23.3 C
fpolis
sexta-feira, dezembro 3, 2021
cinesytem

Florianópolis é a quarta cidade que mais sediou eventos internacionais

spot_imgspot_img

Florianópolis é a quarta cidade que mais sediou eventos internacionais

spot_img

Capital catarinense realizou 13 eventos em 2009 e consolida-se no ranking anual divulgado pela ICCA, a mais importante entidade mundial do setor.

A ICCA (Associação Internacional de Congressos e Convenções) acaba de divulgar a lista das cidades que mais receberam eventos internacionais em 2009. O Brasil ocupa o 7º lugar no ranking mundial e realizou 293 eventos internacionais no ano passado.

De acordo com dados consolidados pelo estudo da ICCA, o Brasil cresceu 15,4% enquanto o total de eventos realizados no mundo cresceu 10,8%. O País vem se consolidando como o primeiro e único país latino-americano a figurar entre os TOP 10 do ranking da ICCA, desde 2006.

Florianópolis é a quarta cidade que mais sediou eventos internacionais no Brasil e ocupa a 28ª posição no ranking de todas as Américas. No ano passado foram realizados 13 eventos em Florianópolis, seis a mais que em 2008. No ranking global, Florianópolis está na 114ª posição. Em todo o Estado de Santa Catarina foram realizados 14 eventos. Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Foz do Iguaçu, Recife, Búzios, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte, Gramado, Campinas, Fortaleza e Porto Alegre são as outras cidades brasileiras que entraram no ranking da ICCA, em 2009.

O Brasil se destaca por descentralizar os locais onde foram realizados esses eventos internacionais: em 2009, 48 cidades brasileiras, destacando as regiões Nordeste e Sul, realizaram eventos internacionais, contra 45, em 2008. A lista divulgada pela ICCA contempla as cidades que cumprem as exigências da entidade (eventos itinerantes, com periodicidade fixa e no mínimo 50 participantes).

Para o Ministro do Turismo, Luiz Barretto, “além da colocação do país no ranking, o crescimento contínuo do número de cidades é de grande importância para o Brasil. Quando um lugar recebe um evento internacional, se qualifica para receber esse turista diferenciado, se beneficia da movimentação econômica que o evento provoca.

A descentralização, portanto, ajuda a gerar emprego e renda nas diversas regiões do país. O esforço do Ministério vai justamente neste sentido – qualificar os destinos e ajudar as economias locais, contribuindo para diminuir as desigualdades regionais”. O mesmo estudo revela que o Brasil está em 5º lugar entre os países que mais registraram aumento no número total de eventos realizados no ano passado.

“O desempenho do Brasil é surpreendente, pois além desses números positivos revelados pela ICCA, o País só concorre na captação de cerca de 60% dos eventos, pois existem encontros apenas europeus ou asiáticos, por exemplo”, ressalta Jeanine Pires, presidente da Embratur.

spot_img
spot_img