Florianópolis, 21 de julho de 2024

Piloto catarinense corre na mesma pista onde Ayrton Senna teve a primeira vitória na F1

spot_img

Compartilhe

Disputa de 300 Km será na próxima semana, no Autódromo do Estoril, em Portugal. Carro está embarcado em uma viagem que dura 28 dias até chegar em terras portuguesas.

Na próxima semana, o piloto catarinense André Gaidzinski irá correr a primeira etapa de 2024 do Campeonato Endurance da Porsche Cup Brasil, em Portugal. A disputa será no Autódromo do Estoril, o mesmo onde Ayrton Senna obteve a primeira pole e vitória na F1. 

Com uma pista de 4,36 quilômetros e 13 curvas, o autódromo tem outra relação com o Brasil, além de Senna. Ele leva o nome de Fernanda Pires da Silva que o idealizou, juntamente com o arquiteto brasileiro Ayrton Lolô Cornelsen. A corrida de longa duração será de 300 Km e Gaidzinski irá dividir o volante com o piloto Wagner Pontes. “Estou bastante motivado para esta etapa”, destaca André, que já foi vice-campeão da Endurance. 

Com uma logística complexa, os carros que irão disputar a competição estão em uma viagem de 28 dias, período que dura o trecho marítimo entre o Porto de Santos, no Brasil, e as terras portuguesas, percorrendo mais de oito mil quilômetros no Oceano Atlântico. Famoso por levar a bandeira de Santa Catarina para todos os pódios que conquista, o piloto catarinense é inteiramente patrocinado por empresas catarinenses: Aurora Alimentos, Liderança Serviços, Tropilha Grill, Fanatic, Arquitech Revestimentos e a Teltec Solutions como patrocinadora Master. 

O cronograma desta primeira etapa internacional da Porsche Cup Brasil começa com treinos na quinta-feira (20/06), treinos livres e corrida de classificação na sexta-feira (21/06). A corrida acontece no sábado (22/06), com o box aberto às 7:25h, a formação do grid às 7:40h, a volta de apresentação às 8h e a largada às 8:03h (horário de Brasília). 

Esta prova pode ter no máximo 2 horas e 30 minutos de duração e será realizada em parceria com Wagner Pontes. As duplas têm que se alternar a cada pit stop, que são três obrigatoriamente ao longo da prova, com uma duração de 6 minutos cada. Estratégia é a palavra-chave, pois cada dupla tem o gerenciamento de três jogos de pneus e do combustível, a definição da calibragem e de como serão ajustadas as barras estabilizadoras do carro, dentre outras decisões importantes. “Uma corrida de longa duração representa um grande desafio e exige de cada piloto técnica, físico, mente, muita estratégia e espírito de equipe”, reforça André, que desde 2018 corre na Porsche Cup Brasil, a maior categoria de monomarca de automobilismo da América Latina.

A segunda etapa do Campeonato Endurance será na Argentina, em setembro (300 Km). E a grande final, em São Paulo, no Autódromo de Interlagos, em novembro (500 Km).

Crédito fotos: Renato Gama