14.8 C
fpolis
quarta-feira, maio 25, 2022
Cinesystem Villa Romana Shopping

Incertezas e reencontros marcam a volta aos palcos do projeto “ensaio para algo que não sabemos”

spot_img

Incertezas e reencontros marcam a volta aos palcos do projeto “ensaio para algo que não sabemos”

spot_imgspot_img

Itajaí e Florianópolis entram para a agenda de apresentações do espetáculo “Protótipo 2 – encher-se de buracos” no mês de abril. A entrada é franca

De incertezas a vida está cheia. Ainda bem. Das camadas que cobrem a pele, por proteção ou especulação, o corpo busca as brechas, as frestas, como poros. Furar os mantos imaculados, deslocar o tecido que reveste, às vezes paralisa na forma, outras dá margem às dobras. Tudo e nada é possível o tempo todo. Tudo e nada está em jogo o tempo todo. O que é tudo, o que é nada. Na verdade, não importa a resposta. 

Incerteza é o dispositivo primordial desse trabalho, que ganha corporeidade na relação de interação entre duas artistas, que sobem ao palco como ato de coragem e mistério. Contraem-se, expandem-se como o mover do sentir. Não há lógica, e sim profundidade não estacionada na clareza da mente. É experiência, muito além da técnica. Contrário à relação de poder, na direção do improviso. Não conforto, e sim impulsionamento. Sobrevivência ou simplesmente vivência. Como é ficar presente para o instintivo?

O projeto “ensaio para algo que não sabemos” foi criado por Dani Alves e Karina Collaço, na ativa como laboratório de dança e pesquisa desde 2016, que mergulha a fundo distante da superfície. A performance volta aos palcos físicos após período de confinamento, só que com outra formação corporal. 

Dani Alves dedica tempo aos estudos de mestrado, e quem assume a dramaturgia – sem substituição criativa -, com todo protagonismo que o corpo/história carrega é Monica Siedler. As quatro apresentações do espetáculo “Protótipo 2 – encher-se de buracos”  estão confirmadas para o mês de abril em duas cidades.

Itajaí abre a programação nos dias 07 e 08 de abril, no Itajaí Criativa e Florianópolis em 12 e 13 de abril, no SESC Prainha, sempre às 20h. Os ingressos são gratuitos e limitados, e serão distribuídos uma hora antes das exibições.

Conexão virtuosa

O nome de Monica Siedler para esta exibição do protótipo não apareceu à toa. A bailarina Karina Collaço nutre uma admiração pela artista há anos corridos, e trabalhou com sua irmã Elke Siedler em uma companhia de dança contemporânea em Florianópolis. Monica sempre circulava com interesse pela cena da dança.

“O primeiro nome que veio foi o da Mônica, pois ela tem uma estrada no campo do teatro como atriz, mas sempre bebeu da dança. Sempre passeou por esse universo. Temos uma ligação de admiração, e a aceitação por parte dela foi imediata”, conta Karina. 

Os ensaios começaram com a virada do ano, em praças abertas. Depois, do jeito que dava, ainda com o agravante da pandemia e confinamento, passou para garagem, também uma sala 3x3m2 na casa de Mônica. A dupla foi abraçando as incertezas espaciais como parte do trabalho.

A flexibilização da materialidade sustenta os pés no chão. Essa é a única certeza, por enquanto, assumida. Os cadernos de  anotações, repletos de pesquisas, foram revisitados. Assim como o figurino e a parte luminotécnica, que devem mudar nesta outra versão. Pois a realidade é apenas possibilidade de elaboração.

“Não há problema algum em reordenar os caminhos deste trabalho. Estou em contato com outra artista, a cena que vamos atuar irá mudar, de uma Casa de Cultura para um teatro. Iniciamos a pesquisa numa caixa preta e assim o trabalho assume essa vulnerabilidade. O projeto respeita o estado de flexibilidade, de transformação, de incertezas, esse lugar, essa metamorfose que a gente vai transformando e ganhando camadas a cada corpo que chega. Então é isso. Dividir esse momento com a Monica é estar numa outra situação em palco, em cena, trocando essa energia com o público. Sentir sensorial e sensitivo. Estamos na expectativa de viver e se entregar para essa experiência e poder sobretudo se divertir, acalmar os corações”, comenta Karina. 

Monica foi apresentada aos materiais tratados como dispositivos na performance. As intérpretes tiveram um momento de reconhecimento, percepção e relação sempre amparadas pelos apetrechos, espaço e conexão entre os corpos. 

“Tem coisas na performance que são preposições já resolvidas, mas não se trata de uma coreografia. Eu não estou substituindo uma bailarina, mas entrando na performance  e o trabalho se modifica a partir de como me relaciono com esses objetos, na singularidade. Os sentidos vão se modificando, criando formas diferentes, transformando as relações. As simbologias e sentidos do fazer. Depois de um tempo de confinamento, os deslocamentos reduziram. Se engajar novamente no espaço acaba sendo um voltar para mim mesma. Um corpo presença”, compartilha Monica.

O Projeto selecionado pelo Edital Aldir Blanc 2021 – executado com recursos do Governo Federal e Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural por meio da Fundação Catarinense de Cultura. A organização do espetáculo recomenda o uso de máscara. 

FICHA TÉCNICA

Concepção, Criação e Direção – Daniela Alves e Karina Collaço

Intérpretes-criadoras – Karina Collaço e Monica Siedler

Interlocução Dramatúrgica – Paloma Bianchi

Colaboração Artística – Tuca Pinheiro e Hedra Rockenbach

Iluminação – Ivo Godois 

Operação de Luz – Ivo Godois e Cleber Fiorio Castellar

Composição Sonora – Chico Martins e Wilson Souza

Figurino – Alice Assal

Fotografia e Arte Gráfica – Bolívar Alencastro

Assessoria de Imprensa – Luciana de Moraes

Coordenação e Produção – Karina Collaço

APOIADORES

Casa Ventana

Sesc Prainha – Florianópolis/SC

Itajaí Criativa – Residência Artística

editor.deolhonailhahttp://www.deolhonailha.com.br
O DeOlhoNaIlha é um portal de propriedade da NacionalVOX - Agência Digital, de Florianópolis. Seu lema é "Fique por dentro de Floripa" e seu objetivo é deixar os moradores e visitantes da Ilha da Magia muito bem informados sobre tudo o que acontece na cidade e região.
spot_img