21.9 C
fpolis
quarta-feira, outubro 27, 2021
cinesytem

Jeferson Branco lança Pangëa em defesa das pedras brasileiras

spot_img

Jeferson Branco lança Pangëa em defesa das pedras brasileiras

spot_img

Arquiteto que protagonizou as rochas ornamentais no projeto do seu comentado Estúdio Manifesto na CASACOR Florianópolis SC 2021 lança coleção de mesas com tampos de pedras nacionais majoritariamente exportadas. Jeferson Branco defende a causa contra extração desenfreada de recursos naturais brasileiros e quer que as belezas do nosso solo se mantenham ao alcance dos projetos de designs no Brasil.

“Um throwback há 335 milhões de anos inspira a coleção Pangea.O movimento divergente começa a acontecer no período que dá nomea coleção, fazendo com que as placas tectônicas se afastem umas das outras,formando fendas e rachaduras na crosta terrestre.As mesas da coleção PANGËA são geometricamente pensadas como resultante desse fenômeno.Únicas, contemporâneas e exclusivamente em rochas brasileiras”.Pangëa by jeferson Branco

              O arquiteto Jeferson Branco apresenta ao mercado a coleção autoral Pangëa e, mais que desenhar e produzir com exclusividade mesas com tampos de pedras ornamentais, o arquiteto quer levantar o debate sobre a causa da exportação majoritária de exemplares de pedras brasileiras. O Brasil é o 5° maior exportador de rochas ornamentais do Mundo e dados de pesquisa recém lançada pelo Centro Brasileiro de Exportadores de Rochas Ornamentais apontaram um crescimento de 43,83% no faturamento com esse comércio no primeiro semestre de 2021 em relação ao mesmo período de 2020. A causa contra a extração desenfreada dos recursos naturais brasileiros permeia os descontentamentos de Jeferson Branco há um tempo e, por isso, ele levou a questão ao Estúdio Manifesto que assinou na CASACOR Florianópolis 2021. Batizada de “Meu.coração.queima”, a arrebatadora kitnet de 51m² que transbordou brasilidade e nostalgia de casa de vó entre plantas, filtro de barro e rede de palha, trouxe com destaque no mobiliário placas e tampos de pedras genuinamente brasileiras, as quais deram origem ao projeto Pangëa.  

              “Não somos mais colônia, precisamos parar de mandar para fora do país as nossas riquezas e belezas naturais”, diz Jeferson sobre o tema, indignação que ele expôs no seu projeto na CASACOR SC e agora chancela nos tampos de suas mesas personalizadas. A matéria prima doa peças são as rochas Red Fire, extraída em Montes Claros, Minas Gerais, e a Cocadablú, extraída na região de Novo Horizonte, na Bahia, ambas com quase 100% das extrações enviadas para EUA e Asia.

Exclusivas e atemporais

                Um fenômeno que aconteceu há 335 milhões de anos inspira a coleção de mesas com tampos que defendem a futura extinção de rochas ornamentais no Brasil. Contemporaneidade mesclando passado e futuro define como atemporais as peças desenvolvidas por Jeferson Branco, as quais serão comercializadas principalmente sob encomenda. “Cada cliente poderá escolher a pedra e então desenho a peça com exclusividade, cada uma com a sua história e peculiaridades”, resume o arquiteto sobre o método de criação dos tampos que são geometricamente pensados como resultante do throwback de 335 milhões que dividiu o que era Pangëa nos continentes da Terra.

                Acredita-se que o uso de pedras ornamentais na arquitetura tenha começado no antigo Egito, há quase 5.000 anos, na construção de túmulos de faraós e de pirâmides, mas antes disso, as cavernas de pedras eram as casas que abrigaram os primeiros de nossa espécie. “Tem-se notícias da utilização das rochas desde os primórdios da humanidade e de que essa conexão do homem com a pedra se estendeu por todas as civilizações conhecidas com funções importantes. Hoje ainda é um material rico em possibilidades de formatação e utilização, mas, sobretudo, rico em história. Então por que não deixar no Brasil as nossas rochas com toda a sua beleza fruto da metamorfose de milênios?” indaga Jeferson sobre a importância que dá à sua matéria prima.

                 As mesas Pangëa são exclusivas no recorte de seu tampo, que tem em média 50 cm x 50 cm, e na cor do fragmento da pedra extraída, e cada uma é única na natureza. Elas tem pé cônico em aço carbono preto, e podem menir 50 cm ou 70 cm de altura.

       Informações e vendas em @jefersonbranco
Sobre Jeferson Branco | @jefersonbranco

               Aos 27 anos Jeferson Branco participou em 2021 da sua segunda CASACOR SC e sua passagem por um dos principais eventos de design e decoração do Brasil foi notada. Público e crítica vibraram com seu estúdio manifesto em tom terroso que marcou inovação na paleta da mostra nesta edição. A primeira participação na mostra, ainda estudante, foi como prêmio pelo primeiro lugar num concurso nacional de novos talentos da DECA onde apresentou um projeto de banheiro público sem gênero.

                Arquiteto e urbanista desde 2018 pela UNIVALI de Balneário Camboriú, Santa Catarina, ele também recebeu menção honrosa no concurso ProjetEEE, do Ministério do Meio Ambiente, que buscava soluções passivas de conforto térmico e acústico em diferentes climas pelo Brasil. Em 2015 através do Programa Ciência Sem Fronteiras, cursou dois semestres da faculdade na Califórnia Baptist University, em Riverside, Califórnia (EUA), e estagiou no escritório D-Scheme Studio, em San Francisco, por quatro meses.   De volta ao Brasil, começou como estagiário e, em três anos de casa, estava envolvido na gestão de projetos na Inbrasul Empreendimentos, em Navegantes/SC, onde participou da criação de fachadas, interiores e áreas de lazer. Daí, foi empreender.

                Irrequieto, Jeferson escreveu as pesquisas “Hospitalidade Espacial na Hotelaria de Balneário Camboriú” publicada em 2013, e “Investigação Acerca da Lógica Projetual em Projetos Arquitetônicos que Utilizaram Modelagem Paramétrica” publicada em 2017. Foi Monitor no LACA – Laboratório de Conforto Ambiental em 2014 e contribuiu na organização do XIIV ENCAC – Encontro Nacional de Conforto no Ambiente Construído e do X ELACAC – Encontro Latino-Americano de Conforto no Ambiente Construído, em 2018.

               Atualmente, é fundador do escritório Jeferson Branco Arquitetura que tem sede em Itajaí, e atende clientes em SC, SP e EUA.

editor.deolhonailhahttp://www.deolhonailha.com.br
O DeOlhoNaIlha é um portal de propriedade da NacionalVOX - Agência Digital, de Florianópolis. Seu lema é "Fique por dentro de Floripa" e seu objetivo é deixar os moradores e visitantes da Ilha da Magia muito bem informados sobre tudo o que acontece na cidade e região.
spot_img
spot_img

Leia mais