18.9 C
fpolis
segunda-feira, junho 17, 2024
Cinesystem

FCC abre exposição coletiva em homenagem a Xul Solar

spot_img

FCC abre exposição coletiva em homenagem a Xul Solar

spot_imgspot_img

A Fundação Catarinense de Cultura (FCC) promove na terça-feira (9), às 19 horas, no Museu Histórico de Santa Catarina – Palácio Cruz e Sousa, em Florianópolis, a abertura da exposição coletiva Tributo à Xul Solar: Improvisações com a linguagem plásti-útil. Dez artistas plásticos que atuam no Estado de Santa Catarina foram convidados para participar da mostra, que já esteve em Paris, na França, e que seguirá no mês de julho para Buenos Aires, na Argentina. A visitação poderá ser feita até 5 de julho, de terça a sexta, das 10 às 18h, e aos sábados e domingos, das 10 às 16h.

A curadoria da exposição é de Nestor Habkost, professor de Filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e os artistas participantes são Dirce Körbes, Flavia Fernandes, Jayro Schmidt, Juliana Hoffmann, Betinha Trevisan, Hugo Rubilar, Bebeto, Kuke Castineiras, Sol Jaras e Susana Bianchini.

Tributo à Xul Solar: Improvisações com a linguagem plásti-útil é um projeto de exposições que visa prestar um tributo ao pintor, escritor, filósofo, astrólogo, músico e arquiteto nascido na Argentina, Xul Solar (Oscar Alejandro Augustín Schulz Solari – 1887-1963). O artista inventou uma linguagem original que funde o código literário e o pictórico. Constituída por seis distintos sistemas de escrituras, é denominada de plásti-útil ou pensi-formes (formas pensamento). Esta linguagem original ainda não havia sido decodificada e foi objeto de tese de doutorado na Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais (EHESS), em Paris. Com ela podem ser realizados quadros que são ao mesmo tempo escrituras e pinturas, sendo uma forma de expressão totalmente inovadora na tradição pictórica que incorporou a palavra como um dos elementos da composição plástica.

Na arte moderna, Georges Braque e Pablo Picasso foram os artífices inaugurais desta tradição que veio a ser nomeada de pintura verbal. A originalidade do artista argentino está em ter abandonado o caminho que põe em relação palavras e imagens numa tela, para construir signos plásticos monossilábicos que são simultaneamente elementos da expressão verbal e da composição pictural.

A partir desta linguagem, os artistas convidados desenvolveram uma série de obras destinadas a três exposições. A primeira foi realizada de 14 à 27 de fevereiro de 2009 na Maison du Brésil, em Paris. A segunda é esta que o público poderá apreciar na capital catarinense. E a terceira é a que ocorrerá de 14 à 27 de julho de 2009 em Buenos Aires, cidade do artista homenageado. Este é um evento singular, pois, é a primeira vez na história da pintura ocidental que serão apresentadas obras feitas com esta linguagem, marcando a redescoberta de uma via de composição plástica que não podia ser seguida justamente pela falta de seu código.

Nas exposições constarão as obras dos artistas convidados e lâminas contendo os códigos da linguagem plásti-útil, para que o público possa decifrar o que nos quadros está escrito.

Segundo o curador da exposição, Nestor Habkost, a realização desta série de exposições visa lançar as bases de um projeto que pretende instituir um circuito de difusão para a arte plástica que se faz em Santa Catarina e para viabilizar intercâmbios entre artistas. Paris será o pólo europeu, Florianópolis o pólo catarinense e uma capital latino-americana, escolhida anualmente, o pólo móvel em nosso continente.

spot_img
spot_img
spot_img

Leia mais

spot_img