16.1 C
fpolis
quarta-feira, julho 6, 2022
Cinesystem Villa Romana Shopping

Instituto Lagoa Social muda sua estrutura para ampliar ações sociais

Instituto Lagoa Social muda sua estrutura para ampliar ações sociais

spot_imgspot_img

Desde 2005 atuando para melhorar a qualidade de vida de crianças e adolescentes por meio de diversos projetos sociais, o Instituto Lagoa Social mudou o nome para Instituto Bem Possível. Além disso, a instituição deixou de ser uma Organização Não Governamental (ONG) para ser uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP).

Com a qualificação de OSCIP, que é um reconhecimento oficial previsto na legislação, o Instituto pretende ampliar seu escopo de atendimento, captar mais recursos e fortalecer a relação conquistada nesses 11 anos com a sociedade.

Entre as estratégias previstas na nova estrutura estão a prospecção de empresas interessadas em associar sua marca a atividades geradoras do bem estar social e obter incentivos fiscais, a criação de um selo em homenagem a todos os doadores da instituição, a promoção de parcerias com universidades e escolas profissionalizantes, a promoção de eventos e a criação de um núcleo de atendimento de Meio Ambiente. “Queremos ampliar esse reconhecimento como uma instituição referência na inclusão social, que foi construída de forma transparente e comprometida com a sociedade”, destaca a presidente voluntária, Paula Freitas.

A mudança vai facilitar parcerias e convênios com todos os níveis de governo e órgãos públicos (federal, estadual e municipal) e permite que doações realizadas por empresas possam ser descontadas no Imposto de Renda, ISS e IPTU.  Além disso, a prestação de contas dos serviços prestados pela instituição também ficam mais rigorosos.

Ao todo, mais de 40 mil crianças foram beneficiadas pelos projetos culturais e esportivos do Instituto. A meta é ampliar as plataformas de atendimento nas áreas de Esporte e Cultura, Sustentabilidade, Educação e Inclusão Social.

Conheça os projetos do Instituto Bem Possível

Projeto Ação Reciclagem – A iniciativa busca inserir as crianças no desenvolvimento de um objeto necessário para elas, a partir de uma matéria prima desprezada pela comunidade, como por exemplo, o papelão.

Driblando a Vida – Atualmente o projeto tem cinco núcleos ativos (Monte Verde, Canto da Lagoa, Barreira do Janga, Rio Tavares e Saco dos Limões) e beneficia 350 crianças. Por meio do futebol, elas aprendem a aproveitar os benefícios e as oportunidades que o esporte pode lhes proporcionar.

Sacando para o Futuro – Em parceria com a Amocanto (Associação de Moradores do Canto da Lagoa), o projeto busca, por meio do tênis, fomentar o esporte e articular aquilo que se aprende jogando, com princípios e valores que contribuam positivamente para a melhoria da qualidade de vida dessas crianças. Atualmente, são atendidas 70 crianças do Canto da Lagoa.

Faça sua História – O projeto realiza oficinas de música em escolas públicas de Florianópolis e tem a parceria do quinteto Samba Aí. Estão contempladas oito escolas com atendimento de 480 crianças nas comunidades Morro do Mocotó, Barra da Lagoa, Lagoa da Conceição, Rio Vermelho, Costeira do Pirajubaé, Coqueiros e Pantanal.

Projeto Pipoca – São realizadas mostras de cinema nas escolas, com dinâmicas articuladas ao plano de ensino, como também, pós-mostra, trabalhando temáticas importantes para o desenvolvimento e reflexão das crianças. O projeto atua em Florianópolis desde 2008 e neste ano atende 15 instituições comunitárias e 400 crianças mensalmente.

Arte de Rua – São realizadas oficinas de desenho e grafite em centros comunitários da Vila União, Monte Verde, Barra da Lagoa, Morro do Mocotó e Morro do Horácio, a fim de desenvolver nas crianças senso crítico e artístico, criatividade, concentração e capacidade de trabalho em equipe. Serão contempladas 35 crianças e adolescentes por comunidade.

Teatro na Comunidade – Em parceria com o curso de teatro de Marco Audino o projeto pretende oferecer oficinas regulares de teatro para pré-adolescentes matriculados nas escolas públicas de Florianópolis. São quatro turmas de 25 alunos cada, atendidas nas comunidades de Vila União e Lagoa da Conceição.

spot_img