16.6 C
fpolis
sexta-feira, setembro 24, 2021
cinesytem

Segundo pesquisa, empresas brasileiras migraram para o digital durante pandemia

spot_img

Segundo pesquisa, empresas brasileiras migraram para o digital durante pandemia

spot_img

São Paulo – SP 30/7/2021 – Para mais da metade dos participantes da pesquisa, uma das vantagens oferecidas pelo formato on-line é a possibilidade de que um público novo seja alcançado

Estudo realizado pelo Serasa Experian indica que 73,4% das micro, pequenas e médias empresas do país contam com a tecnologia para conquistar mais visibilidade junto aos consumidores

Para muitas empresas brasileiras, o investimento no formato digital já é uma realidade há algum tempo. A eclosão da pandemia de Covid-19, no entanto, fez com que esta tendência se tornasse uma necessidade: hoje a presença no meio digital é um diferencial competitivo e pode apoiar o sucesso de corporações. Da mesma forma, esta conveniência não é descartada por empreendedores atentos ao mercado.

De acordo com pesquisa realizada pelo Serasa Experian, 73,4% das micro, pequenas e médias empresas do país estão apostando na internet para impulsionar as vendas. Para 72% dos entrevistados, as redes sociais aparecem como canais favoritos para conquistar novos clientes, com ênfase nas vendas via WhatsApp.

Para mais da metade dos participantes da pesquisa, uma das vantagens oferecidas pelo formato on-line é a possibilidade de que um público novo seja alcançado. Na sequência, são citadas “visibilidade para a empresa” (44,8%) e “atingir novas regiões para vendas” (34,5%) como possibilidades atraentes oferecidas em negócios realizados por meio digital.

Digital como aliado

Diante do atual cenário de pandemia, que enfatiza o digital e demonstra suas vantagens diariamente, cria-se um novo conceito. A “Digital Native Vertical Brand” surgiu há poucos anos e é ainda recente no Brasil. O conceito de marca nativa digital, criada pelo americano Andy Dunn, CEO da marca de roupas Bonobos. De modo geral, pode-se dizer que as DNVBs são marcas que nascem no meio digital e se estendem para o off-line por meio de varejo físico com experimentação, bem como com parcerias exclusivas com grandes varejistas.

Além disso, o formato dá atenção ao intangível: “As DNVBs têm como foco oferecer experiências boas e memoráveis para os clientes, e não apenas um produto ou serviço”, explica André Lopes, diretor da Capila Care, que abriu seu e-commerce antes de ter uma loja física, que nem mesmo está nos planos da marca.

“Quando olhamos para este mercado, estamos falando de uma geração de marcas que buscam proporcionar identificação e conexão com o público-alvo, mesmo à distância. Para isso, é feito um trabalho aprofundado de construção de marca, considerando a essência e o posicionamento que será seguido”, prossegue Lopes.

O empreendedor explica que o posicionamento da marca é “totalmente digital”, tendo o e-commerce como a principal fonte de vendas. “Fundamos a marca em 2019, acreditando nesta tendência, que vem se provando efetiva”. Além disso, as redes sociais da empresa têm por objetivo atuar como um amplificador para a comunicação com os clientes.

Para saber mais sobre a Capila Care, basta acessar: www.capila.com.br

Website: http://www.capila.com.br

spot_img
spot_img

Leia mais