14.6 C
fpolis
sexta-feira, setembro 17, 2021
cinesytem

Presépio natural da Praça XV de Novembro será inaugurado hoje no fim da tarde

spot_img

Presépio natural da Praça XV de Novembro será inaugurado hoje no fim da tarde

A simbologia da Ceia de Natal foi o tema escolhido pelo artista plástico Jone Cezar de Araújo para compor o Presépio Natural da Praça XV de Novembro, que será inaugurado nesta quinta-feira, 29, às 18h, preservando uma tradição que completa 39 anos em Florianópolis.Haverá apresentação musical da Banda Filarmônica Comercial com participação dos artistas Zuvaldo Ribeiro e Maria Eduarda Wendausen.

Até o dia 6 de janeiro, as pessoas que visitarem a instalação poderão tirar fotografias e retirar no local um cartão postal com imagens e informações sobre o presépio.

Fragmentos de história

Na montagem de 2012 foram usados retalhos de tecidos, conchas, pedras e revistas. A decoração reaproveita ainda cacos de garrafas, cerâmicas e porcelanas domésticas em um trabalho de bricoleur, com peças coletadas há três décadas nas praias de Florianópolis. Segundo o artista plástico, para prevenir acidentes, era um hábito das famílias locais jogar ao mar as louças quebradas.

Alguns fragmentos são de origem inglesa, portuguesa e japonesa, mas há também cerâmicas com características açorianas e louças nacionais, produzidas no Paraná, São Paulo e Santa Catarina. As peças foram identificadas não apenas pelas características de produção, como também pelo selo de proveniência.

Presépio

Confeccionado com materiais naturais e artesanato local, o presépio conta com figuras de animais e humanas, entre elas, Jesus, Maria, José e os Reis Magos, além de uma rendeira e um pescador – personagens típicos da Ilha de Santa Catarina.

A composição inclui também elementos associados à cultura local, tais como cestarias, cerâmicas, mantas de tear e rendas de bilro, assim como sementes, cascas de ostra, palhas e barba de velho.

Tradição

Iniciada por Franklin Joaquim Cascaes na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a tradição de confeccionar um presépio rústico em tamanho natural para celebrar o Natal foi levada para a praça central da cidade na década de 1970, por incentivo do museólogo Gelci José Coelho, o Peninha, que queria difundir a arte presepista do pesquisador catarinense.

Após a morte de Cascaes, em 1983, Peninha continuou o projeto por quase uma década e, a partir de 1993, a responsabilidade foi assumida por Jone Cezar de Araújo. Natural do Morro da Fumaça, no Sul do Estado, o artista reside em Florianópolis desde 1968, onde descobriu a paixão pelas artes visuais e pela cultura popular, com ênfase para a confecção de presépios natalinos com diferentes técnicas e materiais.

Foto: Dieve Oehme

spot_img
spot_img

Leia mais

spot_img