22.2 C
fpolis
sábado, dezembro 4, 2021
cinesytem

Fita Floripa vai tematizar a máscara no teatro em 2011

spot_imgspot_img

Fita Floripa vai tematizar a máscara no teatro em 2011

spot_img

Ao final do 4º Festival Internacional de Teatro de Animação, o Fita, na noite de ontem (domingo) no Centro de Cultura e Eventos, a organização lançou a proposta para 2011. Sassá Moretti e Zélia Sabino, organizadoras do festival, planejam o 5º Fita com a temática da máscara no teatro, abordando a máscara neutra, a máscara de personagem e máscara de comedia dell’arte.

Segundo Sassá Moretti, coordenadora geral do Fita e professora do curso de artes cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina, não trata-se de um fechamento do festival em torno de uma linguagem, mas uma valorização de um tema a cada edição. O objetivo é oferecer para estudantes de teatro e espectadores uma oportunidade de aprofundamento em máscaras, com a participação em palestras, oficinas e espetáculos específicos em torno do assunto.

“É claro que o teatro de sombra, teatro de bonecos e objetos, e mesmo o teatro de máscaras, que são a essência do Fita, vão continuar como pilares principais”, diz Sassá. Para a 5ª edição, está sendo planejada a vinda de um professor da L’École Internacionale de Théâtre Jacques Lecoq, da França, para ministrar uma oficina de máscara neutra. Já a Cia Viaje Inmóvil, que participa da edição deste ano do Fita, com a peça El Ultimo Heredero, deverá retornar em 2011 com Gulliver. E de Minas Gerais, a organização do Fita pretende trazer a montagem Pinóquio, do grupo mineiro Giramundo.

Em relação à edição de 2010, o balanço final é positivo. Mas mesmo o Fita sendo um festival consolidado, a busca de patrocinadores ainda é uma dificuldade enfrentada a cada edição, especialmente em 2010. Ainda assim, o festival ampliou seu público de 30 mil para 36 mil. Parte deste crescimento deve-se também à realização do festival em outras cidades. Além de Florianópolis, Joinville e Criciúma foram contempladas com três espetáculos. “A nossa intenção é levar o Fita para pelo menos mais uma cidade em 2011”, diz Zélia.

Dos 36 mil espectadores da edição de 2010, 22 mil são crianças e adolescentes de escolas públicas e particulares. Para escolas públicas, o ingresso foi gratuito. Outra meta estabelecida pela organização para o ano que vem é levar espetáculos para bairros de Florianópolis e ampliar as apresentações na Arena do Centro de Artes da Udesc e na Concha Acústica da UFSC, que atraíram um bom público.

CONTATO

Victor da Rosa (48) 9918-7626

Fifo Lima (48) 9146-0251

spot_img
spot_img