14.6 C
fpolis
sexta-feira, setembro 17, 2021
cinesytem

UFSC expõe experiências com estágios no maciço do Morro da Cruz

spot_img

UFSC expõe experiências com estágios no maciço do Morro da Cruz

As relações e trocas entre professores da rede estadual de ensino e estagiários de cursos de licenciatura da Universidade Federal de Santa Catarina vêm facilitando a rotina nas escolas do maciço do Morro da Cruz, em Florianópolis. “Como as escolas estão abandonadas e enfrentam problemas como falta de material, estrutura precária, salários baixos e deficiências de atualização, o estágio representa uma esperança para os professores, porque agrega novos conhecimentos e práticas de ensino e dá mais ânimo para quem está em sala de aula”, afirma o professor Fábio Machado Pinto, do Centro de Educação da UFSC.

Parte do resultado dessa experiência está sendo exibida na Mostra Ambiental das Escolas do Maciço do Morro da Cruz, uma exposição montada no hall da reitoria da UFSC que vai até dia 2, sexta-feira, reunindo cerca de 40 trabalhos de professores e alunos e um painel histórico das seis edições anteriores do evento. Hoje (30/06), a partir das 19h, no auditório da reitoria, ocorre a mesa redonda “Os projetos da UFSC no maciço do Morro da Cruz”, que vai apresentar as experiências de grupos de pesquisa, laboratórios e núcleos que desenvolveram ou desenvolvem projetos de extensão nesta área da capital catarinense.

Os professores e estagiários presentes no painel desta manhã, que fez parte da programação da mostra, relataram episódios envolvendo especialmente atividades na área da educação física. Nas escolas Lucia Mayvorne (no maciço), Celso Ramos (centro) e Getúlio Vargas (Saco dos Limões), os estagiários notaram o apreço dos alunos pela escola, mas uma grande falta de capacidade de concentração, o que dificulta o aprendizado, e a aceitação da violência como condição para a própria sobrevivência no ambiente onde estão inseridos.

De qualquer maneira, diz Fábio Pinto, quando o estagiário apresenta novas opções de atividades – como xadrez e pingue-pongue – a reação é positiva e a adesão das crianças e adolescentes é maior. Um dos coordenadores da mostra e do fórum, ao lado da professora Luciana Mercassa, ele diz que a relação da UFSC com as escolas, professores e alunos é horizontal, sem imposições, o que facilita a troca de experiências e a busca de melhores condições de trabalho. É neste sentido que se rompem muitas barreiras para as práticas corporais, a dança e o esporte em geral.

A Mostra Ambiental das Escolas do Maciço do Morro da Cruz está sendo realizada sob a coordenação da Comissão de Educação do Fórum do Maciço do Morro da Cruz e do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Sociedade Contemporânea do CED.

Mais informações com a professora Luciana Marcassa, do CED, pelo fone 3721-2216 ou pelo e-mail lumarcassa@hotmail.com

Por Paulo Clovis/jornalista na Agecom

spot_img
spot_img

Leia mais

spot_img