21.1 C
fpolis
sábado, dezembro 4, 2021
cinesytem

Jornalista Mário Pereira lança nesta quinta-feira livro sobre a origem e a história das ruas de Florianópolis

spot_imgspot_img

Jornalista Mário Pereira lança nesta quinta-feira livro sobre a origem e a história das ruas de Florianópolis

spot_img

O livro “Roteiro Histórico e Sentimental pelas Ruas de Florianópolis” (Editora Unisul, 96 p.), de autoria do jornalista e escritor Mário Pereira, vice-presidente da Academia Catarinense de Letras (ACL), e com ilustrações de Heron Domingues será lançado nesta quinta-feira, 21, a partir das 19h, na sede da ACL, Centro de Florianópolis.

O livro é um passeio do autor pela cidade, onde cada rua ora remete a um personagem que tem seu nome gravado nas páginas da história da cidade de Florianópolis, ora relembra um acontecimento que faz parte da memória coletiva dos habitantes da Capital catarinense.

“Uma cidade é um organismo vivo. Tem corpo, alma e também tem memória. É o cenário de muitas e muitas vidas na sinfonia inacabada das gerações. Ela se constrói e se reconstrói, dia e noite, dia após dia, na ciranda do tempo”, escreve Pereira na apresentação do livro.

Assim, o jornalista – autor de outros seis livros, entre eles “Pequena História de Florianópolis” (que já está em sua 10ª edição) e ocupante da cadeira 8 da Academia Catarinense de Letras – vai reconstruindo fatos, lugares e biografias. Como se estivesse ele próprio caminhando pelos lugares de que está falando. Contando histórias sem preocupação, ordem cronológica ou hierarquia de importância, apenas resgatando eventos, pessoas e lugares como lhe vêm à memória.

“Quando percorremos as ruas do centro histórico da capital catarinense, estamos refazendo caminhos ancestrais. Quem anda pelas ruas centrais de Florianópolis, cuidando da vida e correndo atrás do pão de cada dia, não costuma ter tempo e, às vezes, sequer olhos para ver os marcos que restaram do passado da cidade”, ressalta o autor no livro.

Nesse refazer de caminhos, o autor escreve sobre as obras que ainda hoje perduram de Joana de Gusmão, Irmão Joaquim e Antonieta de Barros, assim como de artistas de projeção nacional, como Victor Meirelles, Cruz e Sousa e Virgílio Várzea. Eventos marcantes, como a tragédia de Anhatomirim, os naufrágios que entraram para a história e os mitos e magias da Lagoa da Conceição também são relembrados na obra.

A sede da Academia Catarinense de Letras fica na Avenida Hercílio Luz, 523, em frente ao Clube Doze de Agosto.

spot_img
spot_img