Florianópolis, 18 de julho de 2024

ENGIE Brasil Energia registra aumento de 23,8% no lucro líquido ajustado em 2023

spot_img

Senna, minissérie produzida pela Gullane, estreia na Netflix em 29 de novembro

Protagonizada por Gabriel Leone, superprodução sobre a vida e...

Crédito rural e a sustentabilidade no agronegócio brasileiro

Manter o fluxo de crédito é essencial para modernizar...

Pesquisa e especialização de profissionais são essenciais para avanço da Saúde  

Cursos de Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação...

CredCrea celebra 20 anos com retomada do tradicional Costelão CredCrea

Cooperativa de crédito de Florianópolis fundada por engenheiros e...

Compartilhe

Em comparação ao ano anterior, Ebitda ajustado teve aumento de 4,7% e fechou o ano em R$ 7,270 bilhões

A ENGIE Brasil Energia (EGIE3), que tem sede em Florianópolis, registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,421 bilhões no ano de 2023, crescimento de 23,8% quando comparado a 2022, em razão do maior resultado de participação societária na TAG, da maior participação do segmento de transmissão e pela recuperação de custos relativos à repactuação do risco hidrológico, atenuada pela menor contribuição do segmento de geração, devido à venda da UTE Pampa Sul, além da melhora no resultado financeiro líquido entre os períodos.

O Ebitda ajustado foi de R$ 7,270 bilhões, aumento de 4,7%. Considerando os efeitos não recorrentes de impairment líquido, alienação de subsidiária e indenização de seguros, o Ebitda aumentou R$ 495 milhões (7,3%) entre os anos, passando de R$ 6,790 bilhões em 2022 para R$ 7,285 bilhões em 2023.

Os resultados refletem as conquistas de 2023, que marcará a história da ENGIE como o ano no qual foi concluída com sucesso a saída das operações a carvão. “Após investir mais de R$ 22 bilhões na expansão em renováveis e transmissão, nos últimos oito anos, fomos alçados à posição de maior gerador 100% renovável do país e não pretendemos parar. São números impressionantes: de 3,7 GW de capacidade de geração hidrotérmica, em 1998, para 8,3 GW de capacidade de instalada própria, 100% renovável e com ampla diversificação de fontes”, comenta Eduardo Sattamini, Diretor-Presidente da ENGIE Brasil Energia.

Receita e comercialização de energia

A receita operacional líquida atingiu R$ 10,748 bilhões em 2023, 9,7% abaixo do montante apurado em 2022. Essa variação foi reflexo, principalmente, da redução na receita com contratos de venda de energia nos ambientes regulado e livre, resultado da combinação das variações de quantidade de energia vendida e do preço médio líquido de vendas. Ainda, queda nos segmentos de transmissão e trading. Esses efeitos foram parcialmente atenuados pelo acréscimo nas transações realizadas no mercado de curto prazo.

O preço médio dos contratos de venda de energia, líquido dos tributos sobre a receita e das operações de trading, foi de R$ 226,42/MWh em 2023, valor 1,6% superior ao praticado em 2022. “Seguimos com a estratégia de comercialização gradativa da energia disponível, de forma a mitigar o risco de exposição ao preço spot”, indica Sattamini.

No acumulado do ano, os consumidores livres (com exceção de CCEE e outras receitas) representaram 41,4% das vendas físicas, aumento de 0,3 p.p., e 37,2% da receita operacional líquida, 0,2 p.p. menor quando comparado a 2022. A estabilidade da participação dos consumidores livres se deve ao menor volume de compras e consequente menor volume disponível para venda a esse nicho de mercado.

“A abertura do Mercado Livre de Energia para empresas conectadas à rede de média e alta tensão, a partir de janeiro de 2024, reforçará nosso propósito, permitindo contribuir com a descarbonização de um número cada vez maior de clientes. Confiante na expansão desse mercado, cujo consumo cresceu 10% em 2023, a Companhia mantém seu ritmo de investimentos, atenta ao cenário setorial, o qual tem evidenciado a necessidade de ajustes regulatórios em nosso ambiente de negócios”, conclui.

ESG

A ENGIE Brasil Energia permanece integrando o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) – pelo 19º ano consecutivo, atingindo o 5° lugar geral e a melhor colocação entre as empresas do setor elétrico – e o Índice de Carbono Eficiente (ICO2), pelo quarto ano seguido, ambos da B3. A Companhia ainda foi listada, pela primeira vez, no S&P Global Sustainability Yearbook 2024, no setor de Electric Utilities. Dentre as 199 empresas do setor elétrico mundial avaliadas, apenas 24 compõem a publicação (12% do total).

Outro destaque do período é o avanço de “B” para a classificação “A-” no CDP Climate Change 2023, em seu segundo reporte individual realizado. O questionário de mudanças climáticas avalia aspectos como governança, estratégia e gestão de riscos e oportunidades.  

No que tange à governança, a ENGIE recebeu o Selo Pró-Ética 2022- 2023, oferecido pela Controladoria-Geral da União (CGU) em parceria com Instituto Ethos, em reconhecimento às empresas que adotam boas práticas de ética, transparência e integridade na gestão de seus negócios.