25.4 C
fpolis
sábado, janeiro 22, 2022
cinesytem

Alta temperatura da água do mar ameaça cultivo de ostras em Florianópolis

Alta temperatura da água do mar ameaça cultivo de ostras em Florianópolis

spot_img

Produtores estimam queda de quase 60% na safra deste verão

A produção de ostras em Florianópolis está abaixo do normal nessa temporada de verão. Um dos motivos para a queda de até 60% na safra é a alta temperatura da água do mar, que aumenta o número de mortalidade do molusco. O outro, é que menos sementes foram colocadas nas águas por causa da crise econômica que afetou a última produção.

A oceanógrafa Flávia Ribeiro Couto, que mantém uma fazenda marinha no Sul da Ilha de Santa Catarina, onde a área é responsável por 30% da produção de ostras no Estado, explica que a elevação de um grau na temperatura da água já compromete a safra, e principalmente o cultivo de ostras vivas, que representam mais de 90% dos pedidos.

Segundo a produtora, a perda normal nessa época do ano é de 30%. Porém, com a água marcando 31 graus Celsius, a mortalidade das ostras que crescem e passam pelo verão, já chega a mais de 50%.

Flávia explica que quando a temperatura fica acima de 22ºC, o molusco já começa a sofrer estresse.

O prejuízo na venda de ostras, que deve se estender de fevereiro até início de maio, quando as águas começam a esfriar, deve chegar a 70%, segundo a oceanógrafa. Ela afirma que o normal é produzirem 18 toneladas por mês de moluscos, que são consumidas, por exemplo, em Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará e Brasília. No entanto, a produção deve cair 1/3 neste ano.

Aquecimento

O aquecimento das águas do mar é típico em Santa Catarina, mas não com tanta intensidade, segundo o chefe do Centro de Aquicultura e Pesca da Epagri, Fabiano Muller Silva:

— Nós tentamos identificar e preparar o produtor para esses eventos de aquecimento. Uma das saídas é mudar um pouco o período de povoamento das ostras para sua engorda.

Mercado

Segundo Silva, houve desabastecimento no mercado este ano, mas porque os produtores não estavam preparados para a grande procura.

O meteorologista Leandro Puchalski, da Central de Meteorologia RBS, explica que o aquecimento nas águas do oceano é causado por correntes marítimas que se deslocam do centro do país, passam pela região Sudeste e acabam atingindo a região Sul.


Veja abaixo reportagem no Fantástico de ontem (domingo 28/02)

spot_img
spot_img