15.5 C
fpolis
terça-feira, julho 5, 2022
Cinesystem Villa Romana Shopping

Lula chega a Florianópolis na manhã desta sexta

Lula chega a Florianópolis na manhã desta sexta

spot_imgspot_img

Presidente inaugura novo sistema de ligação energética entre a ilha e o continente

A chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Florianópolis, Santa Catarina, está prevista para às 9h45min desta sexta-feira.

O chefe de Estado visita o Estado para inaugurar a linha submarina de transmissão de energia elétrica que integra a Capital catarinense ao Sistema Interligado Nacional. A obra faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal.

A cidade é a última capital do país a fazer parte da rede.

Agenda

Lula deve chegar à Base Aérea e ir, de helicóptero, até a subestação Desterro, da Celesc — estatal responsável pela distribuição de energia elétrica — na Praia do Campeche.

Lá, ele descerrará uma placa que marca a implantação da nova linha de transmissão entre duas subestações: Palhoça, no Continente, e Desterro, na Ilha.

Às 11h, está programado um sobrevoo do presidente na Baía Sul, no ponto onde foram instalados os cabos de transmissão de energia elétrica sob a água.

Depois da solenidade, por volta do meio-dia, o presidente segue para a sede da Eletrosul, no bairro Pantanal, onde participa da cerimônia oficial de inauguração do cabo submarino.

A previsão é que Lula e sua comitiva retornem para Brasília às 13h45min.

Investimentos de R$ 172 milhões

O empreendimento, que recebeu investimentos de R$ 172 milhões, garante um aumento de 150% na capacidade de recebimento de energia na Ilha. A interligação opera desde 29 de dezembro.

Conforme o diretor operacional da Eletrosul, Antônio Vituri, o empreendimento é o único na América Latina com cabos submarinos. Além dos equipamentos sob a água, houve ampliação da subestação de Palhoça, construção das subestações de Biguaçu e de Desterro, e a construção e ampliação de linhas de transmissão.

A inauguração do novo empreendimento deve pôr fim às sobrecargas no sistema de energia elétrica na cidade e impedir a repetição de epísódios como o apagão de 2003, quando a única ligação entre subestações no Continente e na Ilha foi danificada e a Capital catarinense ficou sem o abastecimento de energia elétrica por aproximadamente 55 horas.

spot_img