15.6 C
fpolis
quarta-feira, setembro 22, 2021
cinesytem

Floram já recolheu cerca de 500 árvores derrubadas pelo ciclone em Florianópolis

spot_img

Floram já recolheu cerca de 500 árvores derrubadas pelo ciclone em Florianópolis

spot_img

O rastro de destruição que deixou o ciclone nos primeiros dias do mês ainda pode ser visto em algumas localidades de Florianópolis. O Departamento de Praças e Arborização Pública recolheu do dia seguinte ao evento até a manha desta terça-feira, 13, cerca de 500 árvores.  Centenas de espécies foram arrancadas devido a força da ventania. Somente no Sul da Ilha mais de 300 (trezentas) árvores foram arrancadas. 

De acordo com o Diretor Geral da Fundação Municipal de Meio Ambiente (FLORAM), "as rajadas que chegaram a 100 km/h, causaram um mar de destruição jamais visto na Ilha de Santa Catarina. Estamos recolhendo troncos de árvores, galhos, raízes inteiras, e todo material segue para compostagem".

A Fundação trabalha ao lado do Corpo de Bombeiros e Defesa Cívil na reparação dos estragos. Como medida de precaução após o ciclone, o Parque Ecológico do Córrego Grande chegou a ser fechado. Houve danos na fiação elétrica na sede da Diretoria de Licenciamento e o local só voltou a ser reaberto para atendimento ao público há poucos dias. 

A direção da Floram alerta para possíveis ciclones durante a temporada: "O município passou nos últimos 60 (sessenta dias) por dois ciclones que destelharam casas, escolas, creches, e a possibilidade de voltar a acontecer nunca está descartada. Portanto, o recomendado ao munícipe e ao turista é que ao sair de casa, nunca deixe nada ligado, as janelas sejam fechadas e os animais guarnecidos em local apropriado, se possível distante de árvores", orienta o Diretor Superintendente, d. Volnei Carlin. 

Conforme dados divulgados pela Defesa Civil, nos dias de vento forte, residentes que deixaram janelas abertas, ao voltarem notaram que estavam destruídas. Aos pescadores o conselho é que não saiam para pescar antes de ter conhecimento da previsão do tempo, dependendo da força do ciclone, as ondas podem chegar a quatro metros e a navegação não é aconselhada. 

As informações são da Secretaria de Comunicação da Prefeitura da Capital. 

spot_img
spot_img

Leia mais