20.7 C
fpolis
sexta-feira, dezembro 3, 2021
cinesytem

Semana Ousada começa hoje com overdose de arte contemporânea

spot_imgspot_img

Semana Ousada começa hoje com overdose de arte contemporânea

spot_img

Música, teatro, cinema, poesia, vídeo, dança, moda, artes plásticas, designer. Arte de vanguarda. Arte hipermidiática, síntese de várias mídias e linguagens diferentes. Arte tão nova que nem se pode nominar. O que a arte contemporânea tem de mais atual, fruto da experimentação dos laboratórios de pesquisa dos cursos de expressão artística das universidades públicas de Santa Catarina e também espetáculos de vanguarda atestados pelos palcos dos grandes centros estarão concentrados em torno da 3ª Semana Ousada de Arte UFSC e Udesc, que começa segunda, 20/09. Durante cinco dias, as duas instituições vão oferecer um circuito de espetáculos diversificados, oficinas, mostras, exposições e ações pedagógicas gratuitas e abertas ao público.

De 20 a 23 de setembro, a Secretaria de Cultura e Arte da UFSC e a Coordenadoria de Cultura da Udesc vão movimentar oito espaços artísticos diferentes em Florianópolis e três em Chapecó, Pinhalzinho e Palmitos com mais de uma centena de eventos, performances, intervenções urbanas, seminário e manifestações artísticas de qualidade e arrojo estético. São 12 exposições de moda, desenho, arquitetura e artesanato e ainda nove oficinas de escultura, improvisação em dança, ator performer, contos ousados, maquiagem cênica, cenografia, intervenção urbana e documentário. No final da tarde de sexta, 17/09, apenas a oficina de cenografia, oferecida pela UFSC, ainda oferecia vaga. Um total de 150 pessoas inscreveu-se para os cursos pelo site do evento: www.semanaousada.ufsc.udesc.br.

A abertura oficial da Semana ocorre no dia 20, às 21 horas, no auditório Garapuvu, do Centro de Cultura e Eventos da UFSC, seguida da apresentação da peça ´In on it`, sucesso de público e crítica no país, grande vencedor do Prêmio Shell (melhor direção para Enrique Diaz e melhor ator para Fernando Eiras) e de vários festivais nacionais. No mesmo horário e no mesmo local, a semana vai concentrar espetáculos reconhecidos por sua inovação estética, como ´Micro-revolução de um ser gritante`, de Silvana Abreu, ´Encontros & Desencontros`, de Márcio Cabral e Araeliz, ´Apenas uma fase em Off`, de Zélia Sabino, ´O quarto fantasma`, de Sônia Laiz Vernacci Velloso, ´Era uma vez no Pântano dos Gatos`, de Carmen Fossari, ´A Mandrágora`, da Companhia Brancaleone e ´Retrato de Augustine`, de Maria Brígida de Miranda, entre um total de 27 peças teatrais e 27 musicais. Ao lado de Henrique Diaz, Maria Brígida é reconhecida como a dramaturga mais inovadora do teatro contemporâneo.

Entre os grandes eventos noturnos, destaca-se ainda a apresentação do pianista Alberto Andrés Heller, no dia 23, às 21 horas, também no Garapuvu. Além de composições próprias, Heller executa música erudita de vanguarda, como Erik Satie, Philip Glass, Michael Numan e Yan Tiersen. O espetáculo recria, em linguagem contemporânea, a atmosfera nostálgica do cinema mudo, com a música do piano dialogando em um mesmo palco com imagens de filme, no caso o belíssimo documentário de Marcelo Massagão, ´Nós que aqui estamos por vós esperamos`, de 1998, que oferece uma visão crítica e poética do século XX, marcado pelas tensões das guerras, industrialização, alienação do homem e banalização da vida e também pelas revoluções.

O público terá acesso às três peças concentradas no Auditório Garapuvu (´In on it`, ´Micro-revolução de um ser militante` e ´Retrato de Augustine`), nos dias 20, 21 e 22, mediante a troca de quatro brinquedos novos ou usados em bom estado pelo passaporte para os eventos. A troca pode ser feita a partir de segunda-feira na sede da SeCarte, que fica no segundo andar do prédio da Editora da UFSC, ou na entrada do evento. Os brinquedos serão entregues para a Associação dos Moradores da Tapera para distribuição no Dia da Criança. Para os demais espetáculos a entrada é livre.

A equipe organizadora selecionou eventos e projetos culturais que se destacam por trazerem formatos, linguagens e propostas estéticas inovadoras. “São eventos que representam o melhor da pesquisa desenvolvida na área pelas universidades públicas do Estado”, explica Maria de Lourdes Borges, secretária de Cultura e Arte da UFSC, que coordena esse pool de eventos ao lado de Cláudia Messores, coordenadora de Cultura da Udesc.

A maior parte dos eventos e atividades ocorre nos campi da UFSC e da Udesc em Florianópolis, mas também haverá eventos no Teatro Pedro Ivo, Biblioteca Pública, Instituto Arco Íris, Museu da Escola Catarinense e Museu Vitor Meirelles, no Centro. Este ano, alguns campi da Udesc no Estado, como Chapecó, Pinhalzinho e Palmitos também terão atividades. Um total de 112 pessoas das duas instituições foi envolvido na organização direta da Semana.

Como ações educativas estão programadas visitas aos ateliês do curso de Artes Visuais da Udesc e apresentações de teatro, musicais e mostra de curtas-metragens do FAM na Biblioteca Pública de Santa Catarina e na Udesc. Essas atividades envolvem 300 alunos de seis Escolas Básicas do Estado: Presidente Roosevelt, Henrique Stodieck, Vitor Miguel, Leonor de Barros, Padre Anchieta e Simão Hess. Na programação estão previstas ainda duas mostras de cinema: a de Curtas da Udesc, incluindo vídeos de moda, e da Unisul, em um trabalho integrado com o Curso de Artes Cênicas da Udesc. A intervenção urbana multimidiática “Fantasmagorias, cinema expandido”, com projeção simultânea de vídeos, obras de arte, pintura, cinema, música, poesia e artes cênicas nos espaços internos, nas ruas e nas paredes dos prédios do campus da UFSC encerra a Semana Ousada na sexta-feira, 24/09, às 21 horas.

Em paralelo às apresentações artísticas, o dia 23 será dedicado à reflexão, com a realização do Seminário Filosofia e Arte “Bela natureza, bela arte e filosofia”. Coordenado pelo professor Jair Barboza, do Curso de Filosofia, o seminário inicia às 14 horas, no Auditório da Reitoria, e vai até as 20h30, com uma série de palestras e mesas-redondas sobre as relações entre biologia, arte e o sentido da vida e a referência a filósofos como Nietzsche, Hölderlin e Heidegger, envolvendo pesquisadores de Florianópolis, Curitiba e São Paulo.

In on it

A peça de Enrique Diaz (pronuncia-se “inonit”) chega a Florianópolis com uma jornada de êxito em festivais e teatros do Rio e São Paulo. Baseada no texto do canadense Daniel MacIvor, ´In on it` empreende uma narrativa em espiral sobre um sujeito que morre, dois amantes cujo amor está terminando e dois homens que funcionam como relatores do que acontece no curso da cena. A peça é uma cadeia de jogos internos em que dois atores, duas cadeiras e um casaco fazem um jogo cênico existencial. Emilio de Mello e Fernando Eiras interpretam dez personagens, numa história ´dentro` da história em que um dramaturgo tentando recriar um misterioso acidente de carro. Mas é ´dentro` do espectador que a peça acontece. “O cenário mínimo (duas cadeiras), os ângulos e a sequência não-linear recortam a ação, o que nos leva a tentar adivinhar o fim da trama – e a ser surpreendidos. Também há dois gêneros ´dentro` do mesmo espetáculo. Aproxima-se do teatro diversionista, das multidões, mas também do bom teatro pensante, para poucos”, crítica publicada em O Estado de S.Paulo.

spot_img
spot_img