Florianópolis, 16 de julho de 2024

Relatório aponta causas de deslizamento na SC-401, em Florianópolis

spot_img

Sicoob SC/RS ultrapassa 1,5 milhão de cooperados

O Sicoob SC/RS alcançou em junho 1,5 milhão de...

Vai ter Feira do Rock em Palhoça no final de semana

No mês do rock n’ roll o shopping ViaCatarina...

Com mais de 250 empreendimentos, o Square SC apresenta opção inovadora para as férias da criançada

Empresa Wow Park oferece experiência multissensorial num ambiente inspirador Procurando...

Compartilhe

Atuação do homem somada a fatores naturais teriam provocado o desabamento

Um relatório técnico da Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram) — ligado à Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) — apontou a atuação do homem, somada a diversos fatores naturais, como as causas do deslizamento de uma encosta da rodovia SC-401, em Florianópolis, durante a forte chuva que atingiu a cidade em novembro.

O trabalho foi elaborado pelo mestre em geologia, Lucas Balsini Garcindo. O deslizamento causou a morte do caminhoneiro Ricardo Dias de Oliveira.

Segundo o levantamento do pesquisador, o corte feito na base do morro para a construção da rodovia retirou boa parte do ponto de sustentação da encosta. Sem nenhuma obra de contenção, essa encosta ficou mais suscetível a desabamentos.

A essa alteração feita pelo homem, somaram-se os fatores naturais que resultaram no deslizamento: chuvas intensas com aumento de pressão da água no lençol freático, acentuada declividade da encosta e as características do solo e das rochas.

Rachaduras

O estudo constatou ainda a existência de rachaduras e fissuras no morro exposto pelo deslizamento, o que indica risco de queda de blocos rochosos e mais deslizamentos. De acordo com Garcindo, a movimentação de blocos de terra nos morros de Florianópolis é um fenômeno natural, inerente à dinâmica da paisagem. O excesso de chuvas foi o estopim.

Na avaliação do local, o geólogo percebeu que alguns blocos e rochas foram escorregados da encosta inteiros, sem rolarem, já que ainda apresentavam vegetação de bromélia na superfície após o deslizamento.

O pesquisador explica que o maior vilão não foi o deslizamento em si, mas sim o fluxo de lama que veio o seguida. Essa lama desce com com capacidade para carregar tudo o que encontra pelo caminho, inclusive rochas, árvores e até construções.

Risco em outros locais

Garcindo alerta para o risco de desabamento em outros pontos elevados da Ilha de Santa Catarina, habitados de maneira desordenada — como é o caso dos morros da Caixa e do Mocotó, na região central de Florianópolis.

Segundo o pesquisador, estes locais são áreas de acentuada declividade, intensamente desmatadas e com rochas “apodrecidas” suscetíveis a eventos deste tipo. O relatório também aponta para a necessidade de construção de muros de contenção nas encostas.

No infográfico, entenda como acontece um deslizamento: