27.7 C
fpolis
domingo, janeiro 16, 2022
cinesytem

Santa Catarina participa em Brasília de lançamento de projeto de combate ao feminicídio

Santa Catarina participa em Brasília de lançamento de projeto de combate ao feminicídio

spot_img

A Coordenadoria Estadual da Mulher de Santa Catarina participa nesta sexta-feira, 8, na sede da entidade da Organização das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e Empoderamento das Mulheres (Onu Mulheres), em Brasília, do lançamento do projeto das diretrizes nacionais para investigar, processar e julgar as mortes violentas de mulheres – o chamado feminicídio.

“Santa Catarina é um dos seis estados em que será implantado o projeto piloto de implantação das diretrizes nacionais de feminicídio por ter instituições e dados sobre o assunto detalhados e organizados”, lembra a Coordenadora Estadual da Mulher, Célia Fernandes. Os demais estados que terão projeto piloto são Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Piauí, Maranhão e Distrito Federal.

De acordo com o Mapa da Violência de 2015, Santa Catarina está em oitavo lugar na taxa de atendimentos a vítimas de violência por 10 mil com índice de 19,3. O Estado com maior índice é o Mato Grosso do Sul com 37,4 e o menor o Ceará com 4,1. O estudo indica ainda que o perfil preferencial das mulheres vítimas de homicídio no país são meninas e mulheres negras e com prevalência entre 18 e 30 anos de idade.

Em Santa Catarina o grupo de trabalho é composto pela Coordenadoria da Mulher e por representantes da  Diretoria de Direitos Humanos da SST; Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania; Coordenadoria da Mulher de Florianópolis; polícia civil (delegacia de homicídios e coordenadoria das delegacias especializadas em atendimento à mulher); Ministério público (24ª promotoria de justiça e Centro de Apoio dos Direitos Humanos); Defensoria pública do Estado; Poder Judiciário; Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Bancada Feminina  e Frente Parlamentar dos Homens pelo fim da violência contra as mulheres); Instituto Geral de Perícias; Polícia Militar; Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Tribunal de Justiça/SC e Secretaria Especial de Políticas para Mulheres do governo federal.

spot_img
spot_img