23.3 C
fpolis
sexta-feira, dezembro 3, 2021
cinesytem

Cresce a intenção de consumo em Santa Catarina

spot_imgspot_img

Cresce a intenção de consumo em Santa Catarina

spot_img

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) aumentou em Santa Catarina no mês de maio. Na comparação com abril, a alta foi de 2,2 pontos percentuais. Crescimento expressivo também na comparação anual (11%). Assim, a ICF alcançou neste mês o elevado patamar de 146,5 pontos (a escala vai de 0 a 200 pontos). Destaque para os bens duráveis como os carros e imóveis, que se encontram em bom momento.

Os três subíndices que medem a situação atual apresentaram em maio expressivas taxas de crescimento, tanto na comparação mensal quanto na variação anual.

O ‘emprego atual’ cresceu 1,6% no mês, e 18,9% em relação ao mesmo período do ano passado, chegando aos 154,9 pontos. A ‘renda atual’ aumentou 1,2% e 11,7%, no mês e ao ano, respectivamente. Aqui o patamar atingido foi de 157,6 pontos. E o ‘nível de consumo atual’ teve incremento de 4,3% neste mês e de 13,3% na comparação anual, o que levou o indicador aos 113,1 pontos.

O subíndice ‘acesso ao crédito’, que no final do ano passado estava em patamar reduzido, apresentou forte recuperação e atingiu os 159,1 pontos em maio. Crescimento mensal de 3,7% e anual 1,3%.

O momento continua sendo bastante favorável para os bens duráveis. O indicador pelo qual estes bens são medidos é o maior dentro da ICF de Santa Catarina em maio. Está na elevada casa dos 180,2 pontos. Com crescimento mensal de 0,4% e anual de 3,9%.

O indicador que aponta para as perspectivas mostra um futuro favorável ao consumo. O item ‘perspectiva de consumo’ segue seu crescimento constante e registra alta também em maio: de 9,8%. Além do crescimento anual de 23,6%, que o fez alcançar os elevados 156,1 pontos.

A ‘perspectiva profissional’ foi o único indicador da ICF que apresentou situação desfavorável. Houve queda mensal de 6,9% em maio, que levou o subíndice aos 104,6 pontos.

Este movimento contrário ao restante dos itens tem relação direta com a falta de mão de obra qualificada, que faz com que os empregados muitas vezes não consigam ascender dentro da estrutura das empresas. Apesar disso, na variação anual, a ‘perspectiva profissional’ continua em alta: de 9,2%.


Foto: www.fecomercio-sc.com.br

spot_img
spot_img