22.4 C
fpolis
quinta-feira, janeiro 27, 2022

Santa Catarina no caminho do turismo sustentável

Santa Catarina no caminho do turismo sustentável

spot_img

O Resultado da Pesquisa foi apresentado em Florianópolis na última quinta-feira (29/10).

Segundo o secretário de Turismo, Cultura e Esporte de Santa Catarina, Gilmar Knaesel, nunca se investiu tanto em turismo como nos últimos anos. Os resultados da pesquisa, realizada pelo WTTC, serão usados como diretrizes pelo governo, para os próximos passos.

Os resultados da pesquisa sobre o impacto econômico do turismo em Santa Catarina, elaborada pelo Conselho Mundial de Viagem e Turismo (WTTC), em parceria com a Oxford Economics, indicam que as perspectivas de crescimento do turismo no Estado são muito boas. No entanto, o impacto potencial pode ser muito maior que o previsto se o Governo criar e mantiver condições para estimular confiança, dinamismo e sustentabilidade no setor. Atuando nesse sentido, a Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte já está envolvida em programas e ações que compreendem as principais recomendações do Conselho.

“Nunca se promoveu tanto o turismo em Santa Catarina como nesta gestão”, comemora o secretário de Turismo, Cultura e Esporte, Gilmar Knaesel. Knaesel se refere às várias ações planejadas e desenvolvidas pela secretaria que administra, em parceria com o Governo e com outras secretarias. De acordo com ele, somente em 2008, a Secretaria investiu R$ 194 milhões e, em 2009, esse valor deve chegar a R$ 240 milhões. “Santa Catarina é um dos estados que mais investe em Turismo no país. Este ano, passaremos de 2% do orçamento total do governo em investimentos em Turismo, cultura e esporte. Eu desconheço algum estado no Brasil que faça isso”, disse o secretário.

Alguns exemplos de programas governamentais que priorizam o desenvolvimento do turismo são o Plano de Gerenciamento Costeiro, os Sistemas de Monitoramento Ambiental e Gerenciamento Informatizado, o Relatório de Qualidade Ambiental e o Programa de Desenvolvimento Regional do Turismo (financiado pelo Governo Federal).
“O relatório aponta para uma SC além do litoral, e essa é uma tendência que iremos reforçar ainda mais. Nossos investimentos têm priorizado todo o estado, pois temos belezas naturais, parques ambientais, gastronomia e cultura em outras regiões. A política de regionalização é para gerar emprego e riqueza em diferentes localidades”.

Para desenvolver e promover o turismo, garantindo sustentabilidade, o relatório sugere também que a Secretaria de Turismo elabore um planejamento de longo prazo. “A contribuição deste relatório para o Estado é imensa. Temos nas mãos um dado real, estatístico e preciso, que mostra e dá diretrizes para um novo momento. Sem ‘achismos’, podemos reforçar o que está certo e corrigir os erros”, diz Knaesel.

O Governador do Estado, Luiz Henrique da Silveira, chamado de visionário pelo presidente do WTTC, Jean Claude Baumgarten, defendeu a remoção dos obstáculos gerados pela insegurança jurídica. “O investidor precisa saber que não será embargado”, justifica. Nesse sentido, o Secretário de Turismo também afirmou que a burocracia às vezes retarda os resultados, no entanto, “nos últimos anos evoluímos em serviços, acomodações, equipamentos para trazer o turista nacional e internacional a Santa Catarina”.

A primeira ação em relação aos resultados da pesquisa realizada pelo WTTC já foi iniciada. Na tarde do dia 29/10, uma comissão presidida por Murilo Flores, presidente da Fundação do Meio Ambiente (FATMA), se reuniu para discutir um estudo de como transformar os Parques Ecológico do Estado em equipamentos turísticos e objeto de pesquisa de cientistas.


Sobre a pesquisa:

Recomendações ao poder público e ao setor privado

O relatório contém algumas recomendações para ampliar sustentavelmente a exploração da atividade turística do Estado. Quanto à política de turismo, esta deve incluir os seguintes elementos:

• Metas, objetivos e benchmarks claramente definidos;
• Indicações das melhores práticas em desenvolvimento do turismo;
• Medidas destinadas a dar apoio à indústria turística existente, bem como a
promover novos desenvolvimentos;
• Uma estratégia articulada para a diversificação do produto;
• Uma estratégia de longo prazo para o marketing e a promoção turísticos em linha
com as metas e objetivos de longo prazo da política para o turismo;
• Branding claro que reforce a visão básica do desenvolvimento de Viagens & Turismo
de Santa Catarina.

Com relação às parcerias público-privadas, a abordagem precisa assegurar o seguinte:

• Apoio e compromisso político ativos do mais alto nível;
• Uma estratégia explícita – com metas claras e um plano de implementação detalhado;
• Envolvimento das principais partes interessadas em seu processo de desenvolvimento;
• Forte cooperação entre os setores público e privado, atingindo parceiros no âmbito de toda a economia de Viagens & Turismo;
• Aumento das verbas investidas pelo setor público e incentivos excepcionais para atrair investimentos equivalentes do setor privado;
• Liderança do setor privado na elaboração de estratégias de marketing;
• Abordagem integrada dos diferentes departamentos do Governo, particularmente na coordenação dos esforços estadual e municipal.

spot_img
spot_img