25 C
fpolis
quarta-feira, janeiro 19, 2022
cinesytem

Projeto leva obra de Franklin Cascaes ao Terminal de Integração do Centro de Florianópolis

Projeto leva obra de Franklin Cascaes ao Terminal de Integração do Centro de Florianópolis

spot_img

Pela primeira vez na história de Florianópolis, de 16 de outubro a 14 de novembro, a área de maior concentração de pessoas da cidade – o Terminal de Integração do Centro (TICEN) – será ambientada para receber uma mostra da diversidade da obra de Franklin Cascaes: exposição de 32 reproduções de esculturas, 26 desenhos, 10 manuscritos, exibição de quatro filmes sobre ele e sua obra, oficina e aulas de desenho, cinco shows musicais em diferentes pontos da cidade e 16 apresentações teatrais se somarão às interferências como distribuição de panfletos com benzeduras, simpatias e histórias dos escritos de Cascaes. Tudo isto faz parte da programação do projeto Cascaes 100+1.

Com toda a programação gratuita e um público estimado em mais de um milhão de pessoas, este projeto da Associação dos Amigos do Museu Universitário da UFSC é produzido pela Exato Segundo Produções Artísticas, com o patrocínio do Governo do Estado de Santa Catarina e da Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte através do Funcultural. As ações contam com a parceria da Universidade Federal de Santa Catarina via Secretaria de Cultura e Arte (SecArte) e do Museu Universitário Professor Oswaldo Rodrigues Cabral; da Fundação Catarinense de Cultura; da Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes e da Secretaria de Educação de Florianópolis. O projeto tem o apoio da COTISA, da Rádio CBN Diário, da Cinemateca Catarinense e do grupo Teatro em Trâmite.

“Em princípio pensamos numa mostra inteiramente de rua, com a distribuição de textos e imagens de Cascaes em panfletos para serem levados para casa. Depois aprofundamos este aspecto público e chegamos ao TICEN, local com maior circulação de pessoas por dia em Florianópolis. Cascaes em Trânsito é, portanto, uma exposição pública e panfletária em homenagem aos 101 anos de nascimento de Franklin Joaquim Cascaes (1908-1983)”, resume o curador e co-produtor da exposição, Fernando Boppré.

Série Soltando Pandorga

Para Guto Lima, produtor executivo, este projeto “dará uma gigantesca visibilidade às obras e ao próprio Cascaes, mas também é uma forma de devolver à população da Grande Florianópolis os registros culturais feitos por Franklin Cascaes ao longo de tantos anos”. Ele lembra que a idéia do evento começou a ser trabalhada ainda em 2007, para o que deveria ser uma celebração pelo centenário de nascimento de Cascaes em 2008 mas, ainda em 2005, a Associação dos Amigos do Museu Universitário Prof. Oswaldo Rodrigues Cabral já nascia precisamente com este propósito. Nesta época, lembra Bebel Orofino, “Gelci José Coelho, o Peninha, foi a pessoa que nos recebeu no Museu para a criação da AMU para que pudéssemos montar esta programação e, hoje, ele é também consultor do projeto”. Entretanto, a falta de recursos pelo Funcultural obrigou os produtores a adiarem o evento para este ano mas, de lá para cá, o evento ganhou muito em criatividade.

Só na parte musical, o projeto Festa pra Cascaes! programou para a abertura no dia 16, no jardim do Palácio Cruz e Sousa, das 12 às 14 hs, show da banda Frankolino, formada por Denise de Castro, Marcelo Muniz, Baixinho, Jorge Lacerda, Silvia Beraldo, Carlos Augusto Vieira e Chico Thives, com convidados especialíssimos como Valdir Agostinho, seu Frankolino, e dona Bilica e seu Maneca. Das 17 às 19h sobem ao palco Gentil do Orocongo e Trio do Engenho seguidos pela banda Frankolino e a convidada Claudia Barbosa. No repertório, músicas populares e composições que abordam Franklin Cascaes e sua obra. Além disso, haverá shows itinerantes todos os sábados às 17h na Lagoa da Conceição, Ribeirão da Ilha, Pântano do Sul e Santo Antônio de Lisboa (ver programação em anexo).

Assim, a celebração Cascaes 100+1 inclui a mostra Cascaes em Trânsito com curadoria de Fernando Boppré e Bebel Orofino, interferências com mediação cênica com a Cia. Teatro em Trâmite; os shows musicais do projeto Festa pra Cascaes!, com produção de Airton Perrone; exibições de filmes, apresentação da peça Causos de Frankolino com Andréa Rihl; aulão sobre a obra de Cascaes com Gelci Coelho (Peninha); oficinas de aviõezinhos de papel com Maurício Muniz, e aulas de desenho com o artista plástico Diogo de los Campos. No total, nos 30 dias de evento serão desenvolvidas cerca de 50 atividades diferentes.

O evento, adiado por um ano, será a tão esperada e merecida homenagem da cidade ao seu mais popular escritor e relator de memórias. Como observa a curadora Bebel Orofino “Não é saudosismo reiterar a importância da obra de Cascaes, trata-se de discernir a particularidade estética e cultural de sua produção e compreender sua ousadia e vanguarda ao retratar as classes populares em seu cotidiano aqui no litoral de Santa Catarina”. De acordo com ela, 100+1 pretende “fazer eco ao seu discurso profético quando alerta para a especulação imobiliária, que pode tudo destruir se não assumirmos o compromisso de novas narrativas, assim como suas vacas-tatá a parir novos bezerros e as bruxas a coletar estrelas para semear um futuro um tanto obscuro”.

spot_img
spot_img