 3,8m x 17m, será instalada em um tradicional clube no centro da Capital. Dentre os poetas que ilustrou, Paschoal Carlos Magno, Leonor Scliar, Fábio Magalhães, Jacob Klintowitz, Pedro Garcia, Pedro Port e Alkmar Luis dos Santos. Conta com trabalhos em diversos museus e coleções particulares no Brasil e no exterior, onde também tem sido publicada a sua poesia.

Serviço:

Exposição: Olhares

Espaço Cultural Governador Celso Ramos – BRDE

Av. Hercílio Luz, 617, Centro – Florianópolis

Abertura: 1º de março, às 19 horas.

Visitação: 2 a 26 de março, das 9h às 19 h, de segunda a sexta-feira.

Evento gratuito e aberto ao público

spot_img
spot_img