22.1 C
fpolis
quinta-feira, janeiro 27, 2022

Camerata Florianópolis no Teatro Pedro Ivo

Camerata Florianópolis no Teatro Pedro Ivo

spot_img

16 de Outubro de 2009 – 21 h – Teatro Governador Pedro Ivo

Homenagem a Felix Mendelssohn – 200 anos

Camerata Florianópolis

Regência – Jeferson Della Rocca

Sinfonia nº 4 em Lá Maior, “Italiana”, Op. 90

Felix Mendelssohn

Concerto para Violino e Orquestra em Mi menor, Op. 64

Felix Mendelssohn

Solista – Elias Vicente Souza (violino)

Duração: 1:10h – Obras do período romântico


Através deste programa, a Camerata Florianópolis, sob a regência do maestro Jeferson Della Rocca, procura prestar uma homenagem ao grande compositor alemão Felix Mendelssohn Bartholdy, pela data comemorativa dos 200 anos de seu nascimento (1809, em Hamburgo). Filho de um banqueiro, e neto do filósofo Judaico-alemão Moses Mendelssohn, o compositor pertencia a uma família judia notável, mais tarde convertida ao cristianismo.

Diferentemente de diversos compositores de sua época, Mendelssohn pôde se dedicar à musica sem sofrer com problemas financeiros. Cresceu num ambiente de intensa efervescência intelectual, começando a compor aos nove anos. Considerado uma criança pródiga, Mendelssohn iniciou lições de piano com a sua mãe aos seis anos e a partir de 1817 estudou composição com Carl Friedrich Zelter em Berlim. Escreveu e publicou o seu primeiro trabalho aos treze anos. Mais tarde teve aulas de piano do compositor e virtuoso Ignaz Moscheles. Uma paixão não correspondida pela soprano sueca Jenny Lind pode ter contribuído para a morte do compositor alemão. Essa é a tese levantada pela jornalista Jessica Duchen, do jornal The Independent. A tese tem por base um documento depositado nos arquivos da Royal Academy of Music, em Londres: uma declaração do marido de Jenny Lind, Otto Goldschmidt, confessando ter destruído uma carta de Mendelssohn para Jenny, que teria o poder de macular profundamente as reputações de sua mulher e de Mendelssohn. Na carta o compositor teria declarado amor ardente por ela, implorando que ela fugisse com ele para os Estados Unidos e ameaçando suicídio caso ela recusasse. Supõe-se que Jenny, de fato, recusou. Meses depois, Mendelssohn estava morto.

AS OBRAS

A mais célebre das sinfonias de Felix Mendelssohn Bartholdy, a Sinfonia nº 4 em Lá Maior, Op. 90, “Italiana”, foi composta por ocasião da visita do compositor à Itália, em 1830. Na verdade, a partitura só foi completada em 1833, não sendo de admirar que, após três anos de elaboração, o autor tivesse conseguido colocar numa obra complexa como uma sinfonia as impressões daquele país com tanta elegância e bom gosto. Mendelssohn via na Itália a terra da natureza que “distribui felicidade”, afirmando ainda: “Não encontrei a música na arte em si, mas nas ruínas, nas paisagens e na alegria da natureza.” A obra, encomendada pela Sociedade Filarmônica de Londres, estreou sob a regência do compositor a 13 de maio de 1833, com enorme sucesso.

O Concerto Nº 2 para Violino e Orquestra em Mi menor, Op. 64, é, sem dúvida, um dos mais populares concertos para violino. E é, igualmente, um exemplo de como um sentimento “romântico” intenso pode estar perfeitamente combinado à clareza da forma “clássica” e a recursos restritos. Para escrevê-lo, Mendelssohn buscou orientações técnicas com o amigo Ferdinand David, spalla de sua Gewandhaus Orchestra, e a quem o concerto acabou sendo dedicado. David foi também o solista da estréia, a 13 de março de 1845, sob a regência de Niels W. Gade. Contudo, devido a uma grave doença, Mendelssohn acabou impossibilitado de assistir à apresentação, vindo a ouvir seu concerto um mês antes de seu falecimento, em 3 de outubro de 1847, soberbamente executado pelo grande violinista Joseph Joachim.

SOLISTA

Elias Vicente Souza – violino

Natural de Florianópolis, Elias Vicente Souza é considerado um dos mais promissores violinistas de Santa Catarina. Iniciou seus estudos de violino aos nove anos de idade com o professor Ramiro Antônio da Costa e desde 2001 se aperfeiçoa com o professor Marco Damm em Curitiba. Desde 2006 é integrante dos primeiros violinos da Camerata Florianópolis, orquestra com a qual já realizou diversos solos, turnês e gravação de CDs. Participou de diversos cursos, oficinas e master classes com renomados professores, dentre eles Paulo Bosísio, Levon Ambartsumian e Jorge Risi. Realizou importantes trabalhos no campo da música popular, destacando-se o CD com o compositor e violonista Felipe Coelho. Em 2008 foi considerado o “Violinista Destaque” da Oficina de Cordas de Santa Catarina.

Serviço:

Camerata Florianópolis / Jeferson Della Rocca / Elias Vicente Souza

Dia 16 de Outubro, 21h, Sexta-Feira, Teatro Pedro Ivo

Ingressos: R$ 20,00 e 10,00 reais (Estudantes, Idosos, Professores do ensino básico e médio)

Pontos de Venda: sede da Camerata, bilheterias dos teatros do CIC, Pedro Ivo, TAC, Espaço Cruz e Souza na UFSC.

spot_img
spot_img