19.6 C
fpolis
sábado, novembro 27, 2021
cinesytem

Maestro João Carlos Martins conta sua história na Convenção Nacional do Comércio

spot_img

Maestro João Carlos Martins conta sua história na Convenção Nacional do Comércio

spot_img

Considerado uma lenda viva, músico será um dos palestrantes do evento entre 26 e 29 de setembro em Florianópolis

Quando se viu obrigado a abandonar as teclas do piano, companheiro por mais de 50 anos em espetáculos que o tornaram um dos maiores concertistas do mundo, João Carlos Martins precisou superar a falta de movimento nas mãos e reinventar-se como artista. Aos 63 anos, começou a ter aulas de regência e voltou como maestro aos palcos do Carnegie Hall, em Nova York. Hoje, aos 70 anos, sua vocação para a música é tão reconhecida quanto sua determinação para superar as adversidades.

Considerado uma lenda viva e exemplo de superação, João Carlos Martins vem a Florianópolis no próximo dia 29 de setembro para contar a sua história na 51ª Convenção Nacional do Comércio Lojista. A palestra será realizada às 11h30, no Centrosul, e promete não só emocionar, mas levar motivação a varejistas de todo o país. Pela deficiência nas mãos, não consegue usar a batuta, limitação que o impede também de virar as páginas da partitura. Todas as músicas precisam ser decoradas – nos últimos anos foram mais de 10 mil.

Consagrado como um dos maiores pianistas intérpretes do compositor alemão Johann Sebastian Bach, como regente é responsável pela Bachiana Filarmônica e Bachiana Jovem, orquestras formadas com músicos da periferia de São Paulo. Em 2009, o maestro e pianista conseguiu tocar pela primeira vez em oito anos, com a mão esquerda: “toco praticamente com três dedos, mas se ainda consigo chegar ao coração das pessoas, eu digo: porque não?”, ressalta.

A paixão e os percalços – João Carlos Martins ingressou na música clássica ainda criança e aos 20 anos já era reconhecido internacionalmente. Aos 26 começaram os desafios: sofreu uma queda numa partida de futebol comprometendo o movimento da mão direita. Com o tempo adaptou seu modo de tocar e voltou aos concertos. Porém, novamente suas mãos sucumbiram, dessa vez pela Lesão por Esforços Repetitivos. Quando estava recuperando-se, foi agredido durante um assalto perdendo a mobilidade do lado direito do corpo. Mais tarde, um tumor na mão esquerda privou-o do contato com o piano. Longe dos espetáculos, tornou-se empresário do boxeador Eder Jofre que o motivou a não desistir da música. Em 2009, foram 181 concertos como regente.

Serviço

Palestra maestro João Carlos Martins – exemplo de superação

29/9, às 11h30

51ª Convenção Nacional do Comércio Lojista

CentroSul – Florianópolis

spot_img
spot_img