18.5 C
fpolis
terça-feira, setembro 28, 2021
cinesytem

Governador receberá nesta quinta relatório dos deputados que visitaram hospitais estaduais

spot_img

Governador receberá nesta quinta relatório dos deputados que visitaram hospitais estaduais

spot_img

A agência de notícias da Assembleia Legislativa (Agência Alesc) divulgou nesta quarta-feira, 28, um balanço da visita dos deputados estaduais da Comissão de Saúde da Alesc a hospitais da rede estadual em Florianópolis e São José. O governador Raimundo Colombo (PSD) receberá um relatório completo nesta quinta-feira, 29. Confira a íntegra do relato:

Nesta quarta-feira, quatro parlamentares visitaram o Instituto de Cardiologia e o Hospital Regional, em São José, e a Maternidade Carmela Dutra, na Capital. As visitas foram iniciadas na terça-feira, 27, pelos hospitais Joana de Gusmão e Celso Ramos, incentivadas pela greve dos servidores da saúde, que já dura mais de um mês. Para saber mais sobre as visitas de terça-feira, clique aqui.

De acordo com o presidente da comissão, deputado Volnei Morastoni (PT), o principal problema constatado nos estabelecimentos é a falta de profissionais. Além de Morastoni, participaram das visitas desta quarta os deputados Ana Paula Lima (PT), Sargento Amauri Soares (PDT) e Serafim Venzon (PSDB). Representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde Pública e Privada de Florianópolis (SindSaúde) também acompanharam as visitas.

Instituto de Cardiologia

No Instituto de Cardiologia, o diretor Jamil Schneider relatou aos deputados, além da falta de médicos, anestesistas, técnicos de enfermagem e enfermeiros, defasagem tecnológica dos equipamentos utilizados pela unidade que é referência na especialidade para todo o estado. Além de defasados, os aparelhos existentes são em pequeno número. Curiosamente, num dos corredores da unidade, equipamentos médicos que serão levados para outros hospitais estão encaixotados.

Uma das consequências desses problemas é a fila de espera por cirurgia de pacientes que não dependem de internação imediata, que chega a 100 pessoas. Além disso, devido à falta de pessoal e à greve dos servidores, o instituto está com a emergência, uma unidade de internação e parte da unidade coronariana fechadas.

Hospital Regional de São José

No Hospital Regional, a situação, segundo a diretora Marise Regina Rodrigues, é mais tranquila. A contratação de 500 servidores concursados atenuou o problema da falta de pessoal, apesar da unidade não contar com o número ideal de anestesistas. Membros do SindSaúde, no entanto, afirmam que a unidade enfrenta outros problemas, como a falta de insumos e a existência de pacientes nos corredores da emergência.

Maternidade Carmela Dutra

Já na Maternidade Carmela Dutra, com a greve, a unidade funciona com no máximo 40% da sua capacidade. Antes da paralisação, esse número chegava a 70%. Lá, o principal problema é a falta de médicos obstetras e de quase 200 profissionais de enfermagem.

Segundo o diretor, Ricardo Maia, a greve obrigou o hospital a cancelar cirurgias oncológicas. O ambulatório está fechado e duas unidades tiveram o funcionamento afetado. “Há servidores que estão trabalhando 36, 48 horas seguidas para dar conta da demanda”, afirmou. Maia registrou boletim de ocorrência devido a um confronto com servidores grevistas, nas dependências da cozinha do hospital.

Funcionários do Carmela Dutra denunciaram falta de condições de trabalho ideais na UTI Neonatal e de alguns materiais de trabalho.

Foto: Agência Alesc

spot_img
spot_img

Leia mais