19.2 C
fpolis
quinta-feira, outubro 21, 2021
cinesytem

Trabalhadores podem paralisar emergência do Hospital Celso Ramos

spot_img

Trabalhadores podem paralisar emergência do Hospital Celso Ramos

spot_img

Florianópolis pode ficar temporariamente sem o serviço de emergência do Hospital Celso Ramos, de acordo com o SindSaúde, sindicato que representa os trabalhadores da área da saúde em Santa Catarina.

“Os trabalhadores estão no limite do que é humanamente possível. A situação é inaceitável, compromete a saúde de quem trabalha e inclusive coloca em risco a população. Há medidas simples que podem ser tomadas para contingenciar essa demanda, mas o que parece é que a direção do hospital e a secretaria querem deixar o caos se instalar e obrigar os trabalhadores a paralisar”, explica a diretora do SindSaúde/SC Marilza Martins. De acordo com o sindicato, se nenhuma medida for tomada, uma assembleia marcada para as 16h desta quinta-feira, 19, poderá deliberar pela paralisação total e imediata do serviço na emergência do hospital.

Desde o começo da semana passada, a emergência do Hospital Governador Celso Ramos está superlotada. A quantidade de atendimentos realizados nos últimos dias tem passado de 600 a cada 24h. Trabalhadores/as esgotadas/os por conta da sobrecarga de trabalho exigiram providências da direção do hospital, alertando para o risco de adoecimento que estão passando, e o risco à população, já que é praticamente impossível, dadas as condições, garantir a qualidade do atendimento prestado.

Na última terça-feira (17/1), o SindSaúde/SC entregou documento à direção da Unidade exigindo que providências fossem tomadas para contingenciar a crise instalada na emergência, agravada pelo novo aumento de demanda gerado com a greve nas unidades municipais. Estipulou-se o prazo de 48h para que a direção se manifestasse sobre a possibilidade de realocar provisoriamente profissionais de outras áreas do hospital na emergência, de escalar uma equipe especificamente para fazer o transporte dos pacientes que precisam ser deslocados da emergência para outras áreas do hospital – para fazer exames, cirurgias, ser internados, etc. – , entre outras medidas

Ao receber novamente trabalhadores e direção do Sindicato na manhã desta quinta-feira (19/1), o diretor do Hospital Márcio Pereira Wendhausen não se comprometeu com medidas para amenizar a sobrecarga na emergência e chegou a recomendar que os trabalhadores fossem pedir o “fim da greve dos servidores do município” como possíve.

Procurada pelo DeOlhoNaIlha a Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado da Saúde afirma que não foi comunicada sobre a intenção de greve.

spot_img
spot_img