22.4 C
fpolis
quinta-feira, janeiro 27, 2022

UFSC desenvolve tecnologia em madeira de florestas plantadas para construção de moradias

UFSC desenvolve tecnologia em madeira de florestas plantadas para construção de moradias

spot_img

Com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está contribuindo com a modernização da indústria brasileira de construção em madeira. A estratégia adotada para oferta de produtos de qualidade é a adaptação para a realidade nacional do sistema plataforma. Essa tecnologia leve em madeira permite que uma casa saia da fábrica em partes e seja montada no canteiro de obras. Integrada ao Programa de Tecnologia de Habitação (Programa Habitare), a pesquisa busca a produção de moradias populares de qualidade, com redução de custos.

O projeto desenvolvido junto ao Grupo Interdisciplinar de Estudos de Madeira (GIEM), ligado ao Departamento de Engenharia Civil da UFSC, permitiu a concepção de três propostas para habitação de interesse social, aplicando princípios de coordenação modular e do sistema plataforma. A sistemática prevê uma trama estrutural composta por peças de madeira maciça, com enrijecimento dessa “ossatura” com painéis estruturais em compensado ou OSB. O grupo desenvolve pesquisas que visam à aplicação racional e responsável das madeiras, em especial de espécies de florestas plantadas, como os pinus e os eucaliptos.

Painéis
A proposta da UFSC é baseada em painéis de 120 cm × 240 cm, podendo ser usado também meio painel de 60 cm × 240 cm. São três módulos básicos que podem ser combinados: painel cego ou fechado, painel porta e painel janela. Todos atendem a critérios estipulados pela coordenação modular, metodologia que organiza as dimensões da construção por estabelecer uma medida de referência. No Brasil a norma técnica estabelece o módulo 10 centímetros.

Levando em conta estes padrões, a tecnologia desenvolvida pela UFSC proporciona organização da construção, redução de desperdícios de materiais e, consequentemente, de custos. A aplicação dos painéis de acordo com os critérios de coordenação modular também proporciona flexibilidade à moradia, permitindo sua expansão de acordo com a necessidade das famílias. A utilização do módulo padronizado ainda permite a combinação com outros sistemas construtivos.

Controle de qualidade
“A implantação desse processo industrializado apresenta ganhos econômicos por padronizar os elementos fabricados e aumentar a produção, proporcionando simplicidade de montagem. Também promove melhor controle de qualidade”, explica a mestranda Luciana da Rosa Espíndola, que trabalha com a madeira de florestas plantadas em sua pós-graduação.

“As três propostas de habitações demonstraram a flexibilidade que os painéis modulares permitem para alterar seus posicionamentos e compor novos espaços com rearranjos e expansões da edificação”, complementa a professora Poliana Dias de Moraes, orientadora dos estudos.

Ela lembra que um dos motivos da estagnação da indústria brasileira de construção de moradias em madeira é a baixa qualidade do produto ofertado ao consumidor. “A situação da indústria brasileira de construção de habitações em madeira está defasada. Sua infra-estrutura e seus equipamentos estão obsoletos e não acompanham o progresso tecnológico apresentado pelos países mais desenvolvidos”, descrevem orientadora e mestranda em artigos apresentados no Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído (Entac) e no Encontro Brasileiro em Madeiras e em Estruturas de Madeira (Ebramem).

Desafios
Os estudos alertam que para proporcionar a modernização do setor de construção em madeira há necessidade de revisão das técnicas, processos e sistemas construtivos oferecidos atualmente no mercado. As primeiras fases da pesquisa desenvolvida na UFSC já permitiram estudos sobre estes pontos. Nas próximas etapas será analisada a conectividade do Sistema Plataforma com os projetos elétrico e hidrosanitário. Também será avaliada sua combinação com outros sistemas construtivos e elaborado um guia com soluções de conexões. Está também previsto um estudo de viabilidade econômica, que ajudará a mensurar as vantagens de aplicação da tecnologia.

O projeto está integrado à rede de pesquisa ´Desenvolvimento e difusão de tecnologias construtivas para a habitação de interesse social/Coordenação Modular`, apoiada no sétimo Edital do Programa Habitare.

Mais informações:
Luciana da Rosa Espíndola
Grupo Interdisciplinar de Estudos em Madeira/UFSC
(48) 3721.8540 / e-mail: luciana.esp@ig.com.br

Poliana Dias de Moraes
Orientadora
Grupo Interdisciplinar de Estudos em Madeira/UFSC
(48) 3721.5175 / e-mail: ecv1pdm@ecv.ufsc.br

Leia também:
Uso da madeira de florestas plantadas pode ser direcionado à contenção do efeito estufa

Na construção Civil, a opção por trabalhar com a madeira de florestas plantadas leva em conta que esse é um material renovável – fator de peso em uma indústria responsável pela extração de grande parte das matérias-primas naturais do planeta. O uso de espécies como o pinus e o eucalipto (comercialmente mais comuns entre as madeiras de florestas plantadas) é também considerado ambientalmente correto porque ao invés de gerar gás carbônico, é capaz de colaborar com a retirada desse gás da atmosfera.

“Um metro cúbico de madeira estoca uma tonelada de carbono”, exemplifica o professor Carlos Alberto Szücs, coordenador do Grupo Interdisciplinar de Estudos da Madeira (GIEM), ligado ao Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Ele lembra que é na formação da madeira que se dá a captura do dióxido de carbono (CO2) – é o chamado seqüestro de carbono, conceito consagrado pela Conferência de Kyoto com a finalidade de conter e reverter o acúmulo de CO2 na atmosfera, para colaborar com a redução do efeito estufa.

“Sabemos, pelo conhecimento científico da formação do material madeira, que é no processo fisiológico de crescimento das árvores, no momento da fotossíntese, que se dá a captura do dióxido de carbono (CO2). Sabemos também que é na formação do tecido lenhoso que esse carbono fica seqüestrado”, explica o professor. Por esse motivo, é preciso encontrar maneiras de armazenar o carbono em longo prazo, fazendo tratamento adequado da madeira para produção de bens duráveis, como devem ser as moradias. Se a madeira apodrece ou queima, volta ao ciclo do carbono.

Com conquistas como o aprimoramento da tecnologia de Madeira Laminada Colada e estruturação de um conceituado laboratório de estudos em madeira, o professor lamenta que o uso desse material ainda seja restrito no País. Ele critica também a inexistência de incentivos fiscais às construções em madeira. “A construção em madeira de florestas plantadas deveria ser reconhecida como crédito de carbono estocado”, considera, complementando: “E deveria ser recompensado na forma de incentivos a esse sistema construtivo, pois mesmo que um dia, após ter cumprido a sua função por tempo prolongado, e de ter sido inclusive reutilizada, a madeira chegar a se decompor, e o carbono retornar à atmosfera, sabe-se que ele poderá ser capturado e seqüestrado por outra árvore, entrando em um ciclo de equilíbrio ambiental”.

spot_img
spot_img