23.1 C
fpolis
terça-feira, novembro 30, 2021
cinesytem

Mostra de Cinema e Direitos Humanos em Florianópolis

spot_img

Mostra de Cinema e Direitos Humanos em Florianópolis

spot_img

Em sua sexta edição, a Mostra de Cinema e Direitos Humanos da América do Sul ocorre pela primeira em Florianópolis, com abertura segunda-feira, dia 21, às 19 horas, e sessões diárias até dia 27 no auditório da Cesusc. Na programação, 46 filmes representando dez países da América do Sul, e três longas inéditos. Estão previstas sessões de audiodescrição para deficientes visuais e todas são legendadas, para beneficiar deficientes auditivos. A Mostra ocorre em 27 capitais brasileiras e a entrada é gratuita.

Realizada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, com produção da Cinemateca Brasileira/MinC e patrocínio da Petrobras, o evento é dedicado a produções que abordam questões referentes aos direitos humanos, produzidas recentemente nos países sul-americanos. As obras mais votadas pelo público são contempladas com o Prêmio Exibição TV Brasil nas categorias longa, média e curta-metragem. A programação tem curadoria do cineasta Francisco Cesar Filho.

Segundo Luiza Lins, produtora da Mostra em Florianópolis, o evento tem como objetivo “incluir as pessoas tanto na tela, como na platéia, visando a reflexão para um mundo sem preconceito, onde todos tem seus direitos garantidos”.

Entre as pré-estréias brasileiras, destacam-se os longas-metragens Quem se Importa, de Mara Mourão, Céu Sem eternidade, de Eliane Caffé e E A Terra Se Fez Verbo, de Érika Bauer. São também inéditas no país TAVA – Paraguay Terra Adentro, de Lucas Keese, Lucía Martin e Mariela Vilchez, (Paraguai/Argentina), Quatro Litros por Tonel, de Belimar Román Rojas (Venezuela/Argentina) e os colombianos Ocupação, de Angus Gibson e Miguel Salazar, e a animação Pequenas Vozes, de Jairo Eduardo Carrillo e Óscar Andrade.

Na noite de abertura, serão exibidos filmes de uma série de 23 curtas que integram a Sessão Contemporâneos. Uma deles é o cearense Doce de Coco, dirigido por Allan Deberton. Delicado e dotado de grande apuro técnico, o filme focaliza uma família moradora no sertão cearense que produz cocada caseira: o irmão mais novo recolhe os cocos, a adolescente protagonista da história prepara os doces, junto com a mãe, e o pai cuida das vendas. Mas tudo muda quando a jovem vai tomar banho de rio.

Na comédia Máscara Negra, de Rene Brasil, outro filme programado para a abertura, o personagem Gregório é apaixonado por uma máscara de carnaval e Luisette é um travesti em busca de carinho. Durante um jogo de futebol, Luisette irá cativar Gregório com seu amor sincero. O curta tem produção do catarinense André Gevaerd.

A sessão do primeiro dia será encerrada com Tempo de Criança, em que o diretor Wagner Novais lança mão de uma construção dramática e poética para tratar do cotidiano de uma menina que precisa ser gente grande quando a mãe não está em casa. Premiado no Festival de Brasília.

Em Santa Catarina, a Mostra tem o apoio da Diretoria de Direitos Humanos da Casa Civil, Governo do Estado de Santa Catarina, Fundação Catarinense de Cultura, Udesc e do Cesusc. Mais informações e programação completa em www.cinedireitoshumanos.org.br.


O quê: 6ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul

Quando: abertura dia 21, segunda-feira, às 19h. Sessões diárias, às 9h, 14h, 16h e 19h, até dia 27.
Onde: Auditório Cesusc. Rodovia SC 401, km 10, Trevo de Santo Antônio de Lisboa, Florianópolis.
Quanto: gratuito.

Dia 21, segunda-feira
Sessão de abertura
19h

Doce de Coco, de Allan Deberton (Brasil, 20 min, 2010, ficção).
A família de Diana produz cocadas caseiras. João, o irmão mais novo, recolhe os cocos; Diana e a mãe preparam os doces, vendidos por Zacarias, o pai. Tudo muda quando Diana vai tomar banho de rio.

Tempo de Criança, de Wagner Novais (Brasil, 12 min, 2010, ficção).
Uma construção dramática e poética sobre o cotidiano de uma menina que precisa ser gente grande quando a mãe não está em casa.

Máscara Negra, de Rene Brasil (Brasil, 15 min, 2010, ficção).
Gregório é apaixonado por uma máscara de carnaval. Luisette é um travesti em busca de carinho. Durante um jogo de futebol, Luisette cativa Gregório com seu amor sincero.

Classificação indicativa: 14 anos

spot_img
spot_img