14.5 C
fpolis
sexta-feira, maio 17, 2024
Cinesystem

Documentário sobre Zininho será distribuído a escolas de Florianópolis

spot_img

Documentário sobre Zininho será distribuído a escolas de Florianópolis

spot_imgspot_img

A história de Cláudio Alvim Barbosa, o poeta Zininho, será disponibilizada em vídeo para escolas públicas de Florianópolis e bibliotecas municipais do estado a partir do segundo semestre deste ano. Uma parceria entre a Câmara de Vereadores, Secretaria Municipal de Educação e Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes vai viabilizar a reprodução e distribuição do documentário “Um Manezinho de Apelido Zininho”, produzido pela TV Câmara. A proposta foi discutida nesta quinta-feira (25), numa reunião entre o superintendente da FCFFC e Secretário de Educação, Rodolfo Joaquim Pinto da Luz, e o Diretor de Comunicação Social do Legislativo Municipal, Raul Sartori.

Participaram ainda do encontro a filha do poeta, Cláudia Barbosa; o assessor de imprensa da Câmara de Vereadores, Marcelo Passamai; o diretor da TV Câmara, Ricardo Busse; a Coordenadora Geral da FCFFC, Roseli Pereira; e o Gerente da Casa da Memória/FCFFC, Dennis Radünz. Na oportunidade, o Superintendente Rodolfo Joaquim Pinto da Luz também assinou a autorização para início da digitalização de 43 fitas cassete que integram o primeiro lote do vasto acervo deixado por Zininho, e que está sob a guarda da Casa da Memória.

Com lançamento previsto para agosto, o documentário da TV Câmara narra a vida do músico, arquivista e poeta – autor de mais de uma centena de composições, entre elas o “Rancho de Amor à Ilha”, que se transformou no hino oficial de Florianópolis. O DVD traz entrevistas com familiares e amigos do artista, registrando ainda sua passagem pelo setor de som da Câmara Municipal e pelas rádios Diário da Manhã e Guarujá – experiências que geraram um legado em forma de canções diversas, fotografias, radionovelas e outras gravações que retratam um pouco da história política e cultural da capital catarinense no período de 1950 a 1990.

Baseado na obra “Zininho”, de Raul Caldas Filho, o documentário tem narração de Édio Nunes e entrevistas feitas pelo jornalista Caê Martins. O roteiro leva a assinatura de Andréa Buzato e Cláudia Barbosa, que também foi responsável pela pesquisa e produção do material. O DVD será disponibilizado às 25 escolas básicas e 11 desdobradas da rede municipal, às escolas estaduais sediadas em Florianópolis, e a todas as bibliotecas municipais de Santa Catarina. O documentário será ainda exibido na Casa da Memória e no Teatro da UBRO.

Homem dos Sete Instrumentos

Nascido na localidade de Três Riachos, em 8 de maio de 1929, Cláudio Alvim Barbosa viveu parte da infância no Largo 13 de Maio, nas imediações do Hospital de Caridade – região onde atualmente situa-se a Praça Tancredo Neves, e na adolescência mudou-se para o Bairro do Estreito.

A criatividade musical surgiu ainda na juventude, a partir de uma desilusão amorosa, mas a decisão de seguir na carreira artística veio após atuar em várias profissões, de motorista de táxi a dono da barbearia Salão Dó-ré-mi, um empreendimento que até no nome explicitava o gosto do proprietário.

Talentoso, Zininho venceu vários concursos de músicas de carnaval na cidade, mas foi no rádio que encontrou sua grande paixão. Trabalhou nas rádios Guarujá e Diário da Manhã, onde fez de tudo um pouco. Foi sonoplasta, radioator, cantor, diretor de radioteatro, compositor, criador de jingles e de prefixos – o que lhe valeu o apelido de “Homem dos Sete Instrumentos”.

Na época de ouro do rádio, nas décadas de 1940 a 1960, Zininho compôs mais de cem músicas, entre marchinhas, sambas-canção e marchas-rancho. Foi autor de sucessos como “A Rosa e o Jasmim”, “Princesinha da Ilha”, “Largo 13 de Maio” e “Rancho de Amor à Ilha”, canção que venceu um concurso promovido pela Prefeitura de Florianópolis, em 1965, e foi transformada em hino oficial da cidade. Cláudio Alvim Barbosa faleceu no dia 5 de setembro de 1998.

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Leia mais

spot_img