12.4 C
fpolis
sexta-feira, maio 20, 2022
Cinesystem Villa Romana Shopping

Capital catarinense sedia reunião nacional pela infância

spot_img

Capital catarinense sedia reunião nacional pela infância

spot_imgspot_img
Florianópolis é exemplo nacional nesta área

Pela segunda vez, Florianópolis sedia a reunião nacional da EBBS – Estratégia Brasileirinhos e Brasileirinhas Saudáveis -, do Ministério da Saúde. A iniciativa visa promover e monitorar ações de integração intersetorial e qualificação do cuidado de crianças de 0-6 anos em seis municípios piloto – Florianópolis, Rio de Janeiro, Rio Branco, Campo Grande e as cidades pernambucanas de Araripina e Santa Filomena. “A capital catarinense foi a escolhida pelo excelente trabalho que vem desenvolvendo no cuidado à saúde da criança”, ressaltou a criadora da EBBS, Liliane Penello.

Foram apresentadas algumas experiências municipais de integração entre saúde, educação e assistência social envolvendo equipes locais de atenção primária (Equipes de Saúde da Família – ESF e Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF). Para o coordenador de Saúde da Criança do Ministério da Saúde, Paulo Bonilha, estas é uma questão que deve merecer tratamento prioritário em todas as esferas de gestão.

A EBBS tem como objetivo final identificar práticas bem sucedidas de promoção de saúde na primeira infância que possam oferecer subsídios para a definição de uma política pública integrada para a primeira infância no Brasil, com ênfase na articulação entre setores e na qualificação das relações de cuidado.

Florianópolis

Durante o encontro foram apresentados dois projetos pioneiros desenvolvidos pela Secretaria da Saúde da capital catarinense. O Floripa Saudável 2040, de promoção de saúde cardiovascular nas creches já está em funcionamento no CS Lagoa há seis anos. Já a Creche Amiga da Amamentação, de promoção de aleitamento materno nestas instituições está sendo expandidos este ano para os cinco distritos sanitários. “É sempre bom destacar que Florianópolis foi a primeira capital do Brasil a apresentar um índice de mortalidade infantil na casa de um dígito”, frisou o titular da pasta no município, João Candido da Silva.

Outra experiência apresentada foi a que vem sendo desenvolvida por um grupo terapêutico formado por pediatra e psicóloga do NASF, Eles atuam junto com a equipe de trabalhadores da creche Caetana Marcelina Dias, do Alto Ribeirão, desde 2009. “Ações como esta terão sempre o nosso apoio para se desenvolverem”, garantiu o secretário.

A integração entre centros de saúde e CRAS – Centros de Referência de Assistência Social – tem sido construída ao mesmo tempo no nível local e municipal. No Distrito Sanitário Centro, as assistentes sociais do CRAS e do NASF têm feito discussões de caso e trabalham no desenho de um fluxo de encaminhamentos e divisão de tarefas no apoio às famílias, que será oferecido como proposta para todo o município. Ao mesmo tempo, os territórios de referência dos CRAS foram redefinidos a partir dos mapas da saúde, para garantir referências definidas entre as equipes de saúde e assistência social.

  • Texto base de autoria do Médico Jorge Zepeda, da SMS

spot_img