17.8 C
fpolis
quinta-feira, dezembro 9, 2021
cinesytem

Agentes do Riso voltam a realizar visitas semanais ao Hospital Infantil Joana de Gusmão

spot_imgspot_img

Agentes do Riso voltam a realizar visitas semanais ao Hospital Infantil Joana de Gusmão

spot_img

Os (A)Gentes do Riso voltam a visitar o Hospital Infantil Joana de Gusmão no mês de junho. Os palhaços-doutores especialistas em fazer rir retomam os “atendimentos” na unidade hospitalar. O projeto (A)Gentes de Riso existe de 2011.

A divertida junta médica é composta pelo Dr. Amanito Matutino (Khalid Prestes), Dr. Boró (Márcio Momesso), Dr. Cassildo (Cassiano Vedana), Dra. Esmeralda (Débora de Matos), Dra. Flor (Gabriela Leite), Dra Gretta Panschetta (Greice Miotello), Dr. Guimba (Marcos de Oliveira), Dr. Jubi (Egon Seidler), Dra. Lynda Collapso (Rhaisa Muniz), Dra. Malagueta (Paula Bittencourt), Dr. Pamplino (Alex de Souza) e Dra. Pituca da Rosa (Ana Paula Grigoli).

Todos são atores profissionais e recebem treinamento específico para atuar com excelência dentro do ambiente hospitalar.

Os (A)Gentes do Riso realizam intervenções artísticas no Hospital Infantil há três anos e ao longo desse período têm proporcionado aos pacientes experiências positivas e significantes do ponto de vista clínico.

As intervenções cênicas realizadas no Joana Gusmão são pensadas levando em conta um público variado, composto de crianças e adultos.

A partir de junho de 2014, as visitas no Joana de Gusmão serão semanais e seguem até novembro. No total, serão 30 “atendimentos” patrocinados pelo município de Florianópolis por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes, com apoio cultural da Unimed Grande Florianópolis. A realização é da Traço Cia de Teatro e a produção da Harmônica Arte e Entretenimento.

No início deste ano, entre fevereiro e março, visitas semanais foram feitas com recursos provenientes de doações.

(A)Gentes do Riso

Entre as décadas de 1980 e 1990, artistas em diferentes regiões do planeta iniciam práticas solidárias de levar palhaços a atuarem em locais onde as pessoas encontram-se desprovidas de seus direitos mais elementares. Em diversos cantos do planeta, artistas se mobilizam, cada uma a sua maneira, movidos por um desejo comum: defender o riso como catalisador na recuperação física e psíquica de pessoas envolvidas em situações-limite e, ao mesmo tempo, divulgar as artes circenses, em especial a palhaçaria, nos locais onde atuam.

No Brasil, essa prática foi introduzida por Wellington Nogueira no início da década de 1990, com o projeto Doutores da Alegria. Desde então, a presença do palhaço nos hospitais infantis tem sido um procedimento recorrente nas principais capitais do país.

Em Florianópolis, a Traço Cia. de Teatro deu início ao projeto (A)Gentes do Riso em 2011, com intervenções cênicas no Hospital Infantil Joana de Gusmão, Florianópolis. A companhia, que já pesquisava há dez anos a técnica do palhaço, convidou outros artistas catarinenses para o trabalho e, desde então, os profissionais recebem treinamento continuado, com supervisão pedagógica de Esio Magalhães. Trata-se de uma ação que comprovadamente traz benefícios ao tratamento e à humanização do ambiente hospitalar.

spot_img
spot_img