26.8 C
fpolis
segunda-feira, novembro 29, 2021
cinesytem

Filme catarinense ”Rendas no ar” vai abrir o FAM 2013

spot_img

Filme catarinense ”Rendas no ar” vai abrir o FAM 2013

spot_img

O filme catarinense “Rendas no Ar”, da diretora Sandra Alves, da Vagaluzes Filmes, de Florianópolis, será exibido na abertura do Florianópolis Audiovisual Mercosul (FAM 2013) na noite do dia 14 de junho, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na Capital. Será a pré-estreia do filme vencedor do Edital Catarinense de Cinema de 2009.

Trata-se do quarto longa-metragem confirmado para o FAM deste ano. Os outros três longas já garantidos na mostra são o uruguaio “Tanta Água”, das estreantes Ana Guevara e Leticia Jorge, e os brasileiros “Cores”, dirigido por Francisco Garcia, e “Nove Crônicas para um Coração aos Berros”, do diretor Gustavo Galvão.

Festival e fórum consagrado como um dos acontecimentos audiovisuais mais importantes do Sul do Brasil, o FAM celebra este ano a sua 17ª edição, com patrocínio da Lei de Incentivo à Cultura, Petrobras, Ministério da Cultura/Governo Federal e realização da Associação Cultural Panvision.

O longa-metragem

“Rendas no Ar” se passa no final do Século XIX, na antiga Desterro. O filme trata da necessidade de liberdade inerente ao ser humano, em oposição a uma situação de clausura.

A personagem principal, Ana, cuja personalidade é marcadamente irreverente e indomável, se depara com a opressão causada pelo confinamento a que é submetida por um homem, que passa a ser seu tutor após a morte súbita de seus pais.

Herdeira de vultoso patrimônio, ela é interditada e depauperada de seus direitos, em função de sua condição de jovem mulher rica, órfã e supostamente louca. Ana vive a sanidade através de sua poesia. Palavras e ações poéticas são laços que a unem à lucidez e ao seu universo interior são.

A Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, em Governador Celso Ramos, foi escolhida como locação para todo o filme. Patrimônio Histórico e Artístico Nacional tombado em 1938, administrado pelo Projeto Fortalezas/UFSC, apoiador do filme, a ilha foi ocupada pela equipe de trabalho durante sete semanas de trabalho, cerca de 12 horas por dia.

spot_img
spot_img