20.7 C
fpolis
sexta-feira, dezembro 3, 2021
cinesytem

Comissão Estadual da Verdade realiza última audiência pública na próxima segunda-feira em Florianópolis

spot_imgspot_img

Comissão Estadual da Verdade realiza última audiência pública na próxima segunda-feira em Florianópolis

spot_img

A Comissão Estadual da Verdade Paulo Stuart Wright (CEV) realizará, na próxima segunda-feira, 30, audiência pública para coletar depoimentos de vítimas e familiares de vítimas que sofreram violação dos direitos humanos durante a ditadura militar. O encontro ocorre na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), em Florianópolis, às 16h. Esta é a última audiência pública da CEV antes da apresentação do relatório estadual à Comissão Nacional da Verdade (CNV). As informações são da Assessoria de Comunicação do Governo do Estado. 

Foram convidados a participar da audiência pelo menos oito pessoas, entre elas o ex-banqueiro Erico Szpogamicz, preso em 1964; o ex-prefeito de Florianópolis, Sérgio Grando; o jornalista Nelson Rolim, enquadrado na Lei de Segurança Nacional; e o ex-prefeito de Gravatal, João Manoel Fernandez, conhecido como João Rouco, militante de esquerda que lutou contra a ditadura e participou de ações armadas. O ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, também acompanhará a audiência pública.

A comissão catarinense foi criada em 2013 para auxiliar a Comissão Nacional da Verdade (CNV). Desde o início foram realizadas audiências públicas, oitivas e reuniões para auxiliar no trabalho de investigação de denúncias de violações de direitos humanos em Santa Catarina durante o regime militar. Todo o trabalho será apresentado em relatório que a comissão catarinense deve enviar à comissão nacional nas próximas semanas.

Segundo o coordenador da CEV, Anselmo Machado, o relatório está dividido entre os membros e conta com itens importantes como a catalogação e apresentação de nomes, mapeamento de locais de tortura e prisão, apresentação dos trabalhos feitos e base legislativa. “É um trabalho demorado, pois são mais de 630 pessoas e cada uma com um caso diferente”, afirma Machado. Todo o acervo documental e de multimídia resultante da conclusão dos trabalhos será encaminhado ao Arquivo Público do Estado e ao Arquivo Nacional para integrar o Projeto Memórias Reveladas.
 

spot_img
spot_img