15.1 C
fpolis
sexta-feira, setembro 17, 2021
cinesytem

Artista catarinense expõe obra “Desaparecendo” em uma das maiores mostras híbridas do mundo

spot_img

Artista catarinense expõe obra “Desaparecendo” em uma das maiores mostras híbridas do mundo

 

Karine Padilha, que reúne arte e psicologia em sua obra, é destaque entre artistas de 40 países escolhidos para a exposição híbrida da Mostra Museu, de São Paulo, e The Covid Art Museum, da Espanha.

 

Parceria entre a galeria brasileira "Mostra Museu: Arte na Quarentena" e a espanhola "The Covid Art Museum", primeiro museu de arte do mundo criado no início da pandemia, reúne arte, música e tecnologia para aproximar público, obras e artistas na plataforma multimídia do projeto, além de uma exposição a céu aberto em São Paulo.

 

O trabalho da catarinense Karine Padilha é uma das 200 obras escolhidas de 40 países para a Mostra – entre eles: Alemanha, Brasil, Cuba, Emirados Árabes, Filipinas, Itália, Índia, Líbano, Paquistão e Ucrânia – e que contam com participações de músicos brasileiros já consagrados, como Milton Nascimento, Criolo, Gal Costa e Pitty, além de diversos outros novos talentos que surgiram durante a Covid-19.

 

A obra escolhida pela curadoria da Mostra, o autorretrato "Desaparecendo", foi produzida em casa pela artista para transmitir suas emoções vivenciadas durante o período de isolamento social.

 

"A arte e a psicologia desempenham um papel fundamental no enfrentamento de questões como a ansiedade, a frustração, a solidão, a perda e o luto – intensificados durante a pandemia, permitindo que essas experiências sejam vividas de outras formas e ressignificadas através dos processos criativos", explica a artista e graduanda em Psicologia, Karine Padilha.

 

Natural de Xanxerê e moradora de Florianópolis há 16 anos, ela revela que unir a arte à psicologia em uma expressão artística num momento tão desafiador foi fundamental para manter a criatividade e a saúde física e mental. 

 

“Quando criei esta obra, estava experienciando uma sensação de bloqueio criativo e de apagamento, reflexo do que estamos vivendo socialmente bloqueados, impedidos, de certa forma apagados do mundo. Através da arte, pude elaborar essas e outras sensações", conta a artista, que também é escritora.

 

"Desaparecendo" e todas as obras da Mostra compõem a exposição híbrida em ambientes físicos de São Paulo e na galeria virtual www.mostramuseu.com, com destaques dos artistas para todo o mundo.   

 

Sobre a artista: Karine Padilha é natural de Xanxerê, Santa Catarina, e mora em Florianópolis há 16 anos. Em 2016, iniciou a graduação em Psicologia, quando passou a estudar os resultados do fazer artístico no comportamento humano. Desde então, explora e experimenta diversos recursos de criação e expressão, entre eles a fotografia, a pintura e a escrita.

 

Em 2017, escreveu o livro “Lugeo”, que integrou a XI Entre Mostras, da Fundação Cultural Badesc (Florianópolis). De 2017 a 2018, participou ativamente do programa de rádio Quinta Maldita, também na capital catarinense, que reúne performances artísticas organizadas pelo músico e literato Demétrio Panarotto. 

 

Em 2019, expôs o projeto “Poemas de Amor e Cataclismos” na FAF, que integrou a Maratona Cultural de Florianópolis. Neste ano, expõe o autorretrato Desaparecendo/Disappearing na Mostra Museu de São Paulo.

 

Atualmente trabalha com psicologia e arte, prestando atendimentos psicológicos na clínica escola do CEPSI- Centro de Produção de Saberes e Práticas em Psicologia, da Faculdade CESUSC, na Capital.

 

Conheça o trabalho de Karine no site www.karinepadilha.com.br e no Instagram @karine_padilha_, ou acesse o link https://bit.ly/3uiaf5z e veja o vídeo. 

 

spot_img
spot_img

Leia mais