fique por dentro de floripa

- Geral - UFSC relembra trajetória do escritor Salim Miguel

25.04.2016

UFSC relembra trajetória do escritor Salim Miguel

25.04.2016
UFSC relembra trajetória do escritor Salim Miguel
Foto: Site oficial da UFSC/Reprodução

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) publicou um texto em seu site oficial sobre o falecimento do escritor Salim Miguel, ocorrido na última sexta-feira, 22, em Brasília. Salim dirigiu de 1983 a 1991 a Editora da UFSC.

O texto da Universidade conta um pouco da trajetória do escritor que nasceu no Líbano, mas veio ainda criança para o Brasil. Confira abaixo o material na íntegra. Para ler diretamente na página da UFSC, clique aqui.

"Líbano, 30 de janeiro de 1924. Brasil, 22 de abril de 2016. Em comum entre esses dois países e essas duas datas um nome: Salim Miguel, romancista, contista, um jornalista cirúrgico nas palavras, inovador nas reportagens da extinta revista Manchete e que marcou época como crítico literário nas páginas do Jornal do Brasil nas décadas de 1970 e 1980.

Salim Miguel faleceu aos 92 anos na noite desta sexta-feira em Brasília, onde estava internado em UTI desde o dia 7, para tratar uma broncopneumonia. Nos últimos dez dias, estava em coma, contrariando um de seus desejos: que não estivesse inconsciente até chegar a hora de sua morte. Estava com a saúde debilitada há anos e em 2012 já havia chegado a ficar em coma após uma queda em casa, mas se recuperou. O corpo do artista deve ser cremado em Brasília e depois as cinzas trazidas a Florianópolis para as homenagens póstumas.

Nascido em Kfarssouron, Salim Miguel chegou com três anos de idade ao Rio de Janeiro, cidade onde morou com a família durante um ano. Mas o destino estava (sem trocadilho) escrito: após morar em São Pedro de Alcântara e Antônio Carlos, em Santa Catarina, sua família fixou residência em Biguaçu, onde se estabeleceu com um pequeno comércio.

Desde cedo, Salim lia tudo o que lhe caía nas mãos, dos folhetins de Michael Zevaco a Eça de Queiroz, passando por Arthur Schopenhauer e Machado de Assis. Na venda do pai, conheceu figuras que mais tarde viraram personagens de seus romances, e na livraria de João Mendes, poeta cego de Biguaçu, passava horas lendo em voz alta para manter o livreiro ligado ao mundo da literatura.

Ele foi um dos líderes do movimento conhecido como Grupo Sul, que agitou a vida cultural de Florianópolis de 1947 e 1958. Entre 1957 e 1958, escreveu, em parceria com sua mulher Eglê Malheiros, o argumento e o roteiro do primeiro longa-metragem catarinense, “O preço da ilusão”.

Em 1964, foi preso (“para averiguações”) pelos militares e retido no quartel da Polícia Militar por 48 dias. Na prisão, Salim registrou em um diário que, trinta anos mais tarde, se transformou em um trabalho de ficção: “Primeiro de abril: narrativas da cadeia”, eleito em 1994 o melhor romance do ano pela União Brasileira de Escritores.

Libertado, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde trabalhou na Agência Nacional, nas revistas Fatos e Fotos e Tendências e na adaptação de livros para roteiros de cinema (casos de “A cartomante”, de Machado, e “Fogo Morto”, de José Lins do Rego), ambos com Eglê Malheiros e Marcos Farias.

Ainda no Rio, Salim editou, ao lado de Eglê, Cícero Sandroni, Fausto Cunha e Laura Sandroni, a revista Ficções, que se tornou referência no jornalismo literário brasileiro. De volta a Santa Catarina, em 1980, ajudou a organizar, para o governo do Estado, o Prêmio Nacional Cruz e Souza, o mais importante do País à época. De 1983 a 1991, dirigiu a Editora da UFSC, e em 1996 assumiu a superintendência da Fundação Franklin Cascaes, onde lutou para criar uma política cultural em Florianópolis.

Em 1951, “Velhice e outros contos” foi o primeiro dos mais de trinta títulos que integram a sua bibliografia, entre eles “A morte do tenente e outras mortes”, “Vida Breve de Sezefreno das Neves”, “Mare Nostrum” e “Nur na Escuridão”.

Doutor honoris causa pela Universidade Federal de Santa Catarina em 2002, ano em que ganhou o Prêmio Juca Pato de intelectual do ano, Salim dirigiu de 1983 a 1991 a Editora da UFSC, fazendo com que ele se tornasse referência no País. Em 1993 assumiu o papel de gestor da Fundação Franklin Cascaes, ajudando a criar políticas culturais para Florianópolis. Em 2009, a Academia Brasileira de Letras reconheceu sua obra com o prêmio Machado de Assis.

“Salim é um homem de ação, sempre envolvido em projetos que concretiza com primazia. Intelectual inquieto e multifacetado, é um humanista que tem utilizado a palavra como instrumento na construção de uma sociedade mais tolerante e solidária, em que a liberdade de imaginar e de nos reinventarmos constantemente possa nos tornar mais conscientes e responsáveis por nossas escolhas”, escreveu a pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da UFSC, Luciana Rassier, doutora em Literatura pela Universidade de Montpellier, na França e tradutora do romance “Primeiro de Abril” para a editora parisiense L’Harmattan.

Em Florianópolis, UFSC e UDESC deram o tom do reconhecimento ao escritor e sua mulher. A primeira com a Sala de Leitura Salim Miguel, destinada aos pacientes internados ou não, seus acompanhantes e servidores lotados no HU, com o objetivo de  contribuir com a humanização hospitalar e incentivar o gosto e o hábito da leitura. A segunda com o Espaço Eglê Malheiros & Salim Miguel, um local em frente à Praça Getúlio Vargas, no Centro da cidade, para consulta de materiais históricos e culturais."

Em 2012, o cineasta Zeca Pires lançou “Salim na Intimidade – Maktub”. A TV UFSC fez matéria sobre o lançamento:

Salim também participou, em 2011, do programa UFSC Entrevista:

Conteúdos relacionados

Ver mais conteúdos

Abertura do Ciclo do Divino Espírito Santo será neste final de semana em Florianópolis

23.05.2019

Abertura do Ciclo do Divino Espírito Santo será neste final de semana em Florianópolis

Confirmada identidade dos catarinenses encontrados mortos no Chile

23.05.2019

Confirmada identidade dos catarinenses encontrados mortos no Chile

Integrantes de família da Grande Florianópolis estão entre os mortos em tragédia no Chile

23.05.2019

Integrantes de família da Grande Florianópolis estão entre os mortos em tragédia no Chile

Saiba mais sobre Florianópolis no deolhonailha.com.br O DeOlhoNaIlha é um portal de propriedade da NacionalVOX - Agência Digital, de Florianópolis. Seu lema é "Fique por dentro de Floripa" e seu objetivo é deixar os moradores e visitantes da Ilha da Magia muito bem informados sobre tudo o que acontece na cidade e região.

Anuncie no portal.
Entre em contato.