30.3 C
fpolis
sábado, janeiro 22, 2022
cinesytem

Rede Sesc de Cinema divulga filmes selecionados para exibição gratuita em SC

Rede Sesc de Cinema divulga filmes selecionados para exibição gratuita em SC

spot_img

Sete audiovisuais produzidos em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná foram selecionados para circular na Rede Sesc de Cinema, projeto de difusão e valorização da produção cinematográfica da região Sul, em 2016 e 2017.

 São eles: o longa-metragem “Até que a Sbórnia nos Separe”, de Otto Guerra e Ennio Torresan (RS); e os curtas-metragens “Menina Bonita do Laço de Fita”, de Diego Lopes e Claudio Bitencourt (PR); “Nham-Nham: A Criatura”, de Lucas de Barros (SC); “Garoto Barba”, de Christopher Faust  (PR); “MMM – a montanha do meio do mundo”, de Olga Nenevê e Marlon de Toledo (PR); “O Segredo da família Urso”, de Cíntia Domit Bittar (SC); e “A Fábrica”, de Aly Muritiba (PR).

 Em sua terceira edição, a Rede Sesc de Cinema tem o objetivo de promover a circulação dos filmes selecionados através de exibições gratuitas em mais de 30 cidades catarinenses. Estão previstas a realização de mostras e sessões de cinema dentro da programação cultural das Unidades do Sesc, também em escolas e centros comunitários. Foram adquiridos os direitos de exibição das obras pelo período de dois anos.

No total foram analisadas 86 propostas de filmes, sendo 14 longas-metragens e 72 curtas-metragens. As produtoras que inscreveram seus projetos podem retirar o DVD no Departamento Regional do Sesc, na Rua Felipe Schmidt, 785, 2º andar, das 09 às 16h, no período de 11 a 22/04.

 Sinopses

 “Até que a Sbórnia nos Separe”, de Otto Guerra e Ennio Torresan (RS)

(Otto Desenhos Animados / longa-metragem / animação / 2013 / 83min / Classificação etária: 10 anos)

Sinopse: Sbornia é um pequeno país que sempre viveu isolado do resto do mundo, cercado por um grande muro que não permite o contato com os vizinhos. Um dia, no entanto, um acidente leva à queda do muro, e logo os sbornianos começam a descobrir os costumes modernos. Dois músicos locais, Kraunus (Hique Gomez) e Pletskaya (Nico Nicolaiewsky), observam as reações de seus conterrâneos: enquanto alguns adotam rapidamente a cultura estrangeira, outros preferem reafirmar as tradições sbornianas e resistir ao imperialismo.

 “A Fábrica”, de Aly Muritiba (PR)

(Grafo Audiovisual / curta-metragem / ficção / 2011 / 15min / Classificação etária: 10 anos)

Sinopse: Um presidiário convence sua mãe a arriscar a própria segurança para levar um aparelho celular para ele dentro da penitenciária.

 O Segredo da Família Urso, de Cíntia Domit Bittar (SC)

(Novelo Filmes / curta-metragem / ficção / 2014 / 20min / Classificação etária: 14 anos)

Sinopse: 1970, ditadura militar brasileira. Geórgia, uma menina de 8 anos, é proibida de entrar no porão de sua casa, onde costumava brincar. Longe dos olhos dos pais e da velha babá, Geórgia encontra a porta destrancada: há alguém lá dentro.

“Menina Bonita do Laço de Fita”, de Diego Lopes e Claudio Bitencourt (PR)

(Oger Sepol Produções / curta-metragem infantil / animação / 2014 / 7min / Classificação etária: Livre)

Sinopse: Baseado na obra homônima de Ana Maria Machado, o filme aborda o aspecto racial e o não-preconceito, através da convivência harmoniosa de indivíduos de raças e cores diferentes. Para isso, conta a história de um coelho que, apaixonado pela cor negra de sua vizinha, faz tudo para ficar igual ela. Depois de várias tentativas frustradas, acaba encontrando a felicidade ao se casar com uma coelha preta e ao ter filhos brancos, pretos e malhados. “Menina Bonita do Laço de Fita” é um dos livros mais premiados e traduzidos de Ana Maria Machado, autora que já vendeu dezoito milhões de exemplares de seus mais de 100 livros no Brasil e em mais 17 países do mundo. A escritora ocupa, atualmente, a cadeira número 1 da Academia Brasileira de Letras, que pertencia ao Dr. Evandro Lins e Silva. O filme aborda a importância da questão racial, porém de uma forma leve e divertida, transmitindo os ideais de aceitação em relação a diferenças, quaisquer que sejam elas, e a convivência harmoniosa de indivíduos de raças e cores diferentes.

“Nham-Nham: A Criatura”, de Lucas de Barros (SC)

(Novelo Filmes / curta-metragem infantil / ficção / 2015 / 13min / Classificação etária: Livre)

Sinopse: Certa noite, Lucas escuta um barulho estranho vindo de seu armário. Nham-Nham, um urso de pelúcia desfigurado, sai de lá. “Estou com fome”, diz a criatura. Nham-Nham quer avidamente os desenhos que Lucas faz em seu diário, rabiscos do que acontece em seu dia a dia. O que Lucas não esperava é que sempre que seu novo amigo come as deliciosas folhas de seu diário, as lembranças ali desenhadas são apagadas de sua memória. Assim, Lucas passa a apagar tudo que quer esquecer, deixando Nham-Nham devorar seus desenhos/pensamentos. No entanto, apagar memórias pode ser perigoso. Lucas decide: está na hora de dar um fim em Nham-Nham.

 “MMM – a montanha do meio do mundo”, de Olga Nenevê e Marlon de Toledo (PR)

(Curta-metragem / animação / 2014 / 15min / Classificação etária: Livre)

Sinopse: A animação conta a história de uma menina chamada M.M.M., que percorre uma trajetória de autoconhecimento para, enfim, descobrir que tudo pode se transformar.

 “Garoto Barba”, de Christopher Faust (PR)

(O Quadro Produções / Curta-metragem infantojuvenil / ficção/ 2010 / 14min / Classificação etária: Livre)

Sinopse: Fábula sobre uma criança que, devido a uma rara doença, tem barba. Felipe gosta de ser como é, mas se sente deslocado porque as outras pessoas costumam olhar para ele de forma diferente. Quando seus pais resolvem submetê-lo a uma moderna cirurgia de remoção de pelos, será preciso que o garoto tome uma decisão drástica, que mostrará aos seus pais e à cidade inteira que às vezes vale a pena lutar pelo que se realmente é.

spot_img
spot_img